Planejamento Financeiro

7 lições para aprender a gastar menos e melhor

Os preços estão altos e a situação econômica está difícil? Combata o problema com essas dicas para gastar menos!

Quantas vezes você já colocou a culpa de um aperto financeiro na inflação, na crise econômica, no alto preço das coisas? Realmente, todos esses fatores são importantes. O problema é que eles estão fora do seu alcance. Enquanto isso, a maneira como você controla seus gastos está, sim, ao seu alcance.

Que tal gastar menos e melhor, ter dinheiro para o que você mais precisa (ou quer) e não enfrentar apertos no final do mês? Se essa parece uma boa ideia, confira as 7 dicas que temos para você.

1 - Evite as compras por impulso

Compras por impulso costumam ser motivadas por fatores emocionais. Isso significa que, se você estiver triste, frustrado ou insatisfeito, vai tentar superar esse sentimento comprando alguma coisa que, na verdade, não precisa.

Para resolver esse problema, o primeiro passo é identificar quais são as situações que acionam o seu “gatilho”. Depois, você tem que encontrar outra forma de lidar com essas situações. Busque fontes diferentes de prazer e relaxamento.

E sempre que você pensar em comprar alguma coisa mais cara, comprometa-se a esperar um dia antes de tirar a carteira do bolso. É possível que, nesse tempo, seu estado emocional mude. Assim, você terá evitado uma compra por impulso.

2 - Pesquise preços

Quem compra na primeira loja em que entra corre o risco de gastar mais sem nem saber. A diferença de preços entre lojas pode atingir centenas de reais, dependendo do produto que você vai comprar. Além disso, a diferença dos preços entre lojas físicas e e-commerce também é alta.

Uma boa notícia é que, atualmente, você não precisa gastar a sola do sapato para pesquisar preços. Basta uma rápida busca na internet para descobrir valores em diferentes lojas. Também existem sites que fazem a comparação automaticamente, como o Buscapé e o Zoom.

3 - Fique atento às opções de pagamento

Você, com certeza, já sabe que o parcelamento de uma compra pode fazer com que o valor total fique bem mais caro. A culpa é dos juros que são embutidos em cada parcela. Por isso, a melhor recomendação é, sempre que possível, comprar à vista. Outra alternativa é buscar parcelamentos menores, que não tenham juros.

Se você optar pela compra parcelada, não se esqueça de que isso vai reduzir seu poder aquisitivo nos próximos meses. Ou seja, confirme se você vai conseguir encaixar as parcelas no seu orçamento, levando em consideração que outras contas provavelmente vão aparecer.

Imagine que você pretende comprar uma TV nova em 6 parcelas em Outubro. No entanto, em Janeiro, chegam as cobranças de IPTU e IPVA. Será que você consegue pagar todos os impostos e mais a parcela da TV?

4 - Negocie descontos

Muitos compradores não sabem o poder de negociação que eles possuem. A verdade é que, na maioria dos casos, as lojas trabalham com uma margem de lucro alta. Isso significa que elas podem oferecer descontos para não perder o cliente e, ainda assim, lucrar com a venda.

A melhor maneira de negociar é apresentando um valor mais baixo, praticado por uma loja concorrente. Então, você pode pedir que o vendedor consiga um preço ainda melhor. Para fazer isso, a pesquisa de preços que nós comentamos antes vai ser indispensável.

Além dessa negociação, você ainda pode pedir descontos para pagamento à vista. Isso costuma funcionar porque, para uma loja, R$90 recebidos imediatamente valem mais do que R$100 recebidos em dez vezes.

Lembre-se de que mesmo que a negociação não funcione na primeira loja, não tem problema. Você deve investir o máximo possível do seu tempo para encontrar o melhor preço e gastar menos. Então, leve sua proposta para a próxima loja e veja se eles vão aceitar.

5 - Anote os gastos

Depois de fazer a compra, volte para casa e anote tudo na sua planilha financeira. Ter um controle dos seus gastos vai ajudar a manter seu orçamento no azul. Se você perceber que está perto de chegar ao limite (ou seja, de gastar mais do que ganha), puxe o freio e pare de comprar.

A desculpa de muitos brasileiros para não fazer esse controle é o esquecimento. Realmente, é preciso desenvolver o hábito de anotar todos os gastos — não apenas os grandes, mas também os pequenos, como aquele cafezinho depois do almoço. Felizmente, com a ajuda da tecnologia, fica bem mais fácil.

Existem diferentes aplicativos para fazer o planejamento financeiro pelo smartphone, como o Guia Bolso. Se você preferir, pode apenas anotar os gastos no celular, e passar tudo em uma planilha no final de cada semana. O seu objetivo deve ser garantir que os gastos não ultrapassem os ganhos.

6 - Compre no momento certo

Há épocas do ano em que os preços caem. Isso geralmente acontece depois das datas de pico.

Por exemplo, no Natal, os preços estão mais altos, afinal, os lojistas sabem que todos vão comprar presentes nessa época. Porém, depois que a comemoração passa, começam a surgir promoções e descontos. O mesmo acontece depois do Dia das Mães, Dia dos Pais e Dia das Crianças.

Além disso, também existem as datas mais famosas para comprar com preços baixos. A Black Friday, em Novembro, e o primeiro dia útil de Janeiro são as principais.

O segredo é esperar o melhor momento. Você pode adiantar ou adiar a compra, dependendo da situação. Uma boa dica é não esperar a semana do Natal para comprar os presentes. Prefira visitar as lojas, se possível, em Novembro.

7 - Aposte no consórcio

O consórcio permite facilitar a realização de compras à vista. Uma vez que você é sorteado e recebe a carta de crédito, pode fazer a compra imediatamente — mesmo que ainda não tenha atingido o valor total do bem que pretende comprar.

Além disso, o consórcio tem mais flexibilidade do que outras modalidades de compra parcelada. Você pode ajustar o valor que vai pagar conforme o seu orçamento. Não existem “juros”. Na verdade, é muito similar a uma poupança programada. Inclusive, o valor pago no consórcio é atualizado anualmente.

Ou seja, o consórcio é uma boa forma de investir o seu dinheiro com o propósito de fazer uma compra importante, como a casa própria. E com a carta de crédito você aumenta seu poder de negociação, podendo gastar menos.

Quer saber mais? Então, confira nosso artigo sobre Planejamento financeiro para quem vai comprar imóvel em consórcio!