Meu Primeiro Imóvel

11 dicas para fazer a compra de um apartamento na planta

Vai adquirir um apartamento na planta? Confira essas dicas para fazer uma compra tranquila.

Comprar um imóvel é o desejo de muita gente que mora de aluguel ou procura maior independência. Contudo, é preciso tomar cuidado para que a pressa e a ansiedade em conquistar a moradia própria não acabem em dor de cabeça e em problemas financeiros, especialmente ao adquirir um apartamento na planta.

A lista de dificuldades ou imprevistos que podem surgir inclui atrasos na obra, entrega do imóvel com defeitos, ou com medidas diferentes do previsto, e até falência da construtora.

O comprador também pode perder o emprego e não conseguir pagar as parcelas, ou desembolsar mais por conta de correções e ajustes não esperados, além de taxas indevidas.

Para não cair em uma dessas armadilhas e conseguir fazer uma boa compra de um apartamento na planta, separamos 11 dicas que deixarão você mais preparado para realizar esse sonho. Confira!

Como adquirir um apartamento na planta com segurança?

1. Pesquise sobre o histórico da construtora

A primeira coisa a se fazer quando for adquirir um apartamento na planta é verificar a idoneidade da construtora. Isso é fundamental para se prevenir de fraudes, atrasos exagerados ou problemas na entrega do imóvel.

Cheque os dados da empresa na Receita Federal, verifique sua situação cadastral e pesquise se o CNPJ está regular e se existem processos judiciais contra ela, bem como reclamações no Procon. Também vale acessar sites como o Reclame Aqui para observar se há queixas ou muitas críticas negativas em relação aos serviços prestados.

2. Avalie o nível de satisfação de outros clientes

Ao pesquisar sobre a reputação da construtora, busque ouvir pessoas que tenham adquirido imóveis com ela, sejam apartamentos na planta ou prontos. Veja se houve problemas na entrega, especialmente medidas diferentes do que foi acordado ou partes feitas com material de baixa qualidade (como o acabamento).

Colete essas informações com proprietários recentes e com alguns que já adquiriram o imóvel há um bom tempo. Isso porque muitos imóveis apresentam defeitos somente alguns meses depois da entrega — por exemplo, quando chega a estação das chuvas e o clima fica mais úmido, ocasionando infiltrações, mofo, goteiras etc.

Também avalie se ocorreram problemas burocráticos envolvendo o registro do imóvel na prefeitura ou com a entrega da documentação aos proprietários. Verifique se eles não tiveram surpresas com as condições de pagamento e se foram bem atendidos pela empresa caso tenham tido problemas.

3. Verifique se a construtora costuma entregar os imóveis dentro do prazo

É importante saber se a construtora costuma atrasar na hora de entregar os apartamentos aos donos. Em caso afirmativo, busque saber quanto tempo ela demora além do previsto, pois um período muito longo pode acarretar mais gastos financeiros com correções inflacionárias das parcelas.

Geralmente, é estipulado em contrato o período possível de atraso, que pode ser de até 6 meses (180 dias). Acima disso, tente verificar os motivos e, em último caso, você poderá acionar a empresa na justiça em busca de indenização por danos materiais e morais.

4. Leia o contrato e observe se ele apresenta cláusulas de garantia ou proteção

Existem regras para quem vai comprar um imóvel na planta, porém, alguns pontos devem constar no contrato, tais como:

· situações em caso de desistência do comprador;
· prazo máximo de atraso da obra;
· penalidades e multas em caso de distrato do cliente ou construtora;
· prazos para conserto de defeitos na obra ou troca de material de má qualidade;
· garantia contra defeitos de segurança.

5. Analise as possibilidades de pagamento do apartamento

Procure fazer simulações de financiamentos ou consórcios antes de partir para a compra. Assim, você poderá saber se terá como arcar com as parcelas do imóvel.

Se for financiá-lo, veja se isso pode ser feito integralmente junto à construtora ou se será por meio de um banco. Às vezes, você começa a pagar para a construtora e depois passa para a instituição financeira.

O consórcio para a compra de um apartamento na planta é uma boa opção, especialmente para quem não tem tanta pressa pelo imóvel. Contudo, é possível realizar diferentes tipos de lances para conseguir a contemplação do apartamento de forma mais rápida.

6. Defina uma porcentagem da sua renda mensal para o pagamento das parcelas

É importante estipular uma porcentagem da sua renda para o pagamento das parcelas do apartamento. O ideal é que seja até 30% do que recebe — mesma porcentagem recomendada para pagamento de um aluguel. Aliás, se estiver locando um imóvel durante o financiamento do apartamento, o valor separado deverá ser menor, para que você não fique com o orçamento apertado.

Se for dividir o pagamento com mais alguém (cônjuge ou família), você poderá diminuir o valor reservado, mas ele precisa ser definido o quanto antes. Também leve em consideração um acréscimo para eventuais correções inflacionárias, juros de financiamento e taxas que podem ocorrer ao longo do tempo.

Por exemplo, as parcelas pagas à construtora sofrem reajuste conforme o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), que leva em consideração a inflação do setor e pode ser maior do que a inflação geral.

7. Reserve um valor para eventuais problemas

É muito importante realizar um planejamento financeiro antecipado, cortando gastos e até mesmo economizando para conseguir lidar com problemas que decorram durante a compra. Pode acontecer de, no momento da entrega do apartamento, você precisar desembolsar valores com documentação e registros.

Além disso, procure guardar um fundo para eventuais problemas financeiros decorrentes de doenças, desemprego etc.

8. Pesquise no poder público se o imóvel está devidamente registrado

É importante verificar se a obra está com toda a documentação em dia. Veja se a incorporação está regularizada no cartório de registro de imóveis e confira o seu memorial descritivo.

Neles você poderá encontrar informações como os tipos de materiais usados na construção, o cálculo da área do imóvel e o documento que prova que a construtora é dona do terreno.

Também é importante verificar na prefeitura se a região onde a construção está localizada não será impactada por alguma obra pública que possa desapropriar o terreno da obra.

9. Informe-se sobre taxas e pagamentos solicitados

Algumas taxas diferenciadas podem ser cobradas de quem compra um apartamento na planta, porém elas podem ser consideradas indevidas ou até abusivas, tais como:

· taxa SATI (Serviço de Assessoria Técnica Imobiliária): essa taxa é cobrada pela construtora para serviços de avaliação de documentos e orientação jurídica e administrativa. Geralmente, um advogado da própria empresa é indicado para isso. A taxa deve ser opcional, pois os interesses da construtora também são representados por esse mesmo profissional. O ideal é o que cliente contrate uma assessoria por fora, sem ligações com a construtora;
· taxa de corretagem: entende-se que os corretores devem ser pagos pela construtora que os contratou, não pelos clientes. Ou seja, fique de olho caso exijam esse pagamento de você;
· taxa de anuência: observe se há cobrança de taxa caso seja necessário passar o imóvel para outro comprador, pois isso pode ser irregular.

10. Observe a localização do apartamento

É importante observar a localização do apartamento, especialmente quando se pretende vendê-lo no futuro. Veja se há lixões por perto, se o acesso às vias principais é facilitado e se não há contaminação do solo. Isso pode ser pesquisado na prefeitura.

Desse modo, você se previne de adquirir um apartamento que possa desvalorizar muito no futuro.

11. Cobre os benefícios estipulados para a compra do apartamento na planta

Algumas construtoras fazem campanhas nas quais prometem bonificar ou premiar aqueles que adquirirem um apartamento na planta. Isso pode incluir pagamento de parcelas de IPTU e entrega de produtos — como eletrônicos e até um carro novo.

É importante guardar provas dessas promessas e cobrá-las quando for a época de serem entregues, seja no momento de assinar o contrato ou na hora de receber as chaves.

Afinal, vale a pena comprar um apartamento na planta?

Agora que você conheceu as dicas para adquirir um apartamento na planta com segurança, é comum restar uma dúvida: será que esse tipo de imóvel vale mesmo a pena? Podemos dizer que sim e, a seguir, vamos apresentar as vantagens de escolher essa opção.

Oferece desconto

De modo geral, o apartamento na planta sai mais em conta do que um novo ou, muitas vezes, do que um já usado e mais antigo. Segundo uma reportagem da Folha, em São Paulo, o preço médio do metro quadrado de lançamentos foi cerca de 10% menor que o de unidades prontas em 2016.

Isso acontece por conta dos reajustes — como o do INCC, que explicamos acima —, que alteram o valor do imóvel mensalmente quando ele está finalizado. Assim, é natural que, na planta, o custo seja menor.

Além disso, muitas construtoras e incorporadoras oferecem descontos e benefícios para tornar o negócio ainda mais atraente, o que pode deixar o imóvel na planta mais barato.

Apresenta condições de pagamento mais flexíveis

Outra vantagem ao comprar um imóvel na planta diz respeito às condições mais flexíveis de pagamento. Em primeiro lugar, o comprador tem a possibilidade de negociar o valor diretamente com a construtora e utilizar o próprio poder da barganha.

Também é importante ressaltar que a entrada pode ser menor do que aquela exigida pelos bancos. A maior parte das instituições financeiras cobra 40% do valor do apartamento para liberar o financiamento. Para muitos, essa porcentagem pesa bastante no bolso, principalmente para a compra do primeiro imóvel.

Não consegue economizar e ficou sem o dinheiro da entrada? Saiba que ela ainda poderá ser parcelada com a construtora por meio de pagamentos mensais até a obra ser concluída.

Tem alto potencial de valorização

Como visto, o valor do apartamento na planta costuma ser menor. Por outro lado, com o tempo, o potencial de valorização é muito grande. Em média, ele valerá entre 20% e 40% a mais do que o preço inicial.

Entretanto, tenha em mente que a situação da economia do país influenciará esse processo. A retomada do crescimento e a queda da taxa básica de juros, a Selic, são fatores importantes para que os imóveis comprados na planta valham mais no futuro.

A boa notícia é que isso já está acontecendo. Depois da crise, o mercado dá sinais de recuperação, a confiança do consumidor aumentou e a taxa Selic, pela primeira vez na história, está abaixo dos 7% ao ano.

Conta com melhores opções de lazer e infraestrutura

Por fim, os imóveis que ainda estão em planejamento têm instalações e infraestrutura mais modernas, o que certamente facilita a vida do morador. Além disso, eles contam com ao menos uma vaga na garagem.

É comum, ainda, que eles ofereçam excelentes opções de lazer, como academia, churrasqueira, quadras e piscina. Já imaginou praticar atividades físicas na sua própria casa? Dar um mergulho na piscina do prédio depois de um dia cansativo no trabalho? Ou até mesmo fazer um churrasco para os amigos na área gourmet no fim de semana?

Ao comprar um apartamento na planta, tudo isso poderá se tornar realidade! Agora, se mesmo com tantas vantagens você ainda não se sente convencido, confira o nosso post Imóvel novo, usado ou na planta: qual a melhor opção e tire todas as suas dúvidas!

As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.