Planejamento Financeiro

Contas em dia! Passo a passo de como se organizar financeiramente

Você tem dificuldade para manter suas contas em dia? Então confira nossas dicas de como se organizar financeiramente!

Você já tem algum dinheiro guardado, mas tem dificuldade de economizar? Na atual situação, busca uma maneira de investir, mas tem receio de perder o que já tem? De fato, é muito difícil arriscar nessa etapa da vida. Mas não é preciso fazer isso. Basta saber como se organizar financeiramente.

O indicado é seguir essa dica sempre, porque manter as finanças em dia é a melhor forma de ter mais liberdade, uma vida confortável e realizar sonhos. A dúvida é: como chegar a esse patamar e garantir que o futuro seja mais tranquilo?

Vamos responder a essa dúvida neste post. Aqui, você verá um passo a passo para organizar suas finanças e entenderá o que deve fazer para manter o seu saldo bancário positivo.

Gostou? Então, acompanhe as dicas a partir de agora!

Mantenha o controle financeiro

Existem diferentes níveis de desorganização financeira. É importante conhecer em qual você se enquadra para identificar como é possível melhorá-lo.

Essa questão é tão importante que uma pesquisa divulgada no site Trovo Academy mostrou que mais de 51% dos brasileiros ignoram o planejamento financeiro. Além disso, 6 em cada 10 encontram dificuldades de realizar um controle mensal.

Se você está nessa estatística, deve sair dela imediatamente. Para isso, liste todos os seus gastos e ganhos em uma planilha ou aplicativo de orçamento pessoal. Analise qual é o contexto vivenciado, quais são suas despesas fixas (como aluguel, energia elétrica, água, entre outros) e as variáveis.

Nesse diagnóstico, avalie o que é supérfluo e pode ser eliminado ou reduzido. A partir disso, anote os gastos diariamente e estabeleça metas. Gerencie suas finanças considerando os objetivos e controle-se. Tenha em mente que, por mais que esse processo seja cansativo, é mais que necessário.

Estabeleça prioridades

O diagnóstico feito anteriormente inclui esta etapa, já que a análise permitirá identificar o que é essencial, dispensável e prioritário. Essas categorias dependem das suas necessidades e vivências. Por isso, o ideal é separar os gastos fixos e variáveis em dois grupos.

O primeiro inclui as despesas essenciais, caso de moradia, educação, saúde, contas, alimentação e transporte, por exemplo. Já o segundo abrange as dispensáveis, que podem contemplar o lazer. O ideal é que os gastos da última classificação tenham um percentual de impacto menor no orçamento doméstico.

Caso tenha alguma dívida, priorize os pagamentos. Assim, você consegue amortizar uma parcela dos juros.

Reserve uma parte para investimentos

A sua renda deve ser dividida da seguinte forma:

· 50% para gastos essenciais, ou seja, para despesas necessárias para se manter no dia a dia;
· 15% para prioridades financeiras, a fim de garantir um futuro mais tranquilo;
· 35% para o estilo de vida, isto é, para se divertir, jantar fora, ir à academia e ao cinema, viajar, entre outras coisas.

Desse modo, fica mais claro quanto você deve poupar e o valor que pode gastar. Perceba que as prioridades financeiras se referem à economia mensal, hábito que deve ser criado e mantido sem exceções.

Com isso, você deve começar por uma reserva de emergência. Ela deve ser equivalente a 6 ou 12 meses de renda. Por isso, se seu salário é R$ 5 mil, você precisa ter entre R$ 30 mil e R$ 60 mil guardados.

Depois disso, você pode considerar outros investimentos, desde que sejam seguros. Uma opção bastante interessante é o consórcio, porque ele funciona como uma conta, já que é preciso repassar o valor mensalmente. Porém, nesse caso, você assegura a compra de um bem, que pode ser um carro ou uma casa, por exemplo.

Além disso, o consórcio é mais barato que outras modalidades de financiamento, porque os juros são cobrados somente em caso de inadimplência. Se você quitar as parcelas em dia, estará pagando apenas taxa de administração e outros encargos — já embutidos no valor da parcela. Assim, você consolida seu patrimônio de maneira simples e sólida.

Tenha cuidado com os supérfluos

Um dos maiores erros cometidos é acreditar que os gastos menores pouco interferem no orçamento. É bem provável que, ao analisar suas finanças, você perceba que aquele cafezinho depois do almoço, por exemplo, tem uma influência considerável — e que esse gasto poderia ser ignorado.

Se você duvida, basta fazer uma conta simples. Se em todos os dias úteis do mês você comprar um café por R$ 2, estará desembolsando, em média, R$ 46. Em um ano, o valor pode chegar a R$ 552, já pensou?

Aproveite e considere também as compras impulsivas. Elas são bastante prejudiciais ao orçamento, porque, muitas vezes, você quase não utiliza o que adquiriu. Apenas toma essa atitude por ímpeto.

Valorize qualquer dinheiro que receber, inclusive o troco

Muita gente deixa de guardar o troco, porque acha que as notas de menor valor e as moedas valem pouco. Esse é um grande engano, e você perceberá isso assim que começar a guardar essa quantia.

Em poucos meses, você terá uma quantia significativa para trocar, que pode até mesmo pagar uma conta do mês. Em outras palavras, essa é uma maneira de economizar um pouco mais e alavancar seus resultados.

Obtenha uma renda extra

Já pensou em ter um valor a mais todo mês? Essa é uma alternativa interessante para aumentar sua renda e colocar as finanças em dia.

Se você trabalha em uma empresa, tente conseguir uma promoção. Se for proprietário de um empreendimento, trabalhe um pouco mais. Em ambas as situações, você pode transformar um hobby ou uma competência, por exemplo, em um valor extra para o seu orçamento.

Esse valor obtido pode ser utilizado para o pagamento de dívidas ou para reforçar a economia mensal. Assim, você pode alcançar seus objetivos rapidamente.

Em suma, a ideia de como se organizar financeiramente passa por uma série de atitudes, que garantem um futuro mais tranquilo. Todas elas passam por disciplina e foco. Sem esses dois requisitos, ficará muito difícil mudar os hábitos e poupar. Porém, se você fizer um esforço, verá que os resultados valem muito a pena.

E então, está disposto a tentar? Para ajudar nessa empreitada, listamos 7 opções gratuitas de cursos sobre finanças. Aproveite para conhecer as alternativas e se aprofundar nesse conhecimento!

As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.