Meu Primeiro Carro

Finanças pessoais: 7 dicas para comprar o seu primeiro carro

Pensando em comprar o primeiro carro? Acesse nosso post e saiba o que levar em conta para uma decisão certeira!

O primeiro automóvel ninguém esquece. Para muitos brasileiros, o sonho de ter um carro está no topo da lista de prioridades que, em muitos casos, vem antes mesmo da casa própria.

Mas, nos dias de hoje, investir em um sonho que envolve gastos significativos pode ser bem complicado. São inúmeros fatores que devem ser levados em conta na hora da decisão, uma vez que alguns investimentos implicam em imensos impactos financeiros no orçamento.

Comprar um veículo envolve um bom planejamento financeiro, visto que carros representam um dos maiores gastos no orçamento pessoal e, quando não são realizados de forma criteriosa, o sonho do carro próprio pode se transformar em um verdadeiro pesadelo.

Para ajudá-lo nesta tarefa, listamos 7 dicas que devem ser levadas em conta na hora de comprar o seu primeiro carro. Confira!

1. Avalie sua capacidade financeira

É necessário saber qual carro cabe no seu bolso. Essa análise só será possível ao avaliar sua capacidade financeira. Esse é o ponto de partida para quem quer comprar o primeiro carro: saber quanto está disponível no orçamento mensal.

Conhecer o quanto do orçamento deve ser comprometido para a compra de um carro é o principal critério de avaliação. Ponha na ponta do lápis o quanto entra de dinheiro e quais são as suas despesas fixas e variáveis, de forma que você possa saber qual a quantia que poderá pagar por um carro todo mês. 

Uma pessoa que mora com os pais, por exemplo, terá bem menos contas para pagar que uma pessoa que mora sozinha, a qual, muitas vezes, precisa pagar aluguel, luz, água e alimentação.

Outro ponto é: avalie sua situação daqui a três anos, prazo médio em que geralmente é realizado um financiamento de um automóvel, e faça uma previsão de salário para esse período. O planejamento é fundamental e passa a ser ainda mais importante diante de uma economia volátil como a que estamos vivenciando. É preciso reconhecer os riscos e se prevenir para evitar perdas financeiras futuras.

A dica aqui é planejar qual valor será destinado às parcelas, bem como a outros gastos, como seguro, IPVA, DPVAT, licenciamento, manutenção, entre outras despesas que possam vir a ocorrer.

2. Reconheça a sua necessidade de ter um carro

Qual a necessidade de você comprar um carro? Muitas pessoas acabam trilhando uma verdadeira corrida para encontrar o melhor automóvel, um design moderno, a marca e o modelo que mais agrada, porém, ignoram a finalidade e uso do veículo.

Para o primeiro carro, é preciso ponderar qual será seu uso, ou seja, qual será a utilidade dele no dia a dia. Via de regra, leve em consideração se será apenas trabalho, ou mesmo para viagens, ou será utilizado para cargas e precisará de um motor mais potente, suspensão e amortecedores, ou se será utilizado para uma família grande, devendo ser um carro que comporte a todos com segurança e conforto. Todos os fatores devem ser levados em consideração, uma vez que podem implicar em uma boa ou má escolha.

3. Leve em consideração as diferenças nos valores de um carro novo e usado

A situação econômica atual requer cuidados e procurar opções de investimentos mais em conta acabam sendo ótimas opções.

Para muitas pessoas, a indecisão ocorre quanto à escolha de um carro novo ou usado. No caso de um carro zerado, o dono não terá que se preocupar se já teve algum problema ou mesmo se já passou por algum tipo de acidente, pois você será o primeiro dono e isso já é uma grande vantagem. Já um carro usado ou mesmo seminovo tem como grande diferencial o preço, que é bem menor em comparação com um carro novo. Mesmo aqueles que saem da revenda já sofrem uma depreciação de até 20% do valor de mercado.

Mas vale destacar que, ao comprar um carro usado, a preocupação deve ser ainda maior, devendo ser cautelosamente avaliado, já que um valor reduzido pode significar em gastos acessórios que implicam em um  valor bem maior. Por isso, observe os pneus, a quilometragem  e o histórico do antigo dono, no caso de algum problema devido a acidentes ou outros fatores que possam implicar em despesas posteriores com manutenção.

4. Não escolha de primeira, pesquise!

Este é um erro fatal e que faz muitas pessoas pagarem muito caro: entrar na primeira concessionária e logo fechar negócio. A pesquisa de mercado é essencial para quem deseja comprar o primeiro carro. A diferença de valor pode ser bem significativa de uma concessionária para outra, sendo possível encontrar uma redução significativa no preço, principalmente quando são levantados opções de concessionárias de outras cidades.

É preciso comparar e pechinchar. No processo de venda, aproveite as oportunidades de descontos e outras promoções para levantar uma boa negociação. Compradores que fecham negócio por impulso ou que ficam motivados por alguns benefícios podem perder outras propostas que realmente valeriam a pena.

A escolha deve ser bem pensada, uma vez caso você financie o veículo, terá por longos anos uma dívida. Caso a compra do primeiro carro possa ser adiada para que você tenha condições de pagar à vista, vale a pena esperar, pois a economia com juros das prestações e até um bom desconto pode ser bem mais vantajoso. Por isso, pesquise, pesquise e pesquise!

5. Consórcio ou financiamento? Pondere as opções!

Pagar à vista é a melhor opção, mas, para a maioria dos brasileiros, ter dinheiro disponível e em uma quantia significativa para comprar um automóvel não é tão simples como parece. E para quem opta por comprar a prazo, duas modalidades são bastante conhecidas entre os brasileiros: consórcio e o financiamento.

No caso do financiamento é importante que o interessado faça uma pesquisa em várias lojas e instituições financeiras para buscar as melhores opções, uma vez que as taxas de juros são negociáveis, podendo variar e serem menores nas parcelas.

Via de regra, quanto maior o prazo de financiamento, maiores serão os juros incorridos. Mas para quem deseja adquirir o primeiro veículo e não tem pressa, o consórcio acaba sendo a escolha ideal. Além de ser uma opção menos burocrática, os custos dos consórcios, diferentemente dos financiamentos, tendem a serem reduzidos, uma vez que não são cobrados juros, mas sim uma taxa de administração, dessa forma a prestação se torna menor quando comparada a dos financiamentos.

Existem diversas opções de consórcios, seja para compra de um carro, caminhonete, novo ou seminovo e de qualquer marca e, melhor, o valor das parcelas pode ser planejado e encaixado perfeitamente no orçamento.

6. Fique atento aos acessórios e detalhes

A compra do primeiro carro sempre gera certa apreensão, já que é um sonho que está sendo realizado. Na emoção, compradores acabam levando o veículo sem uma boa avaliação, ou mesmo esquecem de checar acessórios e detalhes e fazer um test drive.

A dica aqui é que você saiba o que está levando — e não apenas o modelo e a marca, mas o que está dentro dele, pontuando seus pontos positivos e negativos. Antes de fechar o negócio, procure realizar um teste mais apurado, pois pequenos detalhes esquecidos na hora da compra podem fazer uma grande diferença no dia a dia.

7. Não esqueça do seguro

Na emoção do momento, muitos compradores esquecem de um importante detalhe ao levarem o veículo para casa: o seguro. Qualquer um está sujeito a sofrer um acidente, ser roubado ou mesmo o carro apresentar algum tipo de defeito. Pesquisar o seguro no momento da compra é vantajoso e pode reduzir os gastos extras.

Além disso, para quem vai adquirir o primeiro carro, o seguro pode ser realizado por um banco ou por uma corretora. No caso de um cliente inexperiente, a opção de corretora é a mais indicada, uma vez que poderá passar mais informações referentes aos serviços que serão contratados.

Este post lhe foi útil? Deseja saber mais sobre o assunto? Entre em contato com a gente!
Guia Completo De Aquisicao Via Consorcio De Veiculos