Meu Primeiro Imóvel

8 erros comuns ao comprar um apartamento e como evitá-los

Desvende os 8 erros mais comuns, e saiba como evitá-los, lendo nosso post!

O momento de comprar um apartamento exige uma série de cuidados. Isso, tendo em vista que a aquisição de uma nova moradia é acompanhada por um forte apelo emocional, e é um investimento cujo alto valor comprometido, se mal aplicado, causará problemas capazes de anular toda a satisfação da conquista.

Para evitar os 8 erros comumente praticados ao comprar apartamentos, preste muita atenção a este post!

1. Comprar impulsivamente

Esse é um erro clássico, e que tem grandes chances de acabar em arrependimento. Muitas vezes, na ânsia de concretizar a compra de um apartamento, a pessoa se deixa levar pelo primeiro negócio que lhe é apresentado, crendo ser o único possível.

Isso dificilmente é verdade. Em um ramo tão amplo como o imobiliário, as oportunidades são inúmeras e estão por toda parte. Então, nada de se deixar seduzir pelo primeiro apartamento bonito que ver por aí!

Pesquise todas as alternativas que cabem no seu orçamento, e eleja a melhor para a si mesmo e para a sua família.

2. Não levar em conta o condomínio do prédio

Ao considerar comprar um apartamento, um grande erro é deixar de lado uma das mais importantes despesas relacionadas à moradia: o condomínio. Quando isso ocorre, as consequências são desastrosas, e pode modificar por completo o padrão de vida de quem simplesmente não pensou em incluir o condomínio nas contas.

Por isso, ao considerar a hipótese de comprar um determinado apartamento, informe-se o quanto antes sobre o preço do condomínio cobrado da unidade na qual está interessado, ou peça ao seu agente imobiliário que o faça.

Se o apartamento que você for comprar estiver na planta, fique atento ao número de unidades que compõem o empreendimento, e em sua infraestrutura de lazer. Quanto mais incrementado for o lazer, mais custos ele gerará, por outro lado, muitas unidades — ou apartamentos —  representam mais pessoas para dividir o custo total das despesas do condomínio.

3. Descuidar do quanto se pode gastar

Comprar um apartamento sem avaliar criteriosamente a sua real condição e o que cabe no orçamento, é um erro que pode gerar grandes dificuldades para pagar pelo bem.

Então, para fugir desse risco, é fundamental, ao comprar um apartamento, analisar cautelosamente o aspecto financeiro da aquisição. Ou seja, como a compra afetará a sua vida e a de seus familiares.

Fazer as devidas contas, e nelas incluir cada despesa com moradia (IPTU, condomínio, água, luz, gás), além das demais despesas básicas — com alimentação, transporte, ensino, saúde —, e as variáveis (com pagamento de carnês, empréstimos pessoais, cartões de crédito e outras) é uma das melhores maneiras de ter a exata noção do quanto se pode ter de despesa com a compra de um apartamento.

4. Fechar negócio sem considerar seus custos extras

Muitas pessoas, ao contabilizarem os gastos relacionados à compra de um apartamento, deixam de fora os custos extras que essa transação carrega. Isso acaba implicando em uma surpresa, e até em aperto financeiro, em diversas circunstâncias. Como naquelas em que o indivíduo se programou para gastar certa quantia e, ao deparar-se com a necessidade de despender acima dela, se vê em uma situação diferente da que imaginou.

Portanto, lembre-se: a compra de um imóvel envolve mais despesas que a do fechamento do contrato, quer dizer, o valor pago ao vendedor.

Existe ainda:

- despesas com a documentação;

- ITBI — Imposto Sobre Transmissão de Bens Imóveis;

- gastos com a mudança, etc.

5. Não se resguardar de problemas que possam invalidar a transação

Não se resguardar ao investir na compra de um apartamento é praticamente lançar-se em uma perigosa aventura, com muita chance de prejuízo.

Para se manter em uma situação segura, livre de riscos, é imprescindível, ao comprar um imóvel, checar toda a documentação referente a ele: certidões que provem estar livre de ônus, de bloqueios judiciais, que garantam o imóvel não ser bem em inventário, e tudo mais que possa assegurar sua condição de livre e desimpedido para venda.

6. Comprar um apartamento de construtora/incorporadora sem solidez comprovada

Isso é um perigo: comprar um apartamento de construtoras/incorporadoras que não prezam pelos seus clientes e produtos, que os entregam fora do prazo ou sequer conseguem entregar.

Por isso, fuja de aventureiros. Ao comprar um apartamento, cerque-se de garantias. Levante o nome e a reputação da construtora/incorporadora com a qual fará negócio. Veja a quantidade de imóveis que ela entregou, se o fez nos prazos estabelecidos e de acordo com o memorial descritivo.

7. Desconhecer as características do imóvel comprado

Há muitos casos de pessoas que compraram seus apartamentos baseadas somente em uma única visita a ele. Receberam muita informação a seu respeito, viram fotos e até vídeos, foram lá, e pronto: fecharam negócio. Isso é altamente desaconselhável, e por diversos motivos.

- uma só visita não permite conhecer o ambiente no qual você viverá

- através de uma única visita ao imóvel é impossível perceber os detalhes do apartamento, como a incidência da luz solar nos ambientes internos, se eles são suficientemente arejados e como os sons ali se propagam;

- não dá para conhecer as condições do trânsito no bairro e na rua onde vai morar, em um só dia e horário.

Para eliminar essa possibilidade de errar, visite o imóvel pretendido em dias e horários alternados, inclusive em, pelo menos, um final de semana. Assim, além de checar os pontos acima destacados, ficará viável notar a movimentação em torno do condomínio — fator essencial para ter a certeza de que ele está em uma região segura —, e fazer um reconhecimento do todo que adquirirá, inclusive suas imediações.

8. Comprar um imóvel sem ter a certeza do perfil mais adequado

Fazer uma compra pouco refletida em termos de perfil imobiliário gera um problema difícil de contornar. Comprar um  apartamento menor do que a necessidade familiar exige, ou muito distante das atividades cotidianas, pode produzir desconfortos em curto prazo, e, o que é pior: depois de concretizada uma compra assim, será preciso conviver um longo período com seus efeitos.

Para não passar por essa situação, defina bem o perfil de imóvel que melhor atende às suas expectativas pessoais e familiares. Pense em como está a vida de cada um de seus membros hoje, e como estará daqui a pelo menos 5 anos, que é um prazo futuro capaz de ser projetado.

Pense onde cada um trabalha, estuda, se há planos de aumentar a família, e tudo o mais que for indispensável para a rotina da família. Assim, será possível traçar o perfil mais adequado para todos os moradores do novo imóvel.

Todos os erros que reunimos aqui, a fim de te alertar, podem ser evitados: para tal, siga as nossas dicas e use o seu bom senso. E, não se esqueça de que, para comprar um apartamento acertadamente, é preciso planejar-se e munir-se de uma boa dose de prudência. Mas, você sabe como se planejar financeiramente para entrar em um consórcio imobiliário? Confira nosso post e descubra!