Meu Primeiro Imóvel

Como avaliar um imóvel usado? 8 dicas para te guiar

Confira 8 dicas de itens para observar em uma avaliação de imóvel usado e não perca dinheiro na hora da compra!

A compra de um imóvel usado pode ser o caminho mais fácil e rápido para a realização do sonho da casa própria ou para aumentar seu patrimônio. No entanto, construções mais antigas podem apresentar problemas de estrutura e conservação. Por isso, é importante saber como avaliar um imóvel para que esses problemas não se tornem uma dor de cabeça no futuro.

Se por um lado imóveis usados possuem as vantagens de estarem prontos e de serem vendidos por valores mais baixos, por outro, há o risco de que o mau uso e a falta de manutenção tenham lhe causado danos — e isso se converterá em gastos com os consertos.

Além disso, se for uma construção antiga, pode ser de uma época em que havia outra legislação vigente e a fiscalização de obras pode ter sido precária. Assim, existe a possibilidade de que sua estrutura esteja comprometida ou que as instalações elétricas e hidráulicas estejam inadequadas.

Portanto, é preciso que o imóvel passe por uma avaliação criteriosa antes do negócio ser fechado e o contrato assinado. Quer saber como? Falaremos sobre isso abaixo. Confira!

Dicas de como avaliar um imóvel usado

Por envolver alguns riscos, imóveis usados precisam ser avaliados com cuidado. Além de observar aspectos habituais como localidade, metragem, quantidade de dormitórios e de banheiros e facilidades oferecidas pelo condomínio, é preciso observar suas condições de conservação.

Afinal, qualquer parte danificada ou funcionando mal exigirá gastos para o conserto e isso também influencia no valor. Por isso, separamos 8 dicas do que verificar em uma vistoria para avaliar com maior precisão o imóvel usado de seu interesse.

1. Estrutura

Verificar a estrutura do imóvel a ser adquirido é importantíssimo, pois problemas nela geram grandes transtornos, podem inviabilizar sua ocupação e, provavelmente, necessitarão de um alto investimento para uma reforma.

Busque por sinais aparentes, como rachaduras, colunas quebradas, ferragem aparente e com ferrugem. Mas não se preocupe com rachaduras superficiais nas paredes. Atente-se para as profundas, que geralmente crescem em um ângulo de 45°.

Verifique nas colunas e vigas de sustentação se não há quebras no concreto, deixando a ferragem aparente. Infiltrações podem comprometer a segurança da estrutura. Portanto, se reparar qualquer um desses problemas, prefira chamar um engenheiro para conferir a gravidade do caso.

2. Instalações elétricas

Imóveis usados, especialmente os mais antigos, podem precisar de atualização nas instalações elétricas. Para saber o quanto gastará, leve um especialista para avaliar a situação e veja o estado da fiação e dos bocais de lâmpadas.

Se apresentarem ressecamento, oxidação ou qualquer outro sinal de má conservação, será preciso trocar tudo. Tenha em mente que essa é uma questão de segurança e de eficiência energética.

Outro ponto importante para se observar é a condição do quadro de luz. Ele deve ser atual, com disjuntores separados por área do imóvel. Se for antigo, é preciso substituí-lo. Ainda, observe a quantidade de tomadas nos cômodos e sua situação. Trocá-las ou adicionar outros pontos pode custar caro.

3. Hidráulica

Primeiramente, basta verificar as condições aparentes de torneiras, registros e louças sanitárias. Veja se não há corrosão ou rachaduras, e confira nos sifões, nos flexíveis e nas torneiras, se não há gotejamento.

Depois, feche os registros gerais e veja se estão funcionando adequadamente. Atente-se à água que sai de cada torneira. Coloração escura e líquido com detritos significa encanamento corroído ou caixa d’água suja.

Aproveite para conferir a vazão nos vasos sanitários e se as descargas funcionam sem barulhos na tubulação e vazamentos.

4. Pisos

Em pisos de madeira, procure por desníveis ou tábuas levantadas que indicam umidade no solo. Manchas ou desgaste nas bordas das tábuas também podem demonstrar que o final da vida útil do piso está próximo. Para os de tacos, o verniz deve estar recente e a calafetação (o rejunte) precisa estar preenchida.

Nos laminados e vinílicos basta verificar o estado de conservação e se não há desníveis, rachaduras ou partes soltas. Já para pisos de porcelanato ou cerâmica, observe se não há barulhos ao andar e se não há peças quebradas, rachadas ou riscadas.

Em todos os casos, é importante conferir o nivelamento do contrapiso e se as caídas de água para os ralos funcionam. Utilize uma régua de nível ou role uma bolinha para o teste.

5. Teto e telhado

Observe se não há manchas ou sinais de mofo no forro. Nos de plástico PVC, confira o estado de conservação. Caso estejam ressecados ou quebradiços, precisarão ser trocados. Se o teto for direto na laje, veja se não há rachaduras.

Para casas, tente avaliar se não há telhas quebradas no telhado. Essa verificação pode ser feita por fora, com uma escada, ou por dentro, pelo acesso da laje, se houver. Em apartamentos, confira especialmente o teto da cozinha e dos banheiros à procura de infiltrações.

6. Armários

Se houver armários e guarda-roupas embutidos, observe se a madeira ou o compensado estão sólidos, se não há manchas de infiltração, se todas as portas e gavetas abrem e fecham sem dificuldade e se não há serragem aparente, o que pode indicar presença de cupins.

Confira também os fundos dos armários para saber se estão bem instalados e juntos à parede. Não esqueça das condições de cabideiros, trilhos, puxadores, espelhos e outros itens incluídos nos armários.

7. Janelas e portas

As janelas e portas devem abrir e fechar sem dificuldades. Veja se os trilhos não fazem muito barulho, se não há ferrugem aparente, tanto na janela e nos trilhos, como nas dobradiças das portas e nas persianas, se houver. Se for o caso, aproveite para conferir se as persianas estão funcionando direito e se suas correias estão em bom estado.

Observe  se as folhas de acabamento das portas não estão se soltando, se não há serragem caindo delas e se não estão raspando no piso ou nos batentes ao abrir ou fechar.

8. Contas e documentação

Além de todos esses itens, é importantíssimo verificar se a documentação do imóvel está em dia. Confira na matrícula — que pode ser obtida no cartório em que ele está registrado — se todas as informações estão corretas, as mudanças estruturais, os dados dos proprietários, as restrições, entre outras questões relevantes.

Peça uma Certidão Negativa de Débitos de Tributos Imobiliários e confira se não há dívidas de IPTU ou com o condomínio. Ainda, se for um apartamento ou casa de condomínio, peça uma cópia da convenção condominial e do regimento interno.

E, antes de fechar negócio, confira as contas do condomínio e as atas das últimas reuniões para saber sobre a real situação financeira de sua administração.

Como vimos, saber como avaliar um imóvel corretamente é essencial para a compra de uma casa ou apartamento usados. Afinal, por serem já antigos ou porque não tiveram a manutenção adequada, podem apresentar problemas estruturais ou pequenos danos que, futuramente, pesarão no bolso de quem os adquirir.

Gostou das nossas dicas? Então confira os prós e contras de adquirir um imóvel novo, um imóvel usado ou um imóvel na planta.