Meu Primeiro Carro

Gasolina comum ou aditivada? Entenda a diferença e saiba escolher

Você fica na dúvida na hora de abastecer? Explicamos nesse artigo o que você precisa saber para fazer a melhor escolha!

Toda vez que você precisa abastecer vem aquela dúvida na sua mente: é melhor gasolina comum ou aditivada? Essa pergunta só pode ser respondida a partir de alguns fatores.

O ideal é escolher a opção mais adequada conforme a sua necessidade. Afinal, selecionar a bomba errada pode impactar a potência do motor e até acarretar problemas mecânicos. Já pensou no prejuízo?

Para evitar essa situação, o ideal é compreender o que caracteriza esses dois tipos de combustível e os itens que interferem na sua escolha. Então, que tal conferir os detalhes de cada opção? Acompanhe, a seguir.

Qual a diferença na composição da gasolina comum e aditivada?

Os dois combustíveis são fabricados de maneira similar. No entanto, a gasolina aditivada é a comum com o acréscimo de aditivos dispersantes e detergentes. Essas substâncias limpam o sistema de alimentação do automóvel, inclusive as válvulas de admissão, motor e bicos injetores.

Esse é o principal benefício da gasolina aditivada, já que ela impede o acúmulo de resíduos e evita entupimentos. Por outro lado, a octanagem dela e da comum é a mesma, de pelo menos 87. Esse termo designa a resistência do combustível à pressão sofrida na câmara de combustão existente no motor.

Em outras palavras, a octanagem evidencia qual a capacidade de resistência do combustível a uma possível detonação. Quanto maior for a octanagem, maior é a possibilidade de trabalhar com altas taxas de compressão no motor. Na prática, isso só faz diferença em esportivos de luxo, que alcançam mais de 200 km/h.

Qual o efeito dos combustíveis no veículo?

A gasolina comum oxida mais rapidamente, o que gera uma espécie de goma no fundo do tanque do motor após um tempo. Essa situação ocasiona o acúmulo de resíduos que ficam sobre as válvulas — e isso prejudica o funcionamento do veículo.

Por sua vez, a aditivada reduz a chance de esses problemas ocorrerem devido à limpeza dos detergentes e dispersantes, bem como por ter um tempo de oxidação maior. Na prática, isso significa que a gasolina comum só é indicada quando haverá um uso contínuo, caso de viagens longas.

Essa recomendação é confirmada pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), que destaca a comum para trajetos em que a velocidade média é mais elevada. Já em grandes cidades, nas quais é comum acontecer a situação "anda e para", o ideal é abastecer com aditivada.

Já a BR, distribuidora da Petrobras, destaca que a gasolina de maior octanagem é mais econômica, além de evitar a redução da potência e possíveis danos ao motor do veículo. Essas informações foram retiradas de matéria publicada pelo G1.

É importante destacar ainda que a potência do veículo é definida no projeto do motor e seu desempenho depende diretamente do combustível. Por isso, vale a pena consultar o manual do fabricante, que pode contar até com a octanagem indicada. A partir disso, você pode definir a gasolina mais apropriada de acordo com as opções disponíveis.

Quais são os benefícios em relação à parte mecânica?

Nesse caso, a aditivada é melhor, porque ela garante a limpeza dos componentes do motor e de todo o sistema pelo qual o combustível passa. Ao usar a comum será necessário aplicar outros aditivos para evitar o acúmulo de resíduos.

O problema dos aditivos é que se sabe pouco sobre eles e existem marcas que até corroem algumas peças metálicas. Por isso, é preciso ter atenção e nunca adicionar uma substância de etanol na gasolina e vice-versa.

Ainda se deve atentar a um detalhe importante: um carro que sempre usou gasolina comum deve evitar a troca para a aditivada. Se essa ação for realizada, é preciso realizar uma limpeza para impedir o entupimento do carburador e bicos injetores.

Porém, se o carro for flex, qualquer tipo de gasolina pode ser adotado, porque o motor está programado para receber mais de um modelo de combustível. Por isso, inexistem problemas na hora de fazer a alteração.

Outro cuidado é com os combustíveis adulterados, que podem prejudicar a performance do veículo. Esse tipo de gasolina danifica as peças e exige manutenção a um custo elevado.

Você também deve saber que pode misturar a gasolina comum e a aditivada. Nesse caso, os aditivos são diluídos e o poder de limpeza é reduzido ou até mesmo eliminado.

Qual é o cálculo para entender qual combustível vale mais a pena?

Os carros flex permitem colocar gasolina e etanol. Nesse caso, vale a pena usar a fórmula: valor da gasolina x 0,7. Se o resultado for menor que o valor do álcool, a gasolina é recomendada.

Esse cálculo é embasado na ideia de que o consumo de etanol é de aproximadamente 70% maior que o da gasolina. Porém, vários fatores podem interferir nessa contabilização, como a potência do motor, trajeto que será realizado (na estrada ou na cidade).

Por isso, essa fórmula nem sempre é válida. Ela foi criada no início dos carros flex. Com a mudança da tecnologia nos últimos anos, o melhor é conferir o consumo direto do seu veículo para cada um dos combustíveis.

Esse teste também é válido para entender a diferença da gasolina comum e da aditivada no seu carro. Então, a dica é esvaziar o tanque, colocar determinado valor — por exemplo: R$ 50 — de etanol, zerar o contador e ver quanto consegue rodar.

Depois, faça a mesma coisa com a gasolina comum e a aditivada. Anote os resultados e faça o comparativo preciso para o seu veículo. Você ainda pode usar a quilometragem conquistada e dividir pelo valor empregado para achar a razão entre quilômetros e real gasto.

Por exemplo: se você colocou R$ 50 de gasolina comum e fez 150 km, o resultado foi de 3 km/real gasto. Agora imagine que abasteceu o mesmo valor de aditivada, mas rodou 250 km. Nesse caso, fez 5 km/real gasto. Então, ela compensa.

Lembre-se ainda de que a gasolina comum contém etanol anidro, ou seja, sem água. O percentual máximo é 27%. Além disso, o etanol dos postos de gasolina possui aproximadamente 5% de água.

Assim, definir se é melhor gasolina comum ou aditivada depende dos itens tratados acima. É verdade que a segunda tem o benefício de fazer a limpeza do sistema de combustível, mas o ideal é consultar o manual do fabricante e fazer o cálculo que indicamos. Assim, você evitará arrependimentos.

Gostou de entender mais sobre esse assunto? Aproveite para entender como definir o melhor carro para quem viaja muito.

As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.