Tudo Sobre Consórcio

Entenda por que o consórcio é uma forma de poupança

Será que o consórcio realmente é uma solução eficaz para poupar recursos? Veja como essa lógica funciona aqui!

Você por acaso sabia que, mais que uma modalidade de compra a longo prazo, o consórcio é uma estratégia bastante eficaz para poupar dinheiro, inclusive se mostra como um ótimo investimento? Que tal acompanhar nosso post de hoje para entender melhor a relação entre consórcio e poupança? Fique de olho!

O consórcio funciona como uma forma de juntar dinheiro

Não são poucas as pessoas que consideram o planejamento financeiro difícil. E, realmente, poupar exige uma boa dose de disciplina para se transformar em um hábito. Pense bem: é preciso ter determinação para guardar parte do salário, evitando ao máximo os gastos supérfluos. Aí é que surgem os problemas: já que a decisão costuma depender unicamente de você, a resistência tende a enfraquecer. Assim, em um momento de impulso, acaba gastando um pouco do que deveria guardar ou faz dívidas que podem comprometer sua reserva.

É nesse contexto que o consórcio se apresenta como uma solução eficaz. Afinal, trata-se de um compromisso assumido perante uma administradora e seus respectivos consorciados, que dependem uns dos outros. Lembre-se de que, para o consórcio funcionar, é preciso que cada um cumpra sua parte, entregando mensalmente um determinado valor para que a administradora guarde até o final do prazo ou até que o consorciado seja contemplado de outra forma. Quem participa de um consórcio fica, portanto, obrigado a reservar certo valor como garantia para conseguir o bem.

As mensalidades são contas embutidas no orçamento

Algumas pessoas podem pensar que tudo isso na verdade é uma desvantagem, uma vez que aumenta a quantidade de contas a pagar. Pois chegou a hora de parar de se iludir! Fato é que muita gente se endivida com itens totalmente desnecessários, que oneram seu orçamento quase sem propósito, impedindo qualquer chance de formar uma reserva de dinheiro. Já com o consórcio, o contexto muda completamente.

O próprio consórcio já é uma economia, uma forma de aumentar seu patrimônio regulando melhor suas contas, poupando e sabendo esperar. É o desenvolvimento de um hábito saudável para a gestão financeira do orçamento pessoal. E o melhor de tudo é que ele pode se juntar às contas mensais da casa, como água, luz, telefone, internet, gás, aluguel e mensalidades escolares, sendo incluído na mesma planilha de controle. Isso definitivamente facilita a gestão de custos da família!

Melhor ainda é que, ao contrário da maioria das outras dívidas, o consórcio não embute juros — principal causa das complicações financeiras pessoais pelo mundo afora. Assim, por mais que você assuma um novo compromisso financeiro, seu gasto equivalerá à sua própria poupança, servindo de garantia para uma recompensa futura por todo seu esforço durante esse período.

O planejamento para o futuro se traduz em poupança

O consórcio é, basicamente, uma modalidade de compra a longo prazo. Assim, por mais que existam estratégias para antecipar o recebimento da carta de crédito, a recomendação essencial é que o consorciado saiba esperar. Trata-se, portanto, de um planejamento com foco no futuro. E se você se programa para o amanhã, está poupando. De fato, é possível pensar no futuro de diferentes maneiras, poupando para a aposentadoria, para imprevistos e problemas de saúde, para garantir um padrão de vida melhor para seus familiares, para comprar um imóvel ou um carro, ampliando suas posses.

Em todos esses casos e em tantos outros, o foco está no futuro, sempre na intenção de se precaver e ter maiores garantias. E o consórcio é isso! Você decide adquirir uma casa ou um apartamento, um terreno ou um carro e opta por um consórcio que esteja dentro das suas possibilidades. A partir daí já terá iniciado sua poupança, definindo uma margem de retorno possivelmente mais longa, mas tendo a garantia de que atingirá seu objetivo. Não é uma aposta, mas sim uma certeza.

Vale lembrar que, no consórcio, seu poder de compra permanece protegido, uma vez que existe uma correção monetária periódica. O valor pago como taxa de administração, que equivale a um percentual do total da carta de crédito, dilui-se nas mensalidades. Assim, em um consórcio de imóveis com duração de 120 meses e taxa de administração de 18%, por exemplo, você pagará somente 0,15% ao mês durante todo o prazo. Comparando consórcio e poupança, as possibilidades de obter lucros maiores com o consórcio são muito superiores às da caderneta tradicional. Isso acontece principalmente devido aos reajustes feitos nas mensalidades e na carta de crédito, assegurando que o dinheiro investido não se desvalorizará.

O lance entra como estratégia extra para poupar

Os lances do consórcio podem otimizar sua gestão financeira, levando-o a poupar mais, sabia? Além dos sorteios, outra forma de antecipar o recebimento da carta de crédito é por meio dos lances. Naturalmente, se mesmo sabendo esperar você deseja arriscar nos lances e receber logo sua carta de crédito, deve poupar para isso. Afinal, só poupando é que você conseguirá dar um lance. Então se informe sobre valores mínimos e máximos normalmente oferecidos nas assembleias para se planejar melhor!

Vale destacar que também existe a estratégia do lance embutido, por meio da qual o consorciado usa parte do valor de sua carta de crédito para oferecer seu lance. Nesse caso, se você não dispõe de muito dinheiro disponível, poderá usar esse recurso na tentativa de antecipar a contemplação. Lembre-se de que, em consórcios de imóveis, ainda é permitido usar o FGTS, inclusive como lance embutido!

Para fecharmos este post com chave de ouro, que tal algumas dicas sobre como contratar um consórcio confiável? Antes de mais nada, planeje-se! Faça as contas e avalie quanto do seu orçamento pode ser comprometido com as mensalidades. Agora é a hora de escolher a administradora, com autorização do Banco Central, boas referências e taxas mais acessíveis. Antes ainda de se decidir, leia o contrato de adesão e tire suas dúvidas sobre valor da carta de crédito, taxas, prazos, condições de reajuste, quantidade de participantes, multas e regras relativas a sorteios e lances. Com tudo em ordem, comece a poupar!

E então, o que ainda está esperando para entrar em um consórcio e dar os primeiros passos rumo a um futuro melhor? Entendeu como consórcio e poupança se relacionam ou ficou com alguma dúvida? Deixe seu comentário e participe da conversa! Aproveite para conhecer 8 apps que vão ajudá-lo a juntar dinheiro!
Guia Completo Sobre Economia Colaborativa

Racon Blog

Por Racon Blog

Data 8 de Agosto de 2016

consórcio consórcio poupança poupança