5 tipos de investimentos mais seguros para você apostar

Quer colocar seu dinheiro para render e multiplicar? Faça isso sem riscos! Listamos algumas opções seguras para você investir!
  • Atualizado em August 23, 2021
  • Publicado em July 1, 2019
  • Planejamento Financeiro

Optar por investimentos mais seguros é uma ótima estratégia para aumentar seu patrimônio e usufruir de conforto no futuro. Ao conhecer as diferentes modalidades disponíveis e identificar a melhor para o seu perfil, se torna possível realizar sonhos materiais e ter uma renda maior quando decidir se aposentar.

Para isso, a pesquisa é fundamental porque cada escolha não depende de achar o investimento ideal, mas sim de decidir racionalmente qual deles oferece aquilo que você quer. Então, que tal conhecermos o funcionamento dos principais investimentos?

Neste post, vamos apresentar 5 opções para investir de forma mais segura e com baixo custo. Confira!

1. Poupança

A caderneta de poupança é uma das opções mais conhecidas pelo brasileiro. É muito comum que o dinheiro que não é deixado na conta-corrente vá para uma poupança. Na verdade, muitos bancos até oferecem contas conjugadas, em que a quantia parada vai automaticamente para o investimento.

O funcionamento fácil é a principal vantagem dessa opção. É simples transferir ou depositar o dinheiro para investir nela, você pode acompanhar de perto pelo banco e muitas vezes tem até mesmo um cartão de débito disponível para saque ou compras a qualquer momento. Entretanto, essa também pode ser uma desvantagem se você tem dificuldade para deixar o dinheiro guardado.

Existem, ainda, outras desvantagens importantes. A primeira delas é em relação ao rendimento: a poupança geralmente rende menos do que todas as alternativas — e o dinheiro só aumenta quando completa um mês na caderneta. Assim, quem precisa tirar um valor antes de 30 dias não recebe nenhum rendimento pelo período em que ele ficou lá.

2. Tesouro Selic

Essa é a alternativa mais próxima da poupança, o que fez com que ganhasse muita popularidade nos últimos anos. O Tesouro Direto é uma plataforma que o Governo Federal abriu para pequenos investidores. Nela, o Tesouro Selic é o investimento mais conhecido.

Ele rende um pouco mais que a caderneta. Enquanto a poupança paga juros de 70% da taxa Selic ao ano, o Tesouro oferece 100% dela. A Selic é a taxa básica de juros brasileira e sofre variações de acordo com decisões econômicas do Governo.

Outra vantagem do Tesouro em relação ao rendimento é que seu dinheiro aumenta todos os dias úteis. Ou seja, ao contrário da poupança, ele não precisa ficar um mês parado para que você obtenha retorno.

Isso significa que um saque realizado em qualquer período já estará com um valor a mais — contudo, é preciso ficar atento às cobranças de Imposto de Renda e Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). Quem investe na poupança não precisa pagar essas taxas, mas, ainda assim, o Tesouro Selic apresenta um rendimento maior.

3. Tesouro IPCA

Essa é outra opção na plataforma do Tesouro Direto, mas apresenta algumas diferenças em relação ao Tesouro Selic. A principal é que nesse investimento os juros são calculados pela taxa do IPCA, que corresponde à inflação. Assim, o Tesouro IPCA oferece um rendimento sempre maior que as flutuações de preço no país.

Isso faz dele uma ótima opção para investimento de longo prazo, pois você tem a certeza de que o montante não vai perder valor de compra. Ao deixar o dinheiro em outros investimentos por muitos anos, existe o risco de pegar altas taxas de inflação no momento do saque. No IPCA, esse perigo é extinto.

Contudo, quem não quer investir por muito tempo também pode aproveitar as taxas do Tesouro IPCA — as opções costumam começar com um prazo de 5 anos e uma das desvantagens dele é que você precisa garantir que o dinheiro ficará lá pelo período estipulado. Do contrário, você pode perder algum valor se precisar sacar antes.

Outra desvantagem do Tesouro IPCA, é que o funcionamento não é tão simples quanto na poupança. É preciso ter acesso à plataforma do Governo por meio do seu banco ou de uma corretora de valores. Nesse caso, não há cartão de débito e, se for necessário fazer um saque, o valor precisa de um dia útil para ser transferido do Tesouro para sua conta.

4. CDB

O Certificado de Depósito Bancário (CDB) é um dos tipos de investimentos mais seguros. Ele já não faz parte das opções do Governo Federal, pois se trata de renda fixa privada. Isso quer dizer que os bancos são quem oferecem os juros em troca do seu investimento.

Por esse motivo, há uma variedade maior entre as alternativas de CDB. Você pode investir diretamente no seu banco ou abrir uma conta em corretora de valores para ter acesso a diversas outras instituições bancárias.

É importante ficar atento ao valor mínimo de investimento e ao prazo de validade antes de escolher em qual CDB investir. A maioria deles vai exigir que o dinheiro fique lá até o final do período — ou seja, você pode perder o rendimento se precisar realizar um saque. Porém, também há opções de CDB com liquidez diária, que significa que o valor pode ser retirado sem perdas.

A segurança desse investimento não fica por conta apenas da solidez do banco. Para estimular os investidores, o Governo Federal tem um seguro chamado Fundo Garantidor de Crédito (FGC), que devolve até R$250 mil investidos, caso a instituição passe por falência e não arque com os pagamentos.

5. Consórcio

Por fim, trazemos um investimento simples e seguro. O consórcio não demanda abertura de contas e nem acompanhamento em plataformas financeiras. Ele é uma maneira bastante interessante de poupar dinheiro e realizar projetos materiais — como a compra de um carro ou de um apartamento.

Funciona como um autofinanciamento, no qual um grupo de pessoas com um interesse em comum se une para poupar em conjunto. Todos os meses os integrantes contribuem com o valor das suas parcelas, para formar um fundo comum que será utilizado para as contemplações dos consorciados. É possível escolher o plano que melhor se adeque ao seu objetivo e à sua realidade financeira. Dessa forma, você consegue adquirir um bem ou serviço de maneira planejada, sem acabar com suas reservas financeiras.

Além de usar o consórcio para aumentar o próprio patrimônio, você pode aproveitar a oportunidade de investir em um negócio ou ter fontes de renda extra. Isso é possível, por exemplo, ao comprar maquinário para abrir uma empresa ou adquirir uma casa, ou ponto comercial para alugar.

Entenda como o consórcio é um bom investimento

Quando se trata de investir dinheiro é natural ter muitas dúvidas sobre o retorno esperado. Isso porque os riscos envolvidos devem ser considerados, colocados na balança conforme os seus objetivos, o gerenciamento financeiro e a melhora do planejamento. O diferencial aqui está na segurança que envolve todo o procedimento.

Ao optar pelo consórcio, por exemplo, você consegue ter um planejamento financeiro seguro por conta da organização das parcelas e do melhor plano para os seus objetivos.

Depois de colocar no papel quanto você e sua família gastam mensalmente e podem reservar para o consórcio, fica mais simples seguir as etapas até a conquista do bem. Assim, além de conseguir cumprir devidamente com todas as parcelas sem passar por apertos, ainda é possível estabelecer metas capazes de mudar sua relação com as finanças em longo prazo.

O consórcio se trata também de uma espécie de estímulo para quem busca ter mais educação financeira. Como é necessário se planejar conforme as parcelas que cabem no seu bolso, a própria escolha feita em contrato faz com que você tome decisões com foco em cumprir os compromissos voltados para o alcance dos objetivos.

Poder de compra

Uma grande vantagem do consórcio é a manutenção do poder de compra do consorciado ao longo de todo o prazo de duração do seu plano. Esse ponto é importante porque, com o passar dos anos, o bem desejado pode sofrer alterações de preço. Além disso, fatores como a inflação podem reduzir a capacidade de compra do dinheiro.

Vale lembrar que, por exemplo, consórcios imobiliários podem ter duração de 10 a 15 anos. Ou seja, muita coisa pode acontecer nesse período, como oscilações na economia. Por isso, o consórcio passa por reajustes periódicos, com o objetivo de acompanhar essas alterações de preço e da economia, garantindo que todos os membros do grupo tenham acesso ao seu crédito de forma igualitária.

Flexibilidade

Outra vantagem do consórcio é a sua flexibilidade. Essa modalidade de aquisição permite ao interessado encontrar planos com diferentes valores de carta de crédito, quantidade de parcelas e valor mensal a ser pago.

Por essa razão, hoje o consórcio é uma das alternativas mais buscadas para a compra de veículos e imóveis, se adaptando bem ao perfil financeiro de muitas pessoas.

Diferenciais na escolha

O mais importante na escolha do consórcio é contar com uma empresa de confiança, que seja referência no mercado e tenha opções personalizadas para suas necessidades. Afinal de contas, receber as orientações adequadas quando se trata de investir nos sonhos traz muito mais segurança.

Agora você conhece 5 tipos de investimentos mais seguros. Sem dúvida, vale a pena considerar as vantagens e desvantagens de cada um na hora de escolher o destino do seu dinheiro.

Aproveite também e veja se deve guardar o seu dinheiro ou realizar investimentos. Analise e veja o que considerar para tomar essa decisão.
As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.
Mostrar comentários
Leia também
attach_money
Planejamento Financeiro

Organizar a rotina: 9 hábitos para conseguir otimizar a sua

attach_money
Planejamento Financeiro

13 dicas de economia para ter mais dinheiro no fim do mês

attach_money
Planejamento Financeiro

6 maneiras de investir com pouco dinheiro e ter um bom retorno