Vai colocar imóvel para alugar? Veja cuidados ao preencher o contrato de aluguel

Precisa elaborar um contrato de aluguel? Então veja agora os detalhes e fatores que não podem faltar nesse documento!
  • Atualizado em October 1, 2020
  • Publicado em October 1, 2020
  • Seu imóvel

Tranquilidade, segurança e renda. Geralmente, esses são os objetivos de quem busca a locação de seus imóveis. No entanto, essa jornada pode apresentar alguns desafios, fazendo com que muitos se perguntem sobre a importância do contrato de aluguel.

Por isso, criamos este post exclusivo sobre o tema! A nossa missão é ajudar você ao demonstrar a importância desse documento e os principais fatores que devem ser acrescentados em sua redação. Agora, não perca tempo e acompanhe!

Qual é a importância do contrato de aluguel?

A locação imobiliária é uma velha prática de negócios, sendo frequentemente defendida pelas gerações mais antigas. Afinal de contas, quantas vezes algum de seus familiares já comentou sobre a ideia de comprar casa para alugar?

Pois então, ter imóveis como investimento é um hábito antigo da nossa população. No entanto, a locação também apresenta seus desafios. É nesse sentido que o contrato de aluguel se torna um instrumento essencial à sua jornada.

Objetivo

O objetivo de qualquer contrato é oficializar as condições de um determinado acordo, geralmente celebrado entre duas ou mais pessoas. A assinatura e a autenticação do documento recebem peso jurídico, significando que as partes concordaram com os termos descritos e que se comprometeram a obedecer às condições estipuladas.

Assim, o contrato de aluguel é um elemento de segurança na locação imobiliária, tanto para quem disponibiliza o imóvel (locatário) como para quem o aluga (inquilino). Quando bem redigido, esse documento inclui todas as condições, os direitos, os deveres e as observações necessárias para garantir a proteção e a satisfação dos negociantes.

Elaboração

O único desafio é a elaboração desse documento. Logicamente, você pode contratar um profissional, mas com a consciência de que isso criará um custo extra na sua operação. No entanto, o modelo do contrato poderá ser reaproveitado em futuras locações.

Além disso, também é possível encontrar modelos prontos, bastando alterar detalhes específicos, como as informações das partes, o endereço do imóvel, o custo de locação, a data de vencimento e demais questões variantes — multas, datas de reajuste, condições rescisórias e afins.

Defesa

Em uma situação de quebra de contrato, o documento pode ser levado à Justiça para fazer o seu direito valer, com a solicitação de indenizações, custos rescisórios e assim por diante. É nesse momento que o contrato se torna um instrumento de defesa, sendo a prova mais importante para garantir a sua proteção financeira e patrimonial.

Quais são os cuidados ao preencher contrato de aluguel?

Agora que você sabe a importância do contrato para uma locação tranquila, chega o momento de conhecer os principais fatores a serem adicionados em sua redação. Afinal, não são todos os modelos pré-prontos que adicionam esses detalhes ao documento. Veja!

Garantias

Em uma locação, as garantias são as evidências financeiras ou patrimoniais cedidas pelo inquilino para sustentar o ato da locação. Em acordos diretos com o proprietário, é comum a cobrança de uma caução, geralmente em um valor múltiplo do aluguel, como duas ou três vezes.

No entanto, o seu acordo pode ser diferente, de modo que o inquilino ofereça possibilidades como título de capitalização ou a contratação de um seguro fiança. Em todos os casos, é importante que a modalidade de garantia e seu valor sejam discriminados no contrato com riqueza de detalhes.

Condições do imóvel

Já nessa seção, é fundamental observar a condição do imóvel no momento de cessão das chaves, anexando a isso o laudo da vistoria documentada. Com a assinatura do contrato, o inquilino concorda em devolver o apartamento, casa ou afins em condição equivalente à do início do contrato.

Vistoria documentada

A vistoria documentada é um procedimento que inspeciona as condições de todos os aspectos internos e externos do imóvel, unificando essas observações em um laudo, o qual é oferecido ao inquilino com antecedência. Ele, por sua vez, tem o direito de analisar o imóvel e contestar determinada avaliação.

Afinal de contas, o objetivo de um bom contrato de aluguel é a firmação de um acordo justo e transparente, que proteja ambos os lados de injustiças e negligências. Em razão da assinatura do contrato com o laudo vinculado, o inquilino se compromete a devolver o imóvel nas exatas condições descritas pelo laudo, concordando em arcar com possíveis reparos e benfeitorias, caso necessário.

Saída do imóvel

A saída também merece ser detalhada em alguns pontos. De início, com a descrição da data de rescisão natural do contrato, que termina sua validade após o período previamente acordado. Além disso, esse campo determina a devolução da garantia locatícia, caso assim combinado. Outro ponto importante é o aviso prévio, em que o inquilino deve comunicar sua saída com 30 dias de antecedência.

Direitos e deveres mútuo

Além de proteger ambas as partes, o contrato dá previsibilidade legal e financeira, ou seja, o inquilino sabe de suas obrigações, como o pagamento das taxas em dia e a missão de manter o imóvel em boas condições. O mesmo vale para os direitos e deveres do proprietário. Tudo deve ser descrito nessa seção.

Fiadores

Em muitos casos, o proprietário acrescenta um fiador na redação do contrato, indicado pelo inquilino. Normalmente, um fiador é uma pessoa de laço parentesco próximo, que tem imóvel próprio na cidade do imóvel a ser locado e comprova uma renda três vezes superior ao valor do aluguel e seus encargos.

Caso o inquilino entre em inadimplência, o proprietário está em seu direito ao transferir a responsabilidade da dívida e sua quitação para o fiador. Este, por sua vez, ao aceitar ser incluído no contrato, também participando das assinaturas, concorda com as implicações desse envolvimento.

Condições rescisórias e afins

Digamos que o inquilino queira sair antes do fim da vigência do contrato. Nesse caso, trata-se de uma rescisão antecipada, portanto, uma quebra de contrato. Felizmente, o proprietário pode atribuir uma condição rescisória, desestimulando esse tipo de prática.

Um formato comum é a cobrança proporcional de 20% do valor do aluguel multiplicado pelo número de meses restantes para a finalização do contrato. Por exemplo:

  • valor do aluguel de R$ 2.000,00;
  • 6 meses restantes para o fim do contrato;
  • R$ 2.000,00 * 20% = R$ 400,00 x 6 meses = multa rescisória de R$ 2.400,00.

Detalhar esse tipo de informação reforça o princípio da previsibilidade, protegendo ambas as partes e garantindo que todos trabalhem com transparência e organização financeira. Outro exemplo de condição rescisória é quando o proprietário quer quebrar o contrato antecipadamente.

Nesse caso, o inquilino recebe o aviso com 30 dias de antecedência. Embora não seja descrito em muitos contratos, a multa também pode valer para o inquilino, principalmente se ele sustentar uma defesa de que essa quebra trouxe imprevisibilidade ao seu cotidiano, que agora precisará arcar com uma locação de última hora.

Outro direito do inquilino é a oferta preferencial. Digamos que você, proprietário, recebe uma oferta pelo seu imóvel alugado. Antes de fechar negócio, deve levar essa mesma oferta para o inquilino. Caso ele queira fechar negócio nessas condições, o imóvel deve ser vendido preferencialmente a ele.

Caso o inquilino não tenha interesse, você pode seguir com a oferta anterior, solicitando a saída do inquilino em 30 dias, sob as condições descritas pela rescisão antecipada.

Outro detalhe interessante é a taxa de reajuste anual, que pode considerar índices macroeconômicos como a inflação, o IPCA. O objetivo disso é evitar que a locação seja desgastada pela desvalorização da moeda, protegendo a rentabilidade do seu investimento.

No fim das contas, viver de aluguel não é uma tarefa complicada. Com organização, paciência e planejamento, você consegue estruturar um bom plano de negócios, desenvolvendo um olhar aguçado para encontrar boas oportunidades no mercado, comprando, reformando, construindo e locando. Muitas vezes, o consórcio é a solução ideal para quem busca isso.

Agora, continue aprendendo sobre contrato de aluguel e temas relacionados conferindo nosso artigo especial sobre como colocar o seu imóvel para alugar!
As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.
Mostrar comentários
Leia também
home
Seu imóvel

Quais as vantagens de morar em apartamento? Confira prós e contras

home
Seu imóvel

Para que serve o habite-se? Como emitir? Tudo sobre o documento!

home
Seu imóvel

Quanto custa a reforma de um banheiro? Como economizar? Veja 7 dicas