Sustentabilidade

Sustentabilidade financeira: entenda o conceito e a aplicação

Você sabia que o consumo consciente hoje pode te levar à sustentabilidade financeira? Saiba como aqui!

Você já ouviu falar em sustentabilidade financeira? Sustentabilidade geralmente é um termo aplicado às questões ambientais, mas, nesse caso, o conceito está relacionado ao uso consciente do dinheiro no presente para alcançar metas no futuro.

Para isso, é preciso gastar e consumir com qualidade, evitando despesas desnecessárias e investindo parte do dinheiro para a formação de patrimônio próprio. Por sinal, é cada vez maior a quantidade de pessoas preocupadas em fazer o melhor uso dos seus recursos para garantir a concretização de seus sonhos.

Para que você também alcance esse objetivo, preparamos este material pensando em ajudá-lo a ter um controle otimizado da sua vida financeira. Confira!

O que é sustentabilidade financeira?

Sustentabilidade financeira pode ser resumida como o conceito básico de saber utilizar os recursos disponíveis de forma racional, seguindo uma lógica para atender as necessidades pessoais de hoje, mas também se importando com as que estão por vir.

Em outras palavras, aplicar a sustentabilidade financeira no dia a dia é saber controlar o orçamento — evitando despesas com supérfluos — e usá-lo com segurança para a formação de reservas de emergência, aplicação em investimentos e planejamento da aposentadoria.

Quando aplicado à vida pessoal, esse conceito costuma proporcionar uma realidade mais equilibrada e confortável, que assegure ao indivíduo a possibilidade de pensar em planos de longo prazo com tranquilidade.

Para começar, o primeiro passo é muito simples: é preciso gastar menos do que se ganha. Parece até simples demais, mas é exatamente neste ponto que muita gente comete os maiores erros.

Como aplicar no dia a dia?

Com o conceito claro, chegou a hora de entender como aplicar de fato a sustentabilidade financeira na sua rotina.

1. Reduza o consumo descontrolado

Como comentamos, o primeiro passo é ter compreensão dos seus rendimentos mensais, tanto de salário como de outras fontes. Só com essas informações você conseguirá estabelecer um limite a ser gasto ao longo do mês e quanto deverá ser guardado.

Essa certamente é a ação mais importante que você pode tomar rumo a sua consciência financeira e que fará toda a diferença no controle dos seus recursos e seus futuros investimentos.

Conhecendo seu orçamento mensal, crie uma lista de itens que realmente precisa para sua sobrevivência e bem-estar. Assim, evita o consumo desenfreado e prejudicial ao seu orçamento. Se você precisar de algo um pouco mais caro e que fuja das suas despesas habituais, planeje a forma mais econômica e viável de fazer essa aquisição.

2. Mantenha uma planilha financeira atualizada

Não pule essa dica por pensar que essa é uma atividade complicada. Elaborar e nutrir uma planilha é bastante simples e não precisa ser um expert em Excel para fazê-la.

Você pode até mesmo manter essas anotações em planilhas ou cadernos físicos. O importante é desenvolver o hábito de registrar suas despesas e receitas.

Nessa planilha, anote tudo o que recebeu, o que gastou e o que pretende gastar no mês. Assim, assume total controle de onde vem e para onde está indo o seu dinheiro, podendo fazer um planejamento para aplicá-lo da melhor forma.

3. Foque em investimentos de longo prazo

Uma ótima maneira de pensar no futuro com responsabilidade no presente é buscar investimentos de longo prazo. Seja para programar a aposentadoria ou sair do aluguel e adquirir a casa própria, esses investimentos, quando bem planejados, podem ser boas fontes de lucro e renda.

No segundo caso, os consórcios aparecem como opções seguras e ideais para garantir o futuro, principalmente por não exigirem o pagamento de qualquer tipo de entrada e por não cobrarem o pagamento de juros sobre as parcelas mensais.

A aquisição de imóveis por meio de consórcios, como investimentos de longo prazo, serve como uma segurança, para você e sua família, de bons retornos financeiros.

A planilha montada na dica anterior pode servir de base para que comprometa apenas uma quantia saudável dos seus ganhos para esses investimentos.

4. Crie uma reserva de emergência

Uma reserva de emergência serve para garantir a tranquilidade, caso algum imprevisto aconteça. Dessa forma, sabe que pode contar com um auxílio durante um tempo se perder o emprego, por exemplo, ou se sofrer alguma urgência na área de saúde.

O ideal é que a reserva seja montada de acordo com os ganhos de cada pessoa, assim, se precisar utilizá-la, mantém o padrão de vida que tem hoje.

Crie a reserva com a base no seu ganho atual e multiplicada por cerca de 3 ou 6 meses. Por exemplo, se você ganha R$ 2.000,00 por mês, sua quantia para uma boa reserva seria de R$ 12.000,00.

Mais uma vez, você pode utilizar sua planilha para ter uma ideia ampla de todos os seus gastos e formar a reserva de emergência que mais se encaixe no seu perfil.

5. Aplique a sustentabilidade financeira no cotidiano

Seguir as dicas anteriores é fundamental, mas também é preciso aplicá-las no seu dia a dia. Comece definindo uma quantia que pretende poupar todos os meses. A conta deve ser baseada nos seus objetivos e tem que ser realista, para que não comprometa suas obrigações e o seu bem-estar.

Normalmente, economistas recomendam que cerca de 10 a 20% do que se ganha deve ser reservado para essas economias. Portanto, se a sua renda mensal é de R$ 2.000,00, poupar R$ 200,00 já é um início bem interessante.

Outro ponto importante é notar como pequenas ações do cotidiano podem contribuir para a sustentabilidade financeira. Ir ao supermercado com uma lista de compras é um bom exemplo. Assim, você não compra por impulso nada além do necessário e pode garantir promoções que ajudem no orçamento.

Economizar com outros serviços no dia a dia também é bastante válido. Avalie o seu consumo com pacotes de telefonia, academia, internet, planos de TV a cabo, entre outros. Muitas vezes percebe-se que está pagando por serviços que não utiliza ou que podem ser otimizados.

A sustentabilidade financeira se constrói com a estipulação de metas, com controle consciente dos seus gastos e qualidade de vida. Com as dicas que trouxemos aqui aplicadas ao seu dia a dia, você vai conseguir alcançar esse objetivo. Boa sorte!

Gostou deste conteúdo? Que tal conferir nossas 7 dicas para manter suas contas em dia?