Tudo Sobre Consórcio

Entenda se vale a pena antecipar parcelas do consórcio

É vantajoso antecipar as parcelas do consórcio? Se eu resolver antecipá-las, como devo proceder? Saiba neste post!

Em todo consórcio, o integrante do grupo paga uma prestação (normalmente mensal), que inclui valores relativos ao objeto do contrato — bem móvel, imóvel ou serviço —, à taxa de administração e às demais obrigações estabelecidas no contrato de adesão.

Em alguns casos, nos deparamos com a possibilidade de o consorciado antecipar parcelas do consórcio. Mas vale a pena? É esse o assunto do nosso post de hoje!

O que é o consórcio?

Apesar de muitas pessoas confundirem o consórcio com o financiamento, eles têm diferenças substanciais. Reajustes ou juros, autofinanciamento ou financiamento pelo banco são alguns dos pontos que não nos permitem confundir as duas formas de aquisição de bens.

consórcio é uma forma facilitada para a aquisição de um bem ou serviço. Uma administradora autorizada pelo Banco Central do Brasil é responsável por formar e gerir um grupo de pessoas físicas ou jurídicas (consorciados) interessado em adquirir coisas semelhantes. Os bens ou serviços desejados podem ser vários como:

- um carro;
- um apartamento;
- uma viagem;
- uma cirurgia estética.

Cada pessoa contribui com uma quantia mensal, que é a parcela do consórcio. Ela inclui o valor parcelado do bem, a taxa de administração e os demais encargos acordados no contrato.

Essa contribuição permite que, periodicamente, um ou mais consorciados sejam contemplados com uma carta de crédito, que o possibilita adquirir o objeto do consórcio.

Como o consórcio funciona?

De forma simplificada, podemos elencar as seguintes etapas:

1. Formação do grupo

Formação do grupo de consórcio pela administradora, que define o objeto, o tempo de duração, o valor das parcelas, além de outros direitos e obrigações.

2. Período de assembleias (incluindo lances e sorteios)

Após determinado tempo, a Administradora passa a realizar as assembleias, que, entre outras funções, são convocadas para contemplar os consorciados, por meio de sorteio ou de acordo com os lances dados pelos membros do grupo.

3. Recebimento da carta de crédito

O integrante contemplado recebe uma carta de crédito com o valor do bem ou serviço, mas continua pagando as parcelas mensais até o fim do grupo. Por meio desse documento, ele pode escolher uma empresa ou um particular fornecedor do objeto do contrato, e a Administradora providencia a aquisição do bem e a sua transferência ao contemplado.

4. Encerramento do grupo

Após a contemplação de todos os consorciados, a Administradora quita eventuais obrigações e encerra o grupo de consórcio.

Com esse breve resumo sobre o funcionamento do consórcio, a explicação a respeito da antecipação das parcelas fica mais fácil!

Como antecipar parcelas do consórcio?

A primeira providência a se tomar quando se decide antecipar as parcelas do consórcio é ler o contrato de adesão, que estabelece obrigações e direitos para as partes envolvidas — consorciado, grupo e administradora. É ele que define as condições da antecipação de parcelas para o consorciado.

Tanto o consorciado contemplado quanto o não contemplado, ao quitar todas as parcelas (100% do seu consórcio),  não terá mais débitos em relação ao grupo de consórcio. A diferença é que, o consorciado contemplado não terá o crédito reajustado caso ocorram alterações dos valores (por aumento do INCC, por exemplo),  posteriores a sua contemplação. Já o consorciado não contemplado, caso ocorram reajuste no crédito, terá direito ao valor atualizado do crédito, sem precisar pagar nenhuma diferença de valores, já que tem 100% do seu consórcio pago.

Existem algumas formas de quitar antecipadamente o consórcio:

Direta

Quitação das prestações vincendas mais próximas, conforme o valor antecipado oferecido.

Inversa

O consorciado antecipa o pagamento a contar da última parcela. Ele pode, assim, pagar a prestação do mês e a relativa ao pagamento final do consórcio. Se em cada mês, por exemplo, ele pagar a primeira e a última, consegue antecipar o fim do consórcio pela metade — de 48 meses para 24 meses, por exemplo.

Diluída

É importante saber que essa opção só é possível quando o consorciado ofertar um lance vencedor e quando essa opção estiver descrita no contrato de adesão. O consorciado oferece um valor como antecipação que é diluído, reduzindo as parcelas mensais, na ordem inversa, até o fim do consórcio.

Quitação total

O consorciado quita todas as parcelas de uma só vez e se libera das garantias. Se, ao final do grupo de consórcio, houver saldo positivo, ele deve ser ressarcido com algum montante.

É possível usar o FGTS para reduzir o saldo devedor do consórcio?

Além das formas de quitação antecipada, se o consórcio disser respeito a imóvel residencial, o consorciado pode utilizar o saldo de sua conta vinculada ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço para quitar ou amortizar as prestações, conforme manual da Caixa que é o gestor do FGTS.

Por fim, uma pequena observação: o consorciado que ainda não foi contemplado não tem direito à contemplação imediata, caso resolva antecipar as parcelas vincendas. Ele também não vai ter descontos no valor total — isso deve ser discutido caso a caso com a administradora.

Quais as vantagens de antecipar parcelas do consórcio?

Quitar antecipadamente as parcelas do consórcio tem algumas vantagens significativas, que devem ser levadas em consideração na hora de decidir. Quer saber quais são?

Liberação do comprometimento mensal

Muitas pessoas assumem o compromisso mensal, mas, em caso de saída do emprego, por exemplo — bem como em qualquer outra mudança de status —, o valor das prestações pode ficar muito alto para seu orçamento.

Assim, usar um saldo extra, como o valor da rescisão, ou saldos eventuais, pode contribuir para diminuir o peso desse comprometimento mensal e ajudar o consorciado a adequar seu comportamento mensal à nova realidade.

Redução do saldo devedor

Assim, se preocupa ao consorciado o total que ainda falta pagar, ele pode ir se liberando sempre que receber um valor extra, e ficar mais tranquilo em relação a isso.

Muitas pessoas preferem tomar essa atitude, já para prevenir eventuais mudanças na situação financeira. Assim, elas ficam livres de grandes compromissos e mantêm suas finanças sob controle.

No caso do consórcio de imóveis, por exemplo, é interessante o consorciado quitar as parcelas antes do reajuste anual do grupo. Isso porque ele implica no aumento do consórcio e, consequentemente, das parcelas. Supondo que o crédito já tenha sido utilizado, o consorciado não receberá o percentual acrescido no consórcio.

Flexibilidade no orçamento mensal

Também há quem prefira antecipar o pagamento do consórcio para assumir outro compromisso — um segundo consórcio, uma compra parcelada ou o planejamento na realização de um sonho. Nesse caso, é possível quitar ou amortizar o consórcio para dedicar a parcela mensal a esse outro projeto pessoal.

Uso do FGTS

O consórcio permite — da mesma forma que um financiamento imobiliário — utilizar o saldo do FGTS de contas ativas ou inativas para abater do saldo devedor. Não é preciso que o consorciado seja desligado da empresa atual, ou nada do tipo, pois essa ação não interfere no seu emprego, e ele continua recebendo depósitos da companhia em que trabalha.

Dessa forma, você pode reduzir o saldo devedor de seu consórcio sem sequer utilizar o dinheiro que você tem disponível na sua conta.

Em suma, essas vantagens podem fazer muita diferença para quem quer se livrar das pendências do consórcio e das demais obrigações que o contrato estipulou.

Por fim, convém lembrar que a antecipação de parcelas no consórcio deve ter suas regras previstas no contrato de adesão feito entre administradora e consorciado. Também no contrato estão as condições para a operação — número de parcelas que se permite quitar, se a antecipação se aplica apenas ao consorciado contemplado, entre outros assuntos.

Como funciona a antecipação das prestações do financiamento?

Sabemos que o banco ganha conforme você paga os juros previstos no contrato do financiamento. Se você antecipa o pagamento das prestações, ele perde parte dessa remuneração — já que os juros são calculados sobre o tempo que o dinheiro permanece emprestado.

Assim, alguns bancos podem cobrar uma taxa pela antecipação das parcelas, e mesmo que isso não aconteça, você não se livra de ter que pagar IOF, taxas e tarifas bancárias referentes ao contrato.

Por exemplo, suponha que você comprou um carro financiado de R$ 40 mil. Na contratação, não somente o valor do bem resultou no cálculo da sua parcela, mas entraram nessa conta:

TARC — Tarifa de Abertura e Renovação de Cadastro;
IOF – Imposto sobre Operações Financeiras;
outras taxas e serviços, como vistoria de veículo, entre outros (dependendo do banco).

Se esses gastos extras somados resultaram em R$ 3 mil, por exemplo, o seu saldo devedor inicial já é de R$ 43 mil. Mesmo que você financiasse o veículo hoje e, amanhã, já quisesse quitar o saldo devedor, não teria esse dinheiro de volta.

Então, no sentido de livrar-se da dívida, liberar seu carro da alienação fiduciária e reduzir alguns custos do financiamento, vale a pena antecipar as parcelas.

Antecipar parcelas do consórcio pode ser uma alternativa boa para quem não quer ficar com pendências mensais que podem atrapalhar o orçamento ou para quem tem um valor extra para aplicar no plano. Se um deles é o seu caso, com esse post, ficaram esclarecidas as vantagens da antecipação e a forma como fazê-la!

Agora que você já tirou algumas dúvidas sobre antecipar as parcelas do consórcio, continue em nosso blog e confira outras dicas de organização financeira! Leia o nosso post e aprenda a dar um lance em 6 passos!