Meu Primeiro Carro

9 dúvidas comuns sobre o funcionamento do consórcio de motos

Não tem dinheiro para comprar sua moto à vista? Veja como o consórcio pode ser a solução!

Se você pensa em comprar uma motocicleta, mas não dispõe do valor para pagamento à vista e também fica desanimado com os juros de um financiamento bancário, pode optar por entrar em um consórcio.

Se você tem dúvidas sobre o assunto, o post de hoje é para você. Nele, vamos responder algumas perguntas sobre a aquisição de uma moto por meio de um consórcio. Confira!

1. Como é feita a contratação de um consórcio de motos?

Para entrar em um consórcio, você precisa procurar uma administradora de consórcios credenciada no Banco Central. Então, você escolhe uma carta de crédito do valor da moto que você deseja comprar. O valor das parcelas a serem pagas depende de quanto custa o bem e da duração do grupo.

Vale ressaltar que o consórcio é um investimento de longo prazo e, por isso, é mais seguro você escolher uma administradora já reconhecido no mercado.

2. Quanto tempo dura um consórcio de motos?

Geralmente, os consórcios de motos têm duração mínima de 60 e máxima de 100 meses. Por isso, é importante que você planeje muito bem a sua compra, além de ter a ciência de que nenhuma administradora pode prometer a data da contemplação.

No entanto, quem não quer depender apenas do sorteio, pode dar um lance e tentar antecipar a carta de crédito. Mas, mesmo que você seja contemplado por meio de um lance, precisa pagar as parcelas até o encerramento do plano.

3. As parcelas do consórcio têm juros?

Não, o consórcio não trabalha com juros. Nessa modalidade de aquisição existem algumas taxas, as quais são diluídas nas parcelas. No entanto, o percentual é bem menor do que os juros cobrados pelos bancos.

Além disso, durante a vigência do contrato, podem haver reajustes, pois a moto escolhida pode sofrer alteração em seu valor final, tanto para mais quanto para menos. É importante que você saiba que se as suas parcelas sofrerem reajustes, automaticamente, sua carta de crédito também será reajustada, mantendo o poder de compra.

4. O que acontece no caso de atrasos com as parcelas?

Caso haja atrasos no pagamento das parcelas e você já tenha sido contemplado, deve acertar esse valor com juros e multa.

Caso o consorciado ainda não tenha sido contemplado e deixar de pagar várias parcelas, pode ter a sua cota cancelada, além de não participar das assembleias, anulando suas chances de contemplação.

Os valores das cotas canceladas dos grupos anteriores a 2009 são disponibilizados somente após a última assembleia de contemplação. O valor a ser devolvido considera os recursos pagos até o momento do cancelamento correspondente ao fundo comum e fundo de reserva, descontando a multa de 10%.

As cotas canceladas dos grupos da Lei de Consórcio participam dos sorteios mensais de contemplação e, quando contemplados, podem ser retirados de imediato ou até o encerramento do grupo. Após a realização da assembleia, o aviso de contemplação é realizado pela administradora. Todos os recursos das cotas canceladas devem ser disponibilizados até a última assembleia de contemplação. O valor devolvido considera o recurso de fundo comum pago até o momento do cancelamento, também descontando a multa de 10%. 

Quando o consorciado deixa de pagar o consórcio depois de ser contemplado, a administradora pode acionar os meios legais para reaver o bem.

5. Como funciona a contemplação do consórcio?

Em um consórcio de motos, ou mesmo em qualquer outro, é realizado um sorteio para contemplar os consorciados. Os sorteios são mensais e o vencedor leva a carta de crédito. Outra forma de ser contemplado é dando lances.

6. Como são dados os lances?

O lance é oferecido à empresa que administra o consórcio e deve ser ofertado dentro de um prazo estabelecido. Esse prazo é estipulado antes das assembleias de associados, pois nessas datas são realizados os sorteios.

No lance livre, é aceito qualquer valor ou percentual escolhido pelo consorciado, normalmente vence quem ofertar o maior lance. Em caso de empate, a administradora fará um sorteio para determinar o contemplado.

O lance fixo estipula um valor (ou percentual) preestabelecido, determinado em contrato. Se mais de uma pessoa ofertar o lance fixo é realizado um sorteio para definir o contemplado.

Caso você não seja contemplado no lance, não há necessidade de pagamento, o que possibilita que você guarde o dinheiro para tentar em uma próxima data.

Existe também a possibilidade de pagar o lance descontando o valor da carta de crédito, que é conhecido como lance embutido.

7. Como é o funcionamento das assembleias?

As assembleias acontecem uma vez por mês e podem ser tanto presenciais quanto online, dependendo do que foi estabelecido pelo seu grupo. A segunda opção está sendo cada vez mais comum, o que possibilita os consorciados acompanharem a reunião de qualquer lugar.

Além disso, geralmente, na área do cliente, são disponibilizados vídeos das assembleias anteriores, dados sobre grupo e cota, simulações de lance e outras informações relevantes para o consorciado.

8. Como posso utilizar minha carta de crédito?

Você pode usar sua carta de crédito para comprar uma moto nova ou usada. Além disso, as administradoras colocam um limite em relação à data de fabricação do veículo, a qual corresponde, geralmente, há 5 anos.

É bom lembrar que o valor da carta de crédito não é entregue em dinheiro. Você escolhe uma moto e comunica à administradora para que ela faça o pagamento.

Mas, se você pensa em resgatar o dinheiro de sua carta de crédito ao invés de comprar a moto, necessita aguardar o prazo de 180 dias da contemplação, estando com a sua cota quitada, ou até 60 dias após o encerramento do grupo.

9. Posso desistir do consórcio antes do término do contrato?

Se o seu orçamento apertar e você não conseguir pagar as parcelas, é possível desistir do consórcio. No entanto, como mencionamos anteriormente, você terá uma multa redutora.

As melhores opções, nesse caso, são trocar a carta de crédito por um valor menor ou transferir o consórcio para outra pessoa. No primeiro caso, você escolhe uma moto mais barata, pois as prestações serão menores. Lembrando que você só pode trocar o valor caso ainda não tenha sido contemplado.

Já no caso de transferência, você passa seu consórcio para outra pessoa e pede uma quantia pelo valor já pago. Então, a pessoa assume o restante das parcelas. No entanto, é preciso conversar com a empresa que administra o consórcio antes de tomar qualquer tipo de atitude.

Essas são algumas dúvidas comuns em relação ao consórcio de motos. Claro que você pode ter outras! Leia o contrato atentamente e pergunte o que achar necessário à administradora responsável pelo seu consórcio.

Lembre-se de que um consórcio é um investimento de longo prazo. Por isso, é importante que você escolha um plano com parcelas que cabem no seu bolso, pois, assim, evita contratempos.

Se você está pensando em comprar uma moto por meio de um consórcio, a Racon é uma das empresas mais respeitáveis do país. Faça sua simulação aqui!

As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.