Planejamento Financeiro

6 motivos para praticar educação financeira com os filhos

Já pensou em ensinar seus filhos a terem uma boa educação financeira? Leia nosso post e cuide do futuro deles!

A educação financeira é uma tarefa ainda pouco explorada, mas muito importante. Ela consiste em garantir que seus filhos entendam não apenas o que é o dinheiro, mas, também, de onde ele vem, qual é o seu valor e como usá-lo da maneira mais consciente possível.

Ainda assim, muitos pais não sabem se esse é um ensinamento apropriado, especialmente para os mais jovens. O fato é que ter essa preocupação é especialmente vantajosa para o presente e para o futuro dos seus filhos.

Quer saber o porquê? Então, continue a leitura e veja 6 motivos para praticar a educação financeira com os filhos!

1. Ensina a origem do dinheiro

É muito comum que as crianças, especialmente as mais novas, achem que o dinheiro é conquistado de maneira fácil. Afinal, quem é que nunca precisou dizer para seus filhos que “dinheiro não dá em árvore”?

Em parte, isso se deve ao fato de que eles, normalmente, veem o resultado de uma compra — como um brinquedo ou um lanche —, mas não sabem o que foi necessário fazer para pagá-la. E é por isso que a educação financeira é fundamental.

Ela vai ensinar para os filhos justamente a origem do dinheiro, de forma que fique mais fácil falar sobre o seu valor. Ao entender que o dinheiro não surge do nada e, sim, de muito trabalho, os desperdícios certamente também ficam menores.

2. Ajuda os filhos a saberem como se planejar

Quando os filhos não têm plena consciência da origem do dinheiro, gastá-lo é uma grande festa. Sem esforço, basta passar o cartão ou abrir a carteira para ter tudo o que deseja. Porém, eles precisam saber que isso gera satisfação temporária, que impede que sonhos maiores sejam realizados.

Quando eles entendem a origem do dinheiro, por outro lado, conseguem valorizá-lo muito mais. Sabe aquele brinquedo que o seu filho quer muito ter, por exemplo? Com a educação financeira é possível fazer com que ele se planeje para fazer essa compra.

Assim, com as orientações certas, eles aprendem o valor de juntar e de se planejar de um jeito que nunca esquecerão. O que os permitirá saber mais facilmente como obter o sucesso por meio de planos bem estruturados.

3. Auxilia a entender como controlar o dinheiro

Sabemos que, para um planejamento dar certo, é crucial ter controle. Contudo, é muito comum que os filhos queiram tudo ao mesmo tempo, não é mesmo? Isso acontece porque não são eles que pagam por seus desejos. Assim, ter controle passa a ser uma questão inexistente ou até desnecessária.

No entanto, quando recebem uma educação financeira, os filhos começam a compreender o conceito de consequências e de planejamento. Assim, eles podem compreender como realizar o controle da mesada, por exemplo, para fazer o máximo de coisas possível com o dinheiro, sem desperdícios.

Se gastam com coisas banais, não vão poder comprar algo que queiram muito, por exemplo. Ou, se gastam todo o dinheiro que recebem em um só dia, passam vontade por um longo tempo até que recebam novamente a mesada.

4. Cobre um assunto que não é tratado nas escolas

Fórmulas de matemática, reações químicas, fatos históricos e capitais de todo o mundo já são assuntos comumente tratados e cobrados nas escolas. Dependendo da instituição, outros idiomas, artes e matérias extras também são ensinadas.

Contudo, as finanças ainda são pouco discutidas. Isso faz com que os jovens passem de série sabendo dividir, somar e subtrair, mas sem saberem como montar um orçamento mensal, por exemplo.

Assim, eles se formam na escola entendendo tudo o que vai cair no vestibular, mas muito pouco — ou quase nada — sobre a gestão financeira. E se a escola não trata disso e se os pais também não, não terão uma formação adequada sobre finanças.

Nesse sentido, praticar a educação financeira com os filhos em casa é uma forma de cobrir o “buraco” que a maioria das escolas deixa ao não tratar esse assunto.

5. Favorece o orçamento de toda a família

Muitas vezes, os filhos representam boa parte dos custos do orçamento familiar. E os materiais escolares, mensalidade da escola, roupas, atividades extracurriculares, brinquedos e atrações de lazer acabam pesando no orçamento. Então, se não houver controle, o desequilíbrio pode tomar conta e trazer para o orçamento grandes problemas.

Quando os filhos passam a ter consciência de todas essas questões, por outro lado, é muito mais fácil contar com a sua colaboração para atingir objetivos benéficos para todos.

Imagine, por exemplo, que você quer fazer uma viagem em família. Para isso, é necessário juntar certa quantia em um período de 6 meses. Se os filhos têm conhecimentos sobre educação financeira, poderão ter mais consciência na hora de gastar, ajudando a alcançar este objetivo.

6. Prepara para o futuro em sociedade

A verdade é que a vida em família é muito diferente da vida no “mundo real”. Se, em casa, os filhos podem contar com a ajuda dos pais para comprar aquilo que desejam, na vida em sociedade é necessário cuidar de perto das finanças para conseguir dar conta de tudo.

Assim, se desde cedo as crianças entendem sobre o valor e a origem do dinheiro, quando chegam à vida adulta não sentem um choque de realidade tão grande.

Pense, por exemplo, no fato de o seu filho fazer pequenas tarefas para amigos e familiares em troca de remuneração. Acostumado desde já, ele não sentirá um choque tão grande quando estiver mais velho e precisar trabalhar, seja como empreendedor ou funcionário.

Além disso, a consciência financeira ajuda ainda no planejamento e, portanto, na obtenção de rendimentos melhores em toda a vida.

O resultado? Crianças e adolescentes que se transformam em adultos com ótima capacidade de investimento e de fazer o dinheiro render de maneira adequada.

Enfim, praticar a educação financeira com os filhos é especialmente importante porque gera consciência sobre o valor do dinheiro e de onde ele vem, além de favorecer o controle e o planejamento.

Ainda, é uma forma de cobrir um assunto que normalmente não é explorado na escola, criando, no futuro, adultos aptos a serem bem-sucedidos e conscientes financeiramente.

E aí, gostou do post? Agora, por falar nesse assunto, que tal ler também um pouco mais sobre como construir uma relação promissora entre o jovem e o planejamento financeiro?