Planejamento Financeiro

Metas financeiras pessoais: entenda a importância e saiba como definir

Quer construir um patrimônio? Veja a importância de se traçar boas metas financeiras para alcançar seus objetivos!

Pensando em começar a construir um patrimônio, mas não sabe como juntar dinheiro para isso? Não se preocupe! Este post foi planejado especialmente para ajudá-lo a definir suas metas financeiras pessoais e, assim, atingir os seus objetivos.

Você já deve ter ouvido falar que o planejamento é a base para uma vida financeira equilibrada e promissora. Na maioria das vezes, temos objetivos muito claros, mas nos perdemos no meio do caminho, por não conseguirmos realizar um bom planejamento financeiro.

Por isso, a partir de agora, você aprenderá a definir suas metas financeiras e entenderá como isso é importante para organizar o seu orçamento pessoal. Quer saber como? Acompanhe a seguir!

Por que definir metas financeiras é tão importante?

Todo mundo tem sonhos, não é mesmo? No entanto, independentemente de o seu objetivo ser adquirir uma casa própria, um carro novo ou até mesmo desfrutar de uma viagem inesquecível, é preciso se planejar financeiramente.

Pense bem: se você sonha em comprar a casa própria, mas não toma nenhuma providência para conquistar o capital necessário, seu plano dificilmente sairá do papel e, provavelmente, você se sentirá frustrado com essa situação.

Ou seja, o que o impede de alcançar seus objetivos não é exatamente a falta de dinheiro, mas, sim, a falta de metas financeiras bem definidas e disciplina para seguir com o planejamento previamente feito.

Quais são as vantagens de traçar metas financeiras?

Como você viu, traçar suas próprias metas financeiras é essencial para conquistar seus objetivos. Afinal, alguns sonhos custam caro!

Mas se você ainda não se convenceu de que é preciso se organizar financeiramente e definir metas de economia, acompanhe as principais vantagens que você terá ao fazer isso:

- ajuda a formar uma reserva de emergência;
- reduz o número de compras por impulso;
- favorece a conquista de um patrimônio de maneira planejada;
- evita o endividamento e a inadimplência;
- diminui gastos supérfluos;
- ajuda a traçar metas mais coerentes e alcançáveis;
- garante uma vida mais tranquila e estável.

Como definir boas metas?

Depois de listar todas essas vantagens, chegou o momento de ajudar você a pensar e estruturar boas metas financeiras pessoais. Para isso, separamos dicas valiosas que farão do seu planejamento um sucesso.

1. Aprenda a diferenciar metas de desejos pessoais

O primeiro passo é aprender que ter uma meta não é o mesmo que ter um desejo pessoal. Mas como assim? Entenda que ter o desejo de ficar rico ou melhorar de vida não pode ser elencada como uma meta financeira.

Uma meta é algo mais objetivo e serve como um passo para atingir os seus desejos. Assim, ela deve ser mais específica e conter prazo e parâmetro.

Nesse caso, você pode estipular como meta poupar 20% do seu rendimento mensal para investir e, assim, melhorar sua vida.

2. Pense em metas realistas

Ainda que as metas sirvam para nos levar até a realização de um grande sonho, é importante traçar objetivos realistas e que sejam possíveis de cumprir.

No exemplo acima, se você traçar como meta poupar 50% de sua renda mensal, provavelmente não conseguirá cumprir sem entrar no vermelho ou comprometer em excesso a sua qualidade de vida.

Apesar de ser necessário fazer sacrifícios para conquistar um sonho, não é aconselhável exagerar e traçar metas inalcançáveis e inviáveis. Os prejuízos acabam superando os benefícios e você pode até desistir delas ao longo da caminhada.

3. Tenha objetivos de curto, médio e longo prazo

Um erro comum ao traçar as suas metas financeiras é pensar apenas nos objetivos maiores, como comprar um carro ou uma casa. É claro que eles são importantes, porém, normalmente, dependem de um pouco mais de tempo e paciência para serem alcançados.

Por isso, você deve traçar objetivos de curto e médio prazo também, seja aquele curso que você sempre quis fazer, seja uma viagem de férias com os amigos ou família. A sensação de alcançar uma meta é um poderoso estimulante para que você não desista dos seus sonhos e continue no caminho traçado.

4. Organize seus gastos

Outro ponto importante para traçar boas metas e conseguir cumpri-las com sucesso é adotar uma estratégia para organizar seus gastos. Afinal, a organização é um requisito fundamental para conquistar bons resultados.

Sendo assim, procure anotar todos os seus gastos — até o cafezinho na padaria — e analisar em que você tem empregado seu dinheiro. Para tornar essa tarefa mais simples e rápida, você pode utilizar planilhas e até aplicativos de dispositivos móveis para controle de gastos pessoais.

5. Estude a melhor maneira de investir para alcançar seu objetivo

Além dos pontos já abordados, é importante que você estude os diferentes caminhos que pode seguir para alcançar seus objetivos. Isso porque existem diversas modalidades de investimentos no mercado, cada uma com uma característica diferente.

Desse modo, se você pensa em comprar um carro, poderá optar entre um consórcio ou um financiamento. Cada um desses modelos tem características diferentes.

Um consórcio, por exemplo, não tem a cobrança de juros, mas é necessário aguardar a contemplação para ter acesso ao crédito e adquirir o bem. Já no financiamento, a liberação do crédito é imediata, porém existe a cobrança da taxa de juros. Assim, é preciso avaliar bem a decisão de acordo com seu perfil e necessidade.

6. Elenque prioridades

Se você ainda não percebeu, quando você sentar pra elaborar suas metas financeiras você vai ver que nem sempre é possível ter tudo. Se você ganha um bom salário, mas gasta demais e não tem controle nenhum para onde vai o seu dinheiro, o primeiro passo a ser dado é mudar tal comportamento.

Nós sabemos que sair com os amigos ou fazer aquela viagem de final de semana pode ser muito legal, porém, se o custo dessas coisas for igual ou superior ao que você precisa poupar, por exemplo, talvez tudo isso possa esperar um pouco.

Portanto, quando você sentar para traçar as suas metas financeiras não esqueça de fazer uma autoanálise e elenque o que é importante na vida e o que você está disposto a abrir mão para chegar ao tão desejado objetivo.

7. Não deixe para amanhã

Alguém, algum dia, estabeleceu que dietas só devem ser iniciadas na segunda-feira e que metas devem ser traçadas no início do ano — e esse é um grande engano. Quanto mais tempo você demorar para começar a colocar em prática as suas metas financeiras, mais tempo você levará para alcançar os seus objetivos.

Sem contar que a ausência de organização ainda faz com que as pessoas se endividem, ajam por impulso e, quando percebem, passaram tempo demais tendo problemas com cartões de crédito e empréstimos sem construir nenhum patrimônio.

8. Revise suas metas com frequência

Nossa última dica diz respeito à necessidade de revisar periodicamente as suas metas. Isso se deve ao fato de que, muitas vezes, pode acontecer de um ponto deixar de ser viável, seja por falta de recursos, seja por mudanças de planos.

Portanto, é preciso conferir se suas metas ainda continuam alcançáveis e de acordo com sua expectativa para o futuro. A partir disso, você poderá excluí-las ou readequá-las a uma realidade mais atual e, assim, seguir com o planejamento de maneira disciplinada.

Entretanto, tome cuidado para não excluir metas que, na verdade, são alcançáveis, mas que não estão evoluindo por falta de empenho e organização. Em alguns casos, o que precisará ser revisto são as suas ações, e não a meta em si.

Quais hábitos financeiros devemos abandonar?

De acordo com uma pesquisar realizar pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), 67% dos brasileiros não conseguem poupar dinheiro e, embora a renda baixa seja a justificativa de muitos, a pesquisa também deixa claro que mesmo entre os integrantes das classes A e B o hábito de fazer um "pé de meia" também não é muito frequente.

Aqui podemos citar dois motivos para isso. O primeiro é a falta de uma educação adequada quando o assunto é economia financeira. O segundo é o fato de termos certos hábitos que, isoladamente, parecem inocentes, mas que, ao final do mês, representam aquele dinheiro que poderia ser usado em um investimento.

Você já conseguiu identificar quais são os seus? Se ainda não, verifique se não faz algumas das coisas listadas a seguir:

- comprar por impulso coisas que não precisa, principalmente quando vê a palavra "liquidação";
- não conseguir resistir a uma sobremesa ou um cafezinho depois do almoço;
- ir ao supermercado sem lista e com fome;
- não controlar os seus gastos;
- parcelar as compras;
- pagar taxas desnecessárias, como a anuidade do cartão de crédito ou o telefone fixo, que você nem usa.

Esses são apenas alguns dos exemplos de maus hábitos financeiros que você deve abandonar imediatamente para alcançar os seus objetivos.

Ao longo do post, enfatizamos a grande importância de definir metas financeiras pessoais e o quanto elas podem ajudar a realizar grandes sonhos. Como você viu, o planejamento auxilia você a ter uma vida financeira mais saudável e programada, evitando que gaste mais do que o devido.

Agora que você aprendeu como fazer suas metas financeiras pessoais, leia o nosso guia do investidor iniciante e evite os erros mais comuns.

As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.