Planejamento Financeiro

Economizar, poupar e investir: entenda quais são as diferenças

Se você quer aprender o que é economizar, poupar e investir e como utilizá-los de forma prática, este é o artigo certo.

No Brasil, ainda não existe uma cultura bem estabelecida de educação financeira, seja em casa ou nas escolas. Às vezes, por esse motivo, demoramos para entender certos termos e para que servem. Se você quer aprender o que é economizar, poupar e investir e como utilizá-los de maneira prática, este é o artigo certo.

Ter o real entendimento de cada um desses conceitos e da sua aplicabilidade melhora a sua saúde financeira, trazendo maior equilíbrio e prosperidade. Por isso, neste post, separamos algumas informações importantes sobre esse assunto. Confira agora mesmo!

O que é economizar?

Economizar é nada mais que a capacidade de gerir os seus recursos econômicos. Essa palavra deve ser entendida em um contexto amplo que vá além de simplesmente salvar dinheiro. Afinal, se você “economiza” pechinchando preços de um determinado produto, mas gasta todo o seu dinheiro em um outro mais caro, não está realmente economizando, não é mesmo?

Como mencionamos no início, a falta de planejamento no comportamento econômico do brasileiro faz com que essa prática de comparar preços para coisas pequenas e gastar mais em outras caras se torne algo comum, que desequilibra a vida financeira de boa parte da população.

Para mudar isso, é necessário entender que economia envolve planejamento e visão do orçamento. Ou seja, quanto você ganha, em quanto tempo e em que gasta o seu dinheiro. Sem estipular certos padrões, fica difícil separarmos uma coisa da outra e termos o entendimento completo de questões distintas como o que é poupar e investir, por exemplo.

O que significa poupar?

Poupar, sim, significa salvar dinheiro ou, sendo mais específico, reter recursos para que fiquem com você por um determinado tempo em vez de circularem pelo mercado. Poupar pressupõe deixar de gastar, fazer um sacrifício temporário que poderá se traduzir em benefícios no futuro.

Esse termo é um dos mais confundidos com economizar por ter esse caráter de guardar dinheiro para não gastá-lo. Todavia, é apenas uma faceta do economizar que, se for bem-feita, pode ser bastante útil a qualquer pessoa.

Uma das melhores formas de poupar é estabelecer o motivo disso e o montante necessário para atingir um determinado objetivo. A fim de realizar isso de maneira organizada, estabeleça também o tempo que levará para juntar esse montante.

Para deixar mais claro o que estamos tentando dizer, criamos uma situação hipotética. Acompanhe o raciocínio:

- Pedro sente que precisa poupar mais, pois fecha todo mês no limite;
- a sua falta de planejamento impossibilita gastos com lazer;
- gostaria de fazer uma viagem para a praia no fim do ano;
- sabe que precisaria de ao menos R$ 2.000,00 para realizar a viagem;
- com o que ganha, poderia poupar R$ 200,00 mensais para cumprir esse objetivo em tempo hábil.

Ou seja, depois de objetificar o que está causando a falta de dinheiro para o nosso personagem, ficou mais fácil saber o que é preciso fazer para resolver o problema. A partir disso, criamos um planejamento por meio de um passo a passo e estabelecemos o orçamento com o qual Pedro trabalhará para atingir o seu objetivo.

Quando é o momento de investir?

Economistas, administradores e pessoas que trabalham com planejamento e educação financeira de uma forma geral consideram que não existe investir sem antes entender o que é economizar. Por isso, você deve entender os tópicos apresentados neste post como complementares e sequenciais, ou seja, é preciso primeiramente entender o que significa economizar para depois poupar e, por fim, ter condições de investir.

O investimento, colocado de uma maneira prática, é aquele montante de dinheiro que você tem e que pode ser usado como uma aplicação. Isso significa que um montante X será multiplicado em um montante Y como acontece na poupança e outras modalidades do mercado financeiro.

O momento de investir é quando você já organizou a sua vida financeira e criou condições para que uma parte do seu dinheiro seja investida em aplicações. O bom disso é que o dinheiro poupado anteriormente agora poderá render mais para você.

Como aplicar isso em minha vida?

Ao longo do post, já demos vários exemplos práticos e definições dos termos que você pode começar a ter como guia em sua vida agora mesmo. Porém, há ainda outra opção que não abordamos. São os consórcios, que podem ser uma boa forma de poupar dinheiro ao mesmo tempo em que você investe.

Quando temos planos maiores como comprar um imóvel ou um automóvel, por exemplo, é comum buscarmos financiamentos a fim de conseguirmos realizar nosso sonho. Como os recursos financeiros necessários para tal aquisição não são baixos, é quase inevitável requerermos algum tipo de ajuda.

O que muitas pessoas ainda não sabem é que o consórcio é o meio mais em conta para se atingir tais objetivos. Por funcionar por meio de cotas, ou seja, partes que são pagas por um grupo de pessoas para um mesmo objetivo, esse tipo de economia colaborativa se apresenta como uma excelente alternativa.

As principais vantagens em relação a um financiamento são:

- as taxas pagas não sofrem as mesmas alterações que ocorrem em um financiamento, por exemplo;
- mesmo com as taxas que fazem parte do modelo de consórcio, o valor final não será tão discrepante como acontece no financiamento;
- é uma forma de poupar e investir ao mesmo tempo já que você estará utilizando o seu dinheiro em algo útil que trará um benefício no futuro.

Muitas vezes, por mera desinformação, as pessoas ignoram o consórcio como possibilidade de ter uma vida financeira mais saudável. Buscar alternativas que caibam no seu bolso é uma questão imprescindível para quem procura planejar melhor as economias.

Se você gostou de saber as diferenças entre economizar, poupar e investir, não deixe de assistir ao nosso vídeo com 12 dicas para evitar erros no planejamento financeiro. É um prazer ajudá-lo a alcançar maior eficiência na gestão de seus recursos para que possa ter mais qualidade de vida.