Planejamento Financeiro

Parcelar ou pagar à vista: quando é indicado cada uma das opções?

Entenda agora o que avaliar quando for decidir se vai parcelar ou pagar à vista as suas compras.

Parcelar compras é um hábito comum dos brasileiros. Essa afirmação pode ser confirmada por um levantamento realizado pelo SPC Brasil em 2015, no qual 79% das pessoas entrevistadas revelaram sua preferência por pagamentos à prestação, independentemente de haver juros ou não. Em alguns casos, essa pode ser uma opção viável para conseguir alcançar seus objetivos, mas, em outros, pode ser uma grande cilada.

A escolha entre parcelar ou pagar à vista depende de alguns fatores, que devem ser levados em consideração e analisados com cautela. Por isso, entenda melhor como escolher entre essas duas formas de pagamento!

Parcelar ou pagar à vista: qual é a melhor opção?

Antes de tomar qualquer decisão, é importante compreender sua atual situação e como anda o seu planejamento financeiro. Afinal, algumas questões são fundamentais na hora de avaliar o produto ou serviço que deseja adquirir e qual será a sua forma de pagamento. Conheça quais são elas!

Valor da compra

O valor da aquisição é um dos itens mais importantes na hora de decidir por qual forma de pagamento optar. Isso porque, em determinadas situações, não temos a quantia total em mãos e precisamos de um prazo maior para concretizar a quitação — principalmente em se tratando de bens e serviços mais caros, como imóveis, automóveis e passagens de avião.

Para as compras de itens mais baratos, vale a pena avaliar suas possibilidades financeiras e tentar realizar o pagamento de imediato. Afinal, dessa forma, você não compromete seu orçamento do próximo mês e ainda pode conseguir vantagens, como descontos e promoções.

Taxas de juros

Em compras a prazo, é imprescindível ficar atento às taxas que podem ser cobradas na transação. Mas, não basta ter conhecimento do que será acrescido, também é necessário ver os benefícios dos quais você está abrindo mão quando não paga à vista. Afinal, ao optar pelo parcelamento, você compromete seu dinheiro por muito mais tempo e as parcelas podem custar mais do que normalmente custariam, devido às taxas de juros.

Caso decida adquirir um carro, por exemplo, o valor do juro cobrado é maior ou menor do que o rendimento do montante, se investido? Se a rentabilidade do investimento durante o prazo escolhido for maior que o valor pago nos juros, é melhor parcelar. Caso contrário, veja a possibilidade de conseguir descontos e quite a dívida de uma só vez.

Descontos

Geralmente, os vendedores oferecem condições especiais para pagamentos à vista e isso pode ser muito interessante. Afinal, pagar menos pelo item desejado é sempre bom. Porém, observe cautelosamente quais são os percentuais de descontos que estão sendo ofertados para comparar bem as duas situações.

Os descontos para pagamentos em dinheiro costumam ser de 5% a 10% sobre o valor total do produto, representando uma escolha favorável quando o todo tem um custo maior. Porém, é interessante comparar com quanto o mesmo valor renderia em aplicações financeiras, para ter certeza de que o desconto é a melhor alternativa.

Capacidade de pagamento

A situação financeira do comprador é um dos principais itens que deve ser levado em consideração. Afinal, a sua reserva monetária permite que você faça o pagamento à vista, depois de considerar todas as condições? Ou o valor da parcela vai comprometer seu orçamento mensal? Ter certeza de que a prestação cabe no seu bolso evitará problemas futuros.

Quando for fazer essa análise é importante ter uma planilha, para enumerar todos os seus gastos fixos, juntamente aos parcelamentos, e, então, verificar se a quantia definida poderá ser paga sem impactar o orçamento. Lembre-se de que os atrasos podem gerar ainda mais juros ou até a perda de posse do produto.

Tempo de parcelamento

Atente para o prazo que está sendo acordado, caso a escolha seja pelo parcelamento. Afinal, a prestação pode não interferir no planejamento financeiro no mês seguinte, mas e nos demais? É preciso ter cautela quanto a isso! Principalmente, se já tiver outras compras que foram realizadas com a mesma forma de pagamento.

Ao fazer a escolha do meio de pagamento, tenha consciência de que seu orçamento estará comprometido até a quitação. Além disso, será preciso saldar as dívidas pontualmente a cada mês. Por isso, programe-se corretamente!

Agora que já conheceu melhor os pontos que devem ser avaliados para tomar uma decisão adequada, veja alguns exemplos práticos de como aplicar esse método.

Quando devo pagar à vista?

Suponhamos que você pretende comprar um sofá no valor de R$4.000,00 e que existe a possibilidade de pagar por ele em 12 meses, a uma taxa de juros de 10% ao ano. Nesse caso, utilizando a fórmula de juros composto o valor mensal da parcela seria de R$351,59, e o total de R$4.219,08.

Se no pagamento à vista há 5% de desconto, o valor cairia para R$3.800,00. Analisando seus rendimentos mensais na Poupança — com base em 0,4% ao mês — essa quantia chegaria a equivaler a mais ou menos R$4.196,18 no final do mesmo período. Desse modo, temos:

- valor à vista: R$3.800,00;
- valor a prazo: R$4,219,08;
- valor investido R$4.196,18.

Considerando que o valor é acessível e está disponível para a compra, o ideal é pagar à vista, nesse caso. Isso porque os descontos compensam o valor do investimento e o custo à prazo é maior do que se o dinheiro ficasse na poupança.

Quando parcelar?

Agora, imagine a compra de um automóvel de R$40.000,00. Nesse caso, o principal ponto, antes mesmo de avaliar as condições de pagamento, é verificar se você tem esse valor disponível. Caso não tenha, o ideal é se planejar, poupando o dinheiro ou negociando as taxas de parcelamento oferecidas pelo mercado.

Outro fator importante é o prazo das prestações. Por exemplo, calcule 2,2% ao mês e um período de 60 meses. Teríamos uma parcela de R$1.207,11 e valor final de R$72.426,60. O mesmo valor investido na Poupança renderia R$50.825,21. E o valor à vista com 5% de desconto igual a R$38.000,00.

Além do fato da descapitalização imediata de um valor alto, o valor investido renderia consideravelmente, sem contar que o cálculo está sendo feito em cima do menor investimento do mercado. Portanto, se o valor da prestação não for comprometer o orçamento financeiro, durante o prazo total, o ideal seria fazer um parcelamento, principalmente se conseguir taxas mais baixas.

O consórcio, por exemplo, é uma maneira de conseguir realizar o parcelamento com taxas menores e ser contemplado, obtendo condições de compra à vista. É importante avaliar as possibilidades e ver o que é compatível com seu perfil.

Sabemos que, muitas vezes, o poder de compra dos brasileiros não viabiliza o pagamento em dinheiro e, por isso, normalmente escolhe-se realizá-lo a prazo. Porém, a decisão de parcelar ou pagar à vista exige uma análise mais criteriosa do seu planejamento financeiro, pois, dessa forma, seu orçamento não ficará comprometido e você poderá honrar com todas os comprometimentos, sem perder oportunidade de aumentar seus rendimentos.

Este artigo foi útil para você? Tem alguma dúvida ou gostaria de acrescentar alguma informação? Então não deixe de comentar, pois queremos saber a sua opinião!

As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.