Meu Primeiro Imóvel

Consórcio imobiliário vale a pena? Solucione suas 8 maiores dúvidas

Quer descobrir se o consórcio imobiliário vale a pena? Clique aqui e leia esse artigo

A aquisição de uma propriedade é sempre um momento muito sonhado na vida de qualquer pessoa. No entanto, com a grande valorização que o mercado de imóveis tem sofrido, sobretudo nos grandes centros urbanos do Brasil, alcançar esse objetivo nem sempre é algo simples. Por isso mesmo, muitas pessoas se perguntam se o consórcio imobiliário vale a pena.

Essa é uma modalidade que está em franco crescimento e permite que até mesmo pessoas com o orçamento financeiro mais restrito consigam adquirir a moradia própria. E você, ficou interessado? Quer aprender um pouco mais? Então confira o conteúdo a seguir e solucione suas dúvidas sobre esse tema:

1. O que o consórcio imobiliário permite comprar?

Uma das dúvidas mais comuns de quem entra em um consórcio é o que efetivamente pode ser comprado com o crédito contemplado. E, ao contrário do que muitos pensam, você não precisa adquirir exatamente aquilo que desejava no começo: há uma boa flexibilidade e possibilidade de mudanças.

É possível, por exemplo, investir na aquisição de qualquer item que esteja no mesmo segmento. Com a evolução do sistema, mesmo que você quisesse inicialmente uma casa, você pode usar o dinheiro para comprar um apartamento, um terreno ou até mesmo para fazer uma reforma.

2. Como é a formação do grupo?

Um consórcio imobiliário só funciona quando um grupo de pessoas interessadas em adquirir o mesmo tipo de bem é formado. Basicamente, ele é constituído por um número de integrantes, que deverão contribuir mensalmente para a formação de uma poupança, e a quantidade de pessoas acaba sendo pré-determinada pela empresa administradora do grupo.

Nesse caso, especificamente, a destinação do autofinanciamento será a compra de uma propriedade e isso será feito a partir de sorteios e lances, até que todos sejam contemplados com a carta de crédito. Nessa modalidade, não existe a incidência de juros sobre as parcelas, sendo elas apenas corrigidas pelo Índice Nacional de Custos da Construção.

3. Qual é a documentação necessária?

Outra dúvida que é bastante comum no consórcio imobiliário é sobre a documentação necessária para entrar em um grupo. E, ao contrário do que muitos pensam, ela não é tão extensa. A burocracia é bem menor do que a que ocorre em financiamentos oferecidos por bancos e instituições financeiras, por exemplo.

4. O que é o contrato de adesão?

contrato de adesão é o termo que une o cliente à empresa e especifica quais são os detalhes daquele consórcio imobiliário. Ele é muito importante para mostrar quais são os deveres e os direitos das duas partes, bem como as especificações do fundo e também para garantir que tudo saia de acordo com o combinado.

Todos os participantes precisam assinar um contrato de adesão que, entre outros detalhes, terá a quantia total da carta de crédito, os prazos de vencimentos, os valores das prestações, os reajustes, as condições de contemplação, as taxas de administração e as obrigações da administradora e dos integrantes do fundo.

5. Como funcionam as assembleias e reuniões?

As assembleias são o momento no qual a administradora e os participantes do fundo se encontram habitualmente. Embora normalmente ela ocorra mensalmente, as duas partes podem, eventualmente, solicitar um encontro adicional. Em linhas gerais, elas servem para a realização dos sorteios de contemplação e para ofertas de lances.

Os encontros também podem servir para a proposição de algumas resoluções ou procedimentos naturais desse processo. A primeira assembleia é fundamental, pois é nela que a empresa organiza o grupo de e determina a pedra-chave, que é o número que identifica cada cliente.

6. O que são os lances?

Os lances são muito importantes para compreender como funciona um consórcio imobiliário. É mais ou menos como em um leilão: a oferta maior é vencedora e o cliente tem a sua carta de crédito liberada.

É importante compreender que o lance é uma antecipação do pagamento das parcelas que estão por vir. O lado bom é que o participante pode, por exemplo, usar o seu FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço), para fazer um lance ou complementar o valor da carta de crédito. Sempre é bom lembrar que o consorciado só realizar o pagamento se o seu lance for o vencedor.

7. Como é a contemplação?

O momento mais importante do consórcio imobiliário é a contemplação, seja ela conquistada por sorteio ou por um lance. O procedimento é relativamente simples: o contemplado recebe a carta de crédito com o valor previamente combinado no contrato e pode utilizá-la para a aquisição de qualquer tipo de imóvel.

A escolha é de cada uma: terrenos, apartamentos, casas, novos, usados, na planta, construção ou até mesmo reformas de uma propriedade já quitada. Além disso, há outra possibilidade menos conhecida: a de usar a quantia recebida para quitar um financiamento, desde que ele esteja no nome do próprio consorciado.

8. O que ocorre se houver inadimplência?

Um dos grandes medos que as pessoas têm e que as fazem se questionar se um consórcio imobiliário vale a pena, é de perder todo o dinheiro em caso de atrasos ou inadimplência. Porém, não é assim que as coisas ocorrem nesse sistema. Cada administradora tem suas regras e elas são estabelecidas no contrato de adesão.

No entanto, ainda que as penalidades e multas sejam variáveis de empresa para empresa, uma regra é universal: apenas quem estiver com tudo em dia pode participar de sorteios ou efetuar um lance. Sendo assim, é fundamental avaliar se as prestações cabem realmente no seu bolso para não correr esse risco, não é verdade?

E agora, descobriu se o consórcio imobiliário vale a pena? Gostou do conteúdo? Então faça o download grátis do nosso e-book e tire todas as suas dúvidas sobre consórcio imobiliário.