Tudo Sobre Consórcio

Fui contemplado no consórcio, e agora? Saiba o que fazer!

Você já sabe o que fazer quando seu consórcio for contemplado? Aprenda aqui e poupe tempo na hora de comprar o bem.

Ser contemplado em um consórcio é uma situação ímpar na vida de muitas pessoas. Momento em que o período de ansiedade se encerra e o sonho da aquisição de um novo bem fica prestes a se concretizar.

Mas, passada a euforia da contemplação, o consorciado geralmente se depara com a seguinte dúvida: fui contemplado no consórcio e agora? Esse, por sinal, é um questionamento comum entre os contemplados e também entre os consorciados em geral.

Sendo assim, para esclarecer essa dúvida e entregar uma visão completa sobre a aquisição de um bem por meio de um consórcio, apresentaremos neste post todas as fases de um plano, da sua aquisição ao encerramento.

Continue a leitura e saiba como proceder quando chegar a sua vez!

As vantagens do consórcio

Há mais de sessenta anos, por causa do seu excelente custo-benefício, a modalidade de aquisição de bens móveis e imóveis por meio de consórcios tem atraído o interesse dos brasileiros.

Além de eliminar os juros presentes nos financiamentos, os consórcios contam com taxas de administração que facilitam a aquisição de qualquer bem em condições no mercado.

Seja para investir ou para desfrutar de fato de um bem, aderir a um plano de consórcio é a opção mais inteligente e eficiente disponível no mercado.

A adesão ao plano de consórcio

Quando o novo consorciado adere a um plano de consórcio, ele adquire os direitos sobre uma cota, ou seja, permissão sobre uma parte legal do investimento de um fundo comum.

Esse fundo é composto por um grupo de consorciados, os quais compactuam do mesmo objetivo: comprar um bem — imóveis, veículos, serviços, entre outros — em pequenas parcelas e sem juros.

O pagamento das parcelas do plano

O prazo do plano é estabelecido pelo grupo de consorciados. Assim, o valor referente ao crédito de cada cota é dividido em parcelas, conforme o prazo do plano contratado.

À medida que ocorrem os pagamentos das parcelas dos consorciados, o fundo comum arrecada recursos para contemplar os participantes do grupo durante o período de vigência do plano.

As assembleias mensais e os lances

As assembleias mensais, onde são realizados os sorteios, ocorrem durante todo o período de vigência do plano de consórcio, isto é, até o término do grupo.

Participam dos sorteios nas assembleias todos os consorciados que ainda não foram contemplados e que estejam em dia com suas parcelas.

Nos sorteios mensais, os consorciados podem aumentar suas chances de contemplação por meio de lances financeiros.

Os lances consistem em uma oferta que é feita pelo consorciado, a fim de quitar várias parcelas de uma vez, e assim viabilizar mais rapidamente a sua contemplação.

Geralmente, os maiores lances individuais em cada grupo são os contemplados nas assembleias.

Caso o lance contemplado não seja suficiente para quitar o restante do plano, as parcelas mensais permanecem sendo cobradas normalmente.

A contemplação do consórcio

É na contemplação que se cumpre o principal objetivo de um consórcio. Seja por meio de um lance ou de sorteios nas assembleias periódicas de cada grupo, a contemplação é desejada desde o início do plano.

Isso porque é nesse momento que o contemplado tem a oportunidade de utilizar a carta de crédito referente à cota a que teve direito. Sendo assim, ele está livre para ir ao mercado e adquirir o bem tão desejado.

É importante ressaltar que após ser contemplado, para ter acesso efetivamente à carta de crédito, o consorciado tem de atentar aos detalhes do processo que se inicia após a contemplação.

Geralmente o processo é composto por 4 fases: a apresentação de garantias; o levantamento de documentos pessoais; a comprovação de renda; e a homologação de todos os documentos. As fases podem ter alterações de acordo com cada administradora.

A seguir, apresentaremos em linhas gerais cada uma dessas fases:

Apresentação das garantias

Apenas nos casos em que lhe é solicitado, o consorciado pode ter de apresentar garantias para a aquisição do bem. Por exemplo, o aval de um fiador, ou até mesmo um outro imóvel em nome do consorciado, entre outras possibilidades.

O tipo de garantia depende das exigências do contrato que rege o plano e do tipo de bem que está sendo adquirido.

O levantamento de documentos pessoais

Naturalmente, a contemplação de um consórcio de imóvel demandará mais documentos e certidões que a contemplação de um consórcio de veículo.

No entanto, algumas documentações serão sempre exigidas, tais como:

- RG ou CNH;
- CPF ou CNPJ;
- comprovante de residência atualizado e em nome do consorciado;
- comprovante de renda.

A comprovação de renda

Se o consorciado contemplado for um trabalhador de carteira assinada ou um profissional liberal, ele terá de apresentar os últimos contracheques, e também cópias de páginas específicas da carteira profissional.

Já se o contemplado for aposentado, poderá comprovar a renda por meio do extrato de pagamento e da cópia do cartão de benefício.

Autônomos, empresários e produtores rurais, por sua vez, apresentarão apenas a declaração atualizada de imposto de renda.

A homologação dos documentos

Nos casos de consórcio de veículos, é importante ficar atento à correta identificação da marca, modelo, ano de fabricação, cor, opcionais etc.

Em caso de veículos usados, também são necessárias a avaliação do número de chassi e a realização de vistorias periciais.

Nos casos de consórcios de imóveis residenciais, é possível, inclusive, que o consorciado contemplado utilize o saldo do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) para amortizar parcelas. O imóvel pode ser novo, usado ou na planta

Em se tratando de imóveis prontos — ou seja, imóveis já construídos —, podem ser exigidas certidões específicas para atestar a legalidade do bem que será adquirido. Certidões do tipo:

- matrícula atualizada do imóvel;
- instrumento particular com força de escritura pública;
- certidão negativa de tributos municipais;
- certidão de valor venal.

Já nos casos de construção de um imóvel novo, outros tipos de documentos podem ser exigidos, como:

- Alvará;
- planta aprovada pela prefeitura;
- memorial descritivo da obra;
- cronograma das atividades de construção.

Após a contemplação, é importante o consorciado ficar atento a cada uma dessas fases, para assim ganhar agilidade no processo que antecede à compra.

A compra do bem desejado

Consórcio contemplado, documentos organizados e devidamente homologados, o consorciado pode, então, escolher o bem desejado no mercado e comprá-lo.

Neste caso, a moeda utilizada para a compra é a carta de crédito. Geralmente, o vendedor do bem receberá, em poucos dias, o valor integral da sua venda. Esse elemento aumenta o poder de negociação do contemplado.

Como destacamos anteriormente, mesmo após a contemplação, as parcelas restantes permanecem sendo pagas todo mês pelo consorciado, exceto nos casos em que o lance ofertado tenha sido suficiente para quitar o plano.

Encerramento do plano de consórcio

Tão logo sejam quitadas todas as parcelas, o consorciado — já contemplado e satisfeito — encerra suas obrigações com aquele grupo de consórcio.

No entanto, qualquer pessoa pode ter mais que um consórcio se desejar. Não é necessário quitar um para aderir a outro.

Ainda tem alguma dúvida sobre o tema? Então acesse nosso infográfico e entenda como funciona a carta de crédito para a aquisição do seu bem.