Planejamento Financeiro

8 segredos para o uso consciente do cartão de crédito

Confira neste artigo como utilizar o cartão de crédito para que ele não se torne o vilão das suas finanças.

Não é novidade que o uso do cartão de crédito é um dos grandes causadores do descontrole nas finanças do brasileiro. Para se ter uma ideia, 59,4 milhões de pessoas estão com o nome negativado por causa desse método de pagamento, segundo o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

Ainda de acordo com a pesquisa, a falta de controle financeiro (11%) está entre os principais fatores de inadimplência, ficando atrás apenas do desemprego (26%) e queda de renda (14%).

Apesar disso, não há como negar que o cartão de crédito é sim um grande aliado, aumentando o poder aquisitivo de muita gente! O que o transforma em “vilão” ou “mocinho”, é o modo como ele é utilizado.

Pensando nisso, a seguir vamos mostrar 8 segredos de como fazer o uso consciente do cartão de crédito. Confira!

1. Utilize o débito automático

Com tantas contas a pagar todos os meses, é natural que você se esqueça de quitar alguma delas. O problema é que atrasar o pagamento do cartão de crédito pode fazer com que você arque com as maiores taxas de juros do mercado.

Por isso, fique atento à data de vencimento! Escolha um período que seja próximo ao dia do recebimento do seu salário. Além disso, utilize o débito automático para o pagamento da fatura.

Assim, você não corre o risco de se esquecer — ou, caso aconteça algo que te impeça de realizar o pagamento no tempo certo, facilitando também o seu dia a dia.

2. Compre no menor número de parcelas possível

A chegada do cartão de crédito transformou a vida de muitos brasileiros, tanto para o bem quanto para o mal. Como já mencionado, é certo que esse recurso permite que as pessoas possam adquirir itens de forma mais rápida, ou que dificilmente comprariam sem a possibilidade de parcelar uma compra.

Contudo, vale ressaltar que essa comodidade trouxe também o consumismo exacerbado, e muita gente começou a gastar mais do que pode pagar. É aquela sensação de que não se está gastando dinheiro, e que não é verdade, não é mesmo?

Portanto, use apenas em casos emergenciais, em compras que você pode pagar com tranquilidade, se parceladas. Prefira sempre que possível esperar um pouco mais e pagar à vista. Assim, se ocorrer algum problema posteriormente, você não corre o risco de ficar enrolado com uma despesa que foi dividida em muitas parcelas.

3. Analise a anuidade do cartão

Na hora de solicitar um cartão, às vezes deixamos de olhar detalhes importantes pela impulsividade em ouvir as vantagens do produto apresentadas pelo vendedor. A anuidade do cartão é um desses aspectos, a qual pode vir de uma só vez ou parcelada na fatura do seu cartão.

O ideal é que você opte por empresas que não cobrem essa taxa. Mas, se não for possível, você pode negociar um valor para que fique mais vantajoso.

Além disso, evite ter muitos cartões de crédito: quanto mais cartões você tiver, mais anuidades terá que pagar.

4. Nunca empreste o cartão

Quem nunca ouviu de um familiar ou amigo: “estou sem cartão de crédito. Pode me emprestar o seu para eu fazer uma compra? Pago as parcelas todos os meses certinho!”? Com isso, o empréstimo do nome a terceiros é a quarta causa mais apontada para inadimplência com o cartão.

Por mais que a pessoa seja de confiança, pense bem: se ela não pode ter um cartão de crédito ou precisa recorrer a você para realizar uma compra parcelada, possivelmente não tem recursos suficientes para adquirir tal produto.

Desse modo, as chances de que ela não pague são enormes! E adivinhe quem será o único responsável pelos gastos efetuados? Você!

Sem contar que o cartão pertence ao titular, sendo intransferível. Isso quer dizer que não é permitido que outra pessoa faça seu uso.

5. Aproveite os benefícios

A grande maioria das empresas de cartões oferecem uma série de benefícios ou programas de fidelidade. Geralmente, funciona com o sistema de pontos, que podem ser trocados por descontos em lojas ou restaurantes, passagens de avião, prêmios, entre outras vantagens.

Vale ressaltar que esses cartões que oferecem benefícios, normalmente têm taxas mais altas. Sendo assim, só é interessante contratar caso você realmente vá usar o que ele dispõe, senão, é melhor escolher um cartão mais simples (e mais barato!).

6. Escolha datas diferentes de pagamento

Falamos a pouco que ter muitos cartões não é uma boa prática para quem quer fazer o uso consciente do cartão de crédito, certo? Porém, ter dois cartões é interessante para dividir o pagamento em períodos diferentes no mês.

Para isso, é preciso ficar atento e escolher duas datas distintas, de preferência com uma diferença de 15 dias entre elas.

7. Fuja do valor mínimo

Às vezes é tentador pagar a fatura mínima do cartão. Mas não caia nessa! Opte sempre por pagar o valor integral, já que efetuando o valor mínimo você corre o risco de acumular a dívida de mês a mês e, no fim, virar uma “bola de neve”.

Lembre-se de que os juros praticados pelo cartão de crédito são um dos mais altos do mercado, ou seja, se endividar com essa prática não é nada complicado!

8. Registre suas despesas

Na verdade, essa dica não vale apenas para o uso consciente do cartão, mas para sua vida financeira em geral: registre e controle todas as suas despesas.

Com todos os gastos do cartão registrados você consegue se planejar, visualizando quando terminará de pagar determinada compra, qual mês é melhor adquirir um produto desejado, além de avaliar quais gastos podem ser cortados, como uma forma de evitar o endividamento.

Para isso, você pode fazer uma planilha, de acordo com seus gastos e necessidades, ou mesmo usar aplicativos do celular próprios para isso.

Viu como não é tão complicado fazer o uso consciente do cartão de crédito? São atitudes simples e que podem fazer toda a diferença nas suas finanças. E o melhor: sem que seja necessário extingui-lo da sua vida. Afinal, quando usado corretamente, ele pode ser uma excelente alternativa de pagamento!

Quer saber mais sobre como organizar o seu orçamento? Veja nosso vídeo sobre a importância da educação financeira!