Descubra 6 maneiras de evitar gastos supérfluos

Está enfrentando problemas para superar a crise? Calma! Podemos dar uma mãozinha, ensinando a cortar gastos supérfluos!
  • Atualizado em February 7, 2020
  • Publicado em August 17, 2016
  • Planejamento Financeiro

Está ficando difícil fechar as contas no fim do mês? Seu salário parece não dar mais para cobrir seus gastos e suas despesas? É claro que você deve estar pensando que tudo isso é culpa da crise que afeta nosso país, não é mesmo? No entanto, isso também pode ter a ver com os seus gastos supérfluos.

A verdade é que nossos próprios hábitos de consumo costumam ser grandes responsáveis por nossa saúde financeira. Assim, quando estão desequilibrados, acabamos tendo problemas com despesas nada essenciais.

Então, justamente para ajudar você financeiramente, nós criamos este guia. Que tal colocar suas contas no azul? Continue a leitura e saiba mais!

O que são gastos supérfluos?

Os gastos supérfluos referem-se aos gastos extras que você tem todos os meses, no entanto, eles são considerados supérfluos porque não são vistos como essenciais. Por exemplo, almoçar em um restaurante é diferente da necessidade de comprar remédios.

As compras por impulso são outro de exemplo claro de gasto supérfluo. Mas como identificar se esses gastos realmente não são indispensáveis na sua vida? As perguntas abaixo podem ajudar a solucionar essa questão:

  • O produto fará falta no seu dia a dia?
  • É possível substituí-lo por outro mais barato?
  • É possível viver sem esse produto?

Por que é importante identificá-los?

Os gastos supérfluos são grandes vilões do orçamento pessoal. Isso porque, muitas vezes, eles são feitos inconscientemente. É um cafezinho no final do expediente na padaria, uma blusinha que achou bonita na vitrine ou um jogo para videogame que estava faltando na sua coleção.

Enfim, como você pode perceber, os gastos supérfluos estão presentes no dia a dia das pessoas e, infelizmente, podem fazê-las gastar mais do que ganham, propiciando o endividamento.

Quando nos referimos aos gastos no cartão de crédito, esse problema se agrava, tendo em vista a facilidade de parcelamento. Um pequeno descuido pode impedi-lo de conseguir pagar a sua fatura e, no final, contrair uma dívida altíssima, pois os juros cobrados são considerados os mais altos do mercado. Portanto, lembre-se sempre da premissa: crédito não é dinheiro!

Em quais categorias eles estão mais presentes?

Os gastos supérfluos estão presentes nas mais diversas categorias, desde vestimentas até na alimentação. Conheça as categorias em que esse tipo de gasto se torna mais comum:

  • lazer: embora o lazer nunca deva ser excluído do seu orçamento, é preciso ter controle sobre a renda destinada a esse fim. De preferência, procure alternativas gratuitas para se divertir;
  • vestuário: é claro que roupas, muitas vezes, são uma necessidade, mas o excesso desse tipo de compra passa a ser um gasto supérfluo, sim. Defina um período para realizar essa compra (como no início de cada estação) e organize-se para adquiri-las em uma só vez;
  • entretenimento: internet, TV a cabo, serviços de streaming etc. Eles realmente são necessários? Se estiverem comprometendo uma grande fatia do seu orçamento, é importante pensar na possibilidade de cancelar esses serviços ou contratar outros mais em conta.

Como evitar os gastos supérfluos?

Agora que você já sabe identificar quais são os gastos supérfluos mais comuns, é hora de aprender a evitá-los ao máximo. Veja as dicas que separamos a seguir!

1. Acabe com o desperdício

Não há gasto mais supérfluo que aquele que vem do desperdício. Afinal, nesse caso, você não está usando seus recursos para adquirir um bem, ter acesso a um bom serviço ou realizar um desejo. De fato, está simplesmente jogando dinheiro fora! Para fugir desse problema, vale seguir algumas regras básicas.

Troque as lâmpadas da sua casa por modelos mais econômicos, avalie se é hora de trocar eletrodomésticos (como geladeira e ar-condicionado) por versões mais eficientes e crie o hábito de desligar da tomada aquilo que você não está utilizando.

Quanto à água, vale checar regularmente o encanamento para evitar vazamentos e, principalmente, estimular o uso consciente de toda família. Tomar banhos não demorados, lavar todas as louças de uma só vez e não usar a mangueira para lavar a calçada já ajudam bem. Siga esses passos para ver como a economia gerada no combate ao desperdício é muito maior do que você imagina.

2. Compre mais para pagar menos

Seja no atacado ou no varejo, a regra é a mesma: quanto maior for o volume de compras, maior também é o poder de barganha. Isso significa que vale sim a pena concentrar todas as suas compras em um único momento do mês e negociar diretamente com o fornecedor melhores condições de preço ou prazo.

Assim, em vez de ir ao açougue toda semana para comprar os bifes do almoço, por exemplo, vá mensalmente! Além disso, você também pode participar de grupos de compra, a fim de unir várias pessoas para realizar determinada transação comercial, atingindo volumes e valores altos para aumentar seu poder de barganha.

Essa prática já é bastante comum entre pais de alunos de uma mesma escola na hora de comprar o material escolar, por exemplo, mas pode ser replicada em outras situações do seu dia a dia.

3. Leve suas refeições de casa

Já se tornou um clichê falar que a vida anda corrida para todo mundo que estuda ou trabalha e que, portanto, tem-se tido cada vez menos tempo de ter alguns hábitos saudáveis, como alimentar-se em casa. No entanto, por ser clichê, isso não deixa de ser verdade. De fato, aquele almoço no quilo ao lado do trabalho ou um salgadinho na lanchonete já fazem parte da nossa rotina.

Que tal separar um momento da sua semana para preparar marmitas para levar ao trabalho, investindo na saúde e no bolso? Alguns alimentos que demandam mais tempo na preparação podem ser feitos no fim de semana, por exemplo. Então, você separa a quantidade certa para cada dia e congela em potes diferentes para serem consumidos como frescos quando chegar a hora.

4. Aposte em transportes alternativos

Ninguém nega que ter um carro é o sonho de consumo de muitos e que o veículo próprio aumenta nossa liberdade, mobilidade e agilidade. Por outro lado, também é preciso estar preparado para lidar com os gastos como manutenção e combustível de um carro que sai da garagem. Uma boa maneira de fazer isso é apostar em uma prática cada vez mais comum, principalmente nas grandes cidades: a carona solidária.

Trata-se basicamente de compartilhar seu veículo com amigos, vizinhos e colegas de trabalho durante trajetos regulares — como a ida ao trabalho ou à faculdade. Assim, você pode amenizar suas despesas rotineiras, ao mesmo tempo em que ajuda a melhorar o trânsito da cidade! Isso sem contar que essa também pode ser uma ótima oportunidade para fazer novas amizades e aumentar seu networking corporativo.

5. Encontre novos locais para o lazer

Todo mundo precisa de um descanso, curtindo bons momentos de entretenimento, certo? O detalhe é que as opções tradicionais para o lazer parecem estar cada dia mais caras por aqui. O cinema, por exemplo, programa clássico de família, tem ingressos que variam entre 20 e 30 reais. Multiplicando esse valor pelo número de membros da família fica fácil perceber o rombo no planejamento financeiro.

Por isso, definitivamente vale a pena procurar alternativas gratuitas ou, ao menos, com preços razoáveis. Vá a museus e parques, participe de eventos culturais em praças públicas e aproveite para dar valor a artistas locais que fazem apresentações a preços populares, por exemplo.

Além de esse ser um bom corte com gastos supérfluos, você estará contribuindo com a cultura local da sua cidade, conseguindo também expandir seu próprio repertório cultural e social.

6. Evite cair em tentações

Comprar o carro do ano, a calça jeans da nova coleção da sua loja preferida ou aquele celular de última geração: parecem verdadeiros sonhos de consumo que devem ser agarrados a qualquer preço, não é verdade? Errado! Deixar-se levar por um momento de impulso é o caminho mais rápido para se perder em meio a gastos supérfluos.

Na prática, as empresas sempre se aproveitam dos lançamentos para elevar os preços nas alturas. Por isso, entenda: o que acabou de sair do forno é mais caro simplesmente porque é mais novo e não necessariamente porque é melhor.

É claro que você pode querer muito ter um smartphone novo, mas que tal esperar um pouco antes de tomar sua decisão de compra? Aparelhos eletrônicos, por exemplo, podem ter reduções entre 10% e 20% algumas semanas depois de serem lançados, sabia? Então, mantenha a calma, monitorando os preços do produto que deseja comprar e esperando o momento certo para efetivar sua compra.

Percebeu como é muito fácil ter gastos supérfluos? Se você não se cuidar e ter disciplina com o seu dinheiro, dificilmente sairá do vermelho. Mas como essa não é uma realidade em que deseja viver, a dica é seguir as nossas orientações para evitar esse tipo de gasto e manter a sua vida financeira o mais equilibrada possível, certo?

Todos os gastos devem ser planejados, principalmente se você deseja ter uma melhor qualidade de vida. Veja essa planilha anual de orçamento pessoal que preparamos para encarar esse processo com mais economia. Baixe agora mesmo!
cta-planilha-anual-de-orcamento-pessoal
As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.
Mostrar comentários
Leia também
attach_money
Planejamento Financeiro

Economia criativa: você sabe o que é esse conceito? A gente explica!

attach_money
Planejamento Financeiro

Confira 9 práticas e hábitos que vão ajudar você a sair das dívidas!

attach_money
Planejamento Financeiro

Saiba o que avaliar no momento de contratar um seguro