Deixar o carro parado é um perigo: entenda aqui os motivos

Saiba o que pode acontecer com um carro que fica muito tempo parado na garagem e o que fazer para prevenir esses problemas.
  • Atualizado em May 10, 2021
  • Publicado em May 10, 2021
  • Seu carro

Durante a pandemia muita gente passou a trabalhar de casa e sair de carro tornou-se algo menos frequente. Com isso, é bem provável que o veículo tenha passado um tempo considerável sem ser acionado.

Do mesmo modo que a utilização inadequada pode trazer consequências para a preservação do veículo, deixar o carro parado também não é legal. Diante disso, neste texto, vamos explicar quais os principais problemas tal atitude pode gerar no automóvel e o que pode ser feito para minimizá-los.

Quais os perigos de deixar o carro parado?

Manter o carro parado não significa que ele estará a salvo do desgaste. Por isso, é necessário manter uma série de cuidados sempre que o veículo for inutilizado por longos períodos. É óbvio dizer isso, mas um carro foi feito para estar em movimento e a ausência de circulação é bastante nociva para os componentes.

Não há uma regra, mas, normalmente, veículos sem utilização por períodos entre 20 dias e 1 mês já estão na margem de tempo com o qual os primeiros problemas podem começar a aparecer se nada for feito.

Dessa forma, se você utiliza o veículo ao menos semanalmente, não há muito com o que se preocupar na maioria dos casos. Em todo caso, ligá-lo e rodar com ele periodicamente por alguns minutos costuma prevenir a maior parte dos transtornos.

Caso contrário, é preciso ficar atento com os danos que vão aparecendo à medida que o tempo vai agindo. Alguns deles são velhos conhecidos (como a bateria descarregada), mas outros podem surpreender os motoristas menos precavidos, como é possível perceber na lista a seguir.

• envelhecimento dos fluidos de freio e de motor; • degradação do combustível, que pode entupir os bicos injetores; • perda de pressão dos pneus; • componentes enferrujados pela água do radiador; • sistema de arrefecimento defeituoso; • oxidação da pintura. • palhetas do limpador de para-brisa ressecadas; • bateria descarregada.

Como prevenir esses problemas?

A melhor recomendação para evitar os principais problemas gerados pela inatividade do veículo é fazendo-o rodar. Vale reforçar que apenas ligá-lo não costuma ser suficiente. É importante que, pelo menos uma vez por semana, o motorista tire o carro da garagem e circule por alguns minutos para evitar o desgaste prematuro de uma série de componentes.

Nas situações em que nem isso for viável, é possível tomar algumas ações para reduzir a probabilidade de ser afetado pela ausência. Nos tópicos a seguir explicamos o que pode ser feito de melhor para evitar dores de cabeça.

Bateria

Quase sempre, a bateria é o primeiro componente a sentir o tempo de inatividade e ter o seu desempenho afetado pela falta de uso. É difícil que ela não perca a carga após certo período.

Sem carga na bateria o motorista nem sequer conseguirá dar partida no veículo quando for utilizá-lo de novo e não poderá usar uma série de sistemas que dependem da energia dela para funcionar, como faróis, alarme, ar-condicionado e rádio.

Para evitar problemas, confira as instruções da montadora para prolongar a vida útil da bateria com o carro parado. Em alguns modelos a indicação é desconectar o cabo, enquanto em outros, isso não é recomendável.

De qualquer forma, rodar com o veículo por alguns minutos toda a semana recarrega a bateria e serve como medida de prevenção para isso.

Fluidos

Cada fluído tem um tempo determinado de validade que, após ultrapassado, faz com que esses líquidos possam danificar uma série de componentes. O óleo do motor tem validade média de 6 meses, por exemplo.

Por isso, é importante acompanhar esses prazos dos fluidos e trocá-los sempre que necessário. Além disso, verifique de forma constante o nível de cada um deles. Em último caso, procure uma oficina especializada para esgotar alguns desses fluidos. Com isso, o carro pode ficar "hibernando" sem que seja necessário se preocupar.

Pneus

Sem uso, os pneus não sofrerão desgaste, mas podem ficar deformados. Para reduzir a chance de isso acontecer, são duas as possibilidades: a primeira envolve estacionar o carro sobre cavaletes, para que as rodas não toquem o solo.

Outra forma de prevenção envolve deixar o pneu com a maior calibragem possível, de acordo com o manual do veículo, e acionar o carro para rodar pelo menos alguns minutos por semana, dica que já foi mencionada várias vezes aqui.

Combustível

Não há consenso sobre qual o nível de combustível deixar no tanque, mas o ideal é evitar tanto deixá-lo vazio quanto completo, mantendo uma quantidade suficiente para caso seja necessário utilizar o veículo. Isso evita tanto que o líquido envelheça no reservatório quanto seque com o passar do tempo.

Além disso, o combustível, seja a gasolina ou álcool, tem validade média de 3 meses. Após esse período, começam a se formar borras e crostas que podem entupir toda a tubulação por onde ele passa.

Pintura

Do ponto de vista estético, a dica é manter o carro guardado limpo, em local fechado e de preferência com uma capa cobrindo-o. De tempos em tempos, vale passar um pano para remover a poeira acumulada e encerar o veículo, para manter a pintura em bom estado.

Quais cuidados tomar na hora de voltar a usá-lo?

Quando a rotina voltar ao normal e o veículo tiver novamente uma demanda de utilização regular, uma série de cuidados também devem ser tomados. A maior parte deles é simples, como avaliar o estado da bateria ou trocar o fluido de freio. Em todo caso, não descarte uma revisão completa para que tudo seja avaliado com cuidado antes de voltar à ativa.

Parado ou em movimento, cuidar do carro é essencial para resguardar seu patrimônio, ainda mais de um bem que sofre com a depreciação à medida que os anos se sucedem. Então, jamais ignore os cuidados de manutenção, que certamente são a melhor forma de fazer o dinheiro investido ser preservado.

Deixar o carro parado pode realmente ser um problema, principalmente quando o motorista não souber o que deve ser feito para conservar o veículo de forma adequada antes, durante ou mesmo depois do período de inatividade. Com isso, esperamos que este conteúdo seja valioso para quem esteja passando por essa situação.

Quer receber as melhores dicas no seu e-mail? Então, assine a nossa newsletter agora mesmo e tenha acesso a conteúdos incríveis sempre!
As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.
Mostrar comentários
Leia também
drive_eta
Seu carro

Confira os 8 principais tipos de moto que existem e escolha a sua!

drive_eta
Seu carro

Confira os prós e contras de investir em um carro elétrico!

drive_eta
Seu carro

Carta de crédito para carro: entenda por que é uma boa opção para a compra