Planejamento Financeiro

Contas inativas do FGTS: como usar o dinheiro de forma inteligente?

Você já viu se tem direito ao saldo das contas inativas do FGTS? Saiba como utilizar essa "renda extra"

Você já foi ver se tem direito a receber o saldo das contas inativas do FGTS? No Brasil, após a entrada em vigor da Medida Provisória nº 763/2016, existem 30,2 milhões de trabalhadores que poderão sacar alguma quantia.

No total, R$ 43,6 bilhões poderão ser resgatados por quem pediu demissão ou saiu por justa causa de algum emprego de carteira assinada até 31 de dezembro de 2015.

calendário de pagamentos foi definido pela Caixa, com base nas datas de nascimento das pessoas. Os saques começarão em março de 2017 e vão até julho do mesmo ano. Diante desse dinheiro inesperado, muita gente fica agora com dúvida sobre o que fazer com o saldo das contas inativas do FGTS.

Se você também quer aproveitar da melhor maneira essa quantia, veja em seguida algumas dicas para usá-la de forma inteligente.

Quitar dívidas atrasadas

A crise econômica fez com que muitas pessoas tivessem o orçamento apertado e, por isso, deixassem algumas dívidas atrasarem. Com a possibilidade de saque do dinheiro até então parado no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, esses indivíduos têm a oportunidade de pagar os débitos e conquistar mais tranquilidade daqui para frente.

Como dívidas em atraso, via de regra, significam juros e multas, quitá-las com o saldo das contas inativas do FGTS é uma ótima chance para se colocar o orçamento em dia novamente e, a partir daí, voltar a ter uma vida financeira saudável.

Se esse for o seu caso, busque primeiro pagar as dívidas que possuem os juros mais altos, como o cheque especial e o cartão de crédito. Dessa maneira, você evita que os valores de tais contas “se multipliquem” no futuro, se ocorrerem novos atrasos.

Antecipar pagamento de contas

Se os seus débitos não estão atrasados, então, outra possibilidade é usar o dinheiro do Fundo de Garantia para antecipar pagamentos, desde que, é claro, haja descontos que justifiquem tal adiantamento da quitação.

Quem possui compras parceladas ou prestações de financiamento, por exemplo, pode utilizar a quantia das contas inativas do FGTS para negociar um abatimento generoso nos totais dessas dívidas.

Como a pessoa vai antecipar o pagamento, é natural ter que haver um desconto no valor dos juros, afinal, eles são “o preço pelo aluguel do dinheiro”.

Se a empresa credora não oferecer o desconto, talvez não seja interessante antecipar o pagamento, mas buscar uma forma de remunerar o valor recebido do FGTS, por exemplo, por meio de aplicações financeiras.

Fazer investimentos

Talvez você não saiba, mas o rendimento do dinheiro existente nas contas dos trabalhadores no Fundo de Garantia era de somente 3% ao ano.

Com as mudanças anunciadas pelo Governo Federal, a rentabilidade das quantias depositadas no FGTS será parecida com a da caderneta de poupança, a partir de 2017, ou seja, algo em torno de 6% ao ano.

Mesmo com o início da queda da taxa básica de juros (Selic), definida pelo Banco Central, e também do declínio da inflação, ainda existem no mercado financeiro várias aplicações que oferecem rendimento maior do que a caderneta de poupança.

Logo, quem não utilizar o saldo das contas do Fundo de Garantia pagará o custo de oportunidade de diminuir o poder de compra do dinheiro.

Participar de um curso de formação

Mais uma opção de uso do saldo das contas inativas do FGTS é o investimento na sua própria formação ou na qualificação de parentes. Você pode realizar desde um curso de maior duração, como uma graduação ou uma pós-graduação, até uma capacitação de duração curta, voltada para uma área específica do seu trabalho.

Só cuide para que o valor pago não ultrapasse o valor que você receberá do Fundo de Garantia, pois, caso contrário, as futuras parcelas podem pesar no seu orçamento, se você fizer um curso longo, por exemplo.

Como o valor recebido das contas inativas do FGTS se referem a uma espécie de “renda extra”, não é interessante você realizar dívidas como se essa quantia suplementar fosse comum na sua vida financeira.

Realizar consórcio com saldo das contas inativas do FGTS

Se você quer fazer um investimento de longo prazo, ligado à aquisição de uma casa ou de um automóvel, uma excelente opção é comprar tais bens por meio de um consórcio. Com essa modalidade de negociação, você poderá usufruir dos benefícios de se juntar a outras pessoas para a conquista de desejos em comum.

A vantagem de usar o saldo das contas inativas do FGTS em um consórcio de veículo ou de imóvel é que você poderá dar um lance considerável e, assim, ter a possibilidade de apressar a chegada do bem esperado.

Dessa maneira, caso o lance seja vencedor, você adianta várias parcelas do seu consórcio e, o melhor, já pode aproveitar a utilização do carro, da moto, do apartamento etc.

Como o consórcio é uma modalidade de autofinanciamento, em que vários indivíduos se unem para financiar a aquisição de bens, sob a organização de uma administradora, o custo total de compra tende a ser bem mais vantajoso do que em outras alternativas de negócios, como os empréstimos.

Além disso, hoje em dia existem várias possibilidades de consórcio, por exemplo, até para reformas de imóveis.

Sem dúvida, os R$ 43,6 bilhões provenientes das contas inativas do FGTS servirão para movimentar a economia brasileira. Como você pôde perceber, quem tem direito a receber uma parte dessa quantia possui várias opções de uso do dinheiro, desde aquelas voltadas para utilização imediata ou para investimento de longo prazo.

Se você não tem dívidas atrasadas, busque otimizar ao máximo o uso do seu saldo das contas inativas do FGTS. Procure aplicar a quantia em um produto que realmente lhe traga uma excelente relação de custo/benefício. Caso a sua escolha seja por um consórcio, lembre-se de que a Racon, está presente há mais de três décadas no mercado, tem toda a estrutura necessária para lhe atender da melhor maneira.

Dúvidas sobre utilização de FGTS para quitar consórcio de imóveis? A gente esclarece todas elas neste artigo!