Meu Primeiro Carro

Vai comprar um carro diretamente com o proprietário? Tenha muito cuidado!

Comprar um carro diretamente com o proprietário pode ser vantajoso. Saiba o que observar para fazer uma compra segura.

Comprar um carro diretamente com o proprietário pode oferecer algumas vantagens. Por exemplo, após uma boa negociação, talvez seja possível obter um valor final mais baixo do que seria se a compra fosse intermediada por uma revendedora.

Ao mesmo tempo, a negociação pode acontecer de forma mais simples, quando é feita diretamente, sem a intermediação de vendedores profissionais.

No entanto, existem outras situações que precisam ser avaliadas com muito critério e que exigem atenção especial. Veja, neste artigo, o que você deve considerar ao comprar um carro diretamente com o proprietário.

Procure saber se o carro não tem impedimentos

Somente de posse da placa do carro você poderá obter informações do Sinesp Cidadão, um aplicativo do Ministério da Justiça que aponta veículos que foram roubados e que, obviamente, não podem ser negociados.

Além disso, com a placa e o número do Renavam, você deve buscar outras informações que são essenciais e que estão disponíveis no site do Detran do estado onde o veículo foi licenciado.

Nos sistemas de informações do Detran são registrados os impedimentos de todas as naturezas, que são determinados por autoridades policiais, por juízes ou por promotores de justiça e que inviabilizam a transferência de um veículo.

Esses impedimentos podem ser decorrentes de furto, de roubo ou de apropriação indébita do veículo. Além desses casos, pode haver pendências de ordem administrativa ou o veículo estar de posse de um depositário fiel.

De modo geral, o impedimento administrativo é definido por uma autoridade policial quando há investigação envolvendo o veículo. Entre outros crimes, a investigação pode estar relacionada a casos de estelionato, de adulterações ou de utilização do veículo em atos ilícitos, por exemplo.

Também há situações nas quais a autoridade policial elege uma pessoa como depositária fiel do veículo, até que a investigação seja concluída. Nesse período, o veículo pode circular livremente, mas não pode ser transferido.

No Detran do seu estado você também pode encontrar informações sobre licenciamento, sobre multas que não tenham sido pagas ou sobre IPVA e outros tributos que estejam em aberto. A transferência do carro só poderá acontecer se tudo estiver regularizado no Detran.

Confira todos os detalhes do carro com muita atenção

Quando você compra um carro de uma revendedora, a empresa precisa seguir as determinações do Código de Defesa do Consumidor (CDC) que, entre outras questões, exige que os veículos usados sejam cobertos por garantia mínima de 90 dias.

Essa condição dá alguma tranquilidade quanto a eventuais problemas que o carro possa apresentar após o fechamento do negócio.

Contudo, o CDC não se aplica a vendas feitas por pessoas físicas, o que exige que você redobre a atenção na hora de avaliar as condições do veículo. Portanto, observe tudo com o máximo cuidado.

Externamente, confira se não há defeitos na pintura ou na lataria, com atenção especial para portas desalinhadas e para a presença de pontos de oxidação. Internamente, verifique se não há sinais de danos graves que possam ter afetado o veículo.

Como manchas provocadas por umidade ou marcas de terra, por exemplo, que podem significar que o carro ficou submerso em alguma inundação. Também é ideal checar as condições mecânicas, procurando por ruídos inadequados, por emissão de fumaça no escapamento e por outros indicativos de defeitos.

Fazer o teste de direção e contar com a assessoria de um bom mecânico pode ajudar muito nessa avaliação.

Considere o preço ofertado

De fato, um bom preço pode ser uma grande vantagem que você poderá obter ao comprar um carro diretamente com o proprietário, o que será favorável à sua situação financeira. Contudo, esta não é uma condição garantida, o que exige que você conheça quais são os preços de mercado para aquele tipo de veículo.

Você pode comparar o valor cobrado com o sugerido pela Tabela Fipe. No entanto, considere também outras tabelas e os valores que são divulgados, que podem ser obtidos, inclusive, pelos sites especializados na venda de veículos.

Seja cauteloso

A confiança é uma das boas características das amizades e ela pode ser de extremo valor para os negócios. Porém, na hora de comprar um carro, são vários os fatores que podem influenciar as decisões e o resultado da negociação.

Portanto, mesmo se o carro for de um amigo, não deixe de considerar as análises sobre as condições do veículo, sobre a documentação e sobre o preço. Todo cuidado é pouco para garantir que você entre em uma furada!

Cuide da burocracia

As revendedoras costumam facilitar a burocracia, necessária para a transferência do veículo. Como esse benefício não existe para quem decide comprar um carro diretamente com o proprietário, você terá que se encarregar de todo o processo de transferência.

Após o pagamento, o primeiro passo é obter do proprietário a assinatura da Autorização para Transferência de Propriedade de Veículo (ATPV), que acompanha o Certificado de Registro Veicular (CRV).

A ATPV deve ser preenchida pelo vendedor com os seus dados e com o valor de fechamento do negócio. Também é preciso fazer o reconhecimento da assinatura do antigo proprietário no cartório.

Em seguida, é preciso preencher o formulário próprio fornecido pelo Detran do estado onde o veículo foi licenciado, que está disponível no site do órgão.

Lá também estão relacionados as taxas que devem ser pagas e os documentos do comprador e referentes ao veículo, cujas cópias deverão ser anexadas ao formulário e à cópia da ATPV autenticada, que você deverá entregar no Detran.

De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), você terá até 30 dias para providenciar a transferência do veículo, o que isentará o antigo proprietário de qualquer responsabilidade civil ou criminal relacionada ao veículo.

Artigo 233 do CTB prevê que quem deixar de fazer a transferência do veículo no prazo definido por lei, a fim de obter o novo registro do veículo, incorre em penalidade grave e está sujeito a multa e à retenção do veículo, até que a situação seja regularizada.

O serviço de um despachante de confiança pode dar tranquilidade e segurança no processo de transferência de veículos.

Também é preciso considerar que, para que a transferência possa ser feita, é preciso submeter o carro à vistoria, que é feita pelo próprio Detran ou por uma empresa credenciada pelo órgão.

Na vistoria serão verificados vários itens relacionados à segurança e às condições de conservação do veículo que estão previstos no CTB.

Agora que você já sabe quais cuidados você deve ter na hora de comprar um carro diretamente com o proprietário, descubra quais são as 5 marcas de carros que são mais confortáveis para os passageiros!

As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.