Distrato de contrato de imóvel: você sabe o que regulamenta a nova lei?

Agora o distrato de contrato imóvel está regulamentado por uma legislação. Quer saber mais? Confira nosso artigo!
  • Atualizado em November 17, 2023
  • Publicado em November 17, 2023
  • Seu imóvel

Quando uma pessoa compra um imóvel, certamente não entra no negócio pensando em desistir.

Porém, muitas coisas acontecem no decorrer do contrato e algumas situações podem sair do controle, tornando-se necessário reavaliar a possibilidade de continuar honrando com seus compromissos. Isso pode resultar no distrato de imóvel.

Nesse caso, você sabe o que é um distrato de imóvel, quais são as leis que o regulam e quando é viável optar por ele? Continue a leitura para entender mais sobre o assunto!

O que é distrato de imóvel?

Antes de falar do distrato, vamos abrir um breve parêntese para contextualizar. A compra de um imóvel envolve firmar um contrato entre as partes para resguardar a ambos. Logo, o encerramento de tal contrato ocorre em quatro situações. São elas:

  • se uma das partes descumpre os termos do contrato;
  • se ambas as partes decidem acabar com a relação;
  • se o contrato for cumprido em sua totalidade;
  • se terminar o prazo de vigência.

Nas duas primeiras situações ocorre o que chamamos de distrato de contrato de imóvel. Um dos principais motivos do cancelamento de compra de imóvel no Brasil é em função da inadimplência ou impossibilidade de manter os pagamentos acordados. E a quantidade de imóveis comprados na planta e devolvidos cresceu muito.

Até dezembro de 2018, a questão da devolução dos valores pagos de todos os distratos de imóvel que ocorriam de forma unilateral, ou seja, por apenas uma das partes, em que o processo era decidida judicialmente.

Os impactos eram grandes para todas as partes. Então, no final desse mesmo ano foi aprovada a Lei 13.786/2018, que disciplina a resolução do contrato por inadimplemento do adquirente.

Por quais motivos pode ocorrer o distrato de contrato de imóvel?

Embora o distrato de imóvel não seja a solução que ambas as partes planejaram para a negociação — visto que tanto a construtora quanto o comprador sofrem alguns prejuízos —, é muito importante entender por quais razões essa quebra de acordo pode acontecer.

Essa é a melhor forma de reduzir os impactos do problema no futuro. Veja a seguir quais são os motivos para que o distrato de contrato de imóvel ocorra!

Falta de capital por parte do comprador

Imprevistos podem acontecer e afetar o planejamento financeiro do comprador durante o período de quitação da dívida, levando-o a ter que desistir do contrato por falta de condições para mantê-lo.

Se levarmos em consideração que esse tipo de contrato pode durar até décadas, existem muitas situações não programadas que podem levar um comprador de renda mais limitada a precisar fazer o distrato de imóvel.

Falta de entendimento sobre o contrato

Os contratos de imóveis são conhecidos por serem complicados e exigem muita atenção antes da assinatura. Como constam inúmeras cláusulas e termos jurídicos complexos no documento, é altamente recomendado que o comprador tenha o auxílio de um bom advogado antes de tomar a decisão e fechar negócio.

Contudo, muitas pessoas não leem o contrato de imóvel com a devida atenção ou, ainda, acabam assinando o documento na impulsividade, sem compreender ao certo o nível de responsabilidade com a qual estão se comprometendo.

E essa razão está entre as principais causas do rompimento do acordo por parte do cliente, isto é, o distrato de contrato de imóvel. Lembrando que o comprador pode recorrer a essa opção se tiver como provar que algum item do contrato não ficou bem explicado.

Mudança de rumo de investidores

Não são poucos os casos em que o distrato de imóvel acontece devido à mudança de planos do investidor. Isto é, quando o comprador toma a decisão de usar o capital em outro investimento que julgue ser mais vantajoso.

Essa situação é muito comum com pessoas que investem no mercado imobiliário e acabam adquirindo mais propriedades do que têm condições de continuar pagando a longo prazo. Quando isso acontece, o distrato de contrato de imóvel acaba se tornando a melhor alternativa.

O que é a nova Lei do Distrato imobiliário e qual é a sua importância?

A Lei do Distrato, de 2018, veio para regulamentar os cancelamentos de contratos de imóveis na planta que ocorrem antes do encerramento. Tal legislação é muito importante para o setor, pois até a sua aprovação, na ausência de uma lei específica, era o Judiciário que determinava as multas por distrato, levando a longos processos.

O estabelecimento de regras para distrato de imóvel evita o acionamento da justiça, acelera os acordos e reduz os impactos sobre as construtoras, já que muitas delas ficaram mais duras para os compradores.

Como funciona o distrato de um imóvel após a aprovação da lei?

Conheça as principais alterações que a lei trouxe para essas dissoluções de contrato e como elas impactam cada uma das partes.

Situações em que a lei é válida

É importante entender que a Lei do Distrato não é válida para todos os tipos de imóveis. É exclusiva para contratos entre consumidor e construtora ou incorporadora, ou seja, de imóveis comprados na planta, em que geralmente o comprador começa a pagar as parcelas antes de o empreendimento ficar pronto.

Além disso, inclui os imóveis novos e já entregues em que o financiador continua sendo a incorporadora. No entanto, esses casos são mais raros, pois as construtoras normalmente repassam o financiamento para os bancos após a entrega da obra.

Qual o valor da multa de distrato

Essa pode ser considerada a principal mudança com a entrada da legislação do setor.

Quando não havia regulamentação para os cancelamentos, os percentuais da multa eram definidos judicialmente e costumavam ficar entre 10% e 25% do total pago pelo comprador. Porém, agora, a nova lei de distrato imobiliário estabelece os percentuais de retenção das construtoras de acordo com o tipo de projeto.

Para imóveis incluídos no regime de patrimônio de afetação, a multa pode chegar a até 50% do valor pago pelo comprador.

Nesse sistema, cada empreendimento tem a sua própria contabilidade, e a construtora deverá utilizar ali todo o dinheiro que recebe para investimentos, como as prestações pagas. Fora desse regime, quando o imóvel está em nome da construtora, o percentual é de 25%.

No entanto, nem sempre você receberá realmente esse percentual de volta, já que a lei permite que ocorram algumas outras deduções do valor total que você já havia pago. São elas:

  • comissão de corretagem;
  • impostos reais incidentes sobre o imóvel;
  • cotas condominiais;
  • contribuições a associações de moradores e demais encargos incidentes sobre o imóvel;
  • despesas previstas no contrato.

Contudo, todos esses descontos devem ser limitados ao valor que você efetivamente já pagou à construtora ou incorporadora.

Prazo para receber o valor

Antes da lei, o valor estabelecido deveria ser devolvido imediatamente pela construtora após a decisão judicial.

No entanto, a legislação define que para imóveis com patrimônio de afetação, o prazo é de 30 dias após a liberação do Habite-se. Nos demais empreendimentos, é de 180 dias a partir do cancelamento do contrato.

Revenda e aluguel

A lei permite que o comprador desistente revenda o imóvel. Nesse caso, ele fará a concessão dos direitos e deveres do contrato de financiamento e o novo comprador deverá atender às exigências da construtora, relacionadas à capacidade financeira de arcar com as parcelas restantes.

Quando o comprador já estiver de posse do imóvel ao desistir do negócio, estabelece-se o pagamento de aluguel de 0,5% do valor atualizado do contrato pelo período em que foi disponibilizada a unidade imobiliária.

Além disso, há o pagamento de impostos, taxa de condomínio e demais encargos — o que não ocorria antes da lei.

Tempo de arrependimento

O comprador tem o direito de desistir da compra do imóvel em até 7 dias depois da assinatura do contrato sem que tenha que arcar com nenhum tipo de multa.

Ou seja, ele receberá todos os valores pagos, inclusive a taxa de corretagem, se comunicar a sua desistência dentro do prazo estabelecido e desde que o contrato tenha sido feito fora da empresa (em feiras e stands, por exemplo).

Atraso na entrega

Outra mudança estabelecida pela Lei do Distrato de imóvel está relacionada ao atraso na entrega do empreendimento por parte da construtora.

A empresa terá uma tolerância de até 180 dias de atraso sem que acarrete o pagamento de qualquer penalidade. Porém, caso ultrapasse esse prazo, o comprador poderá optar entre:

  • cancelamento do contrato e devolução do valor total pago e multas no prazo de até 60 dias;
  • na hipótese de entrega do imóvel, ou seja, manutenção do contrato, a empresa deverá indenizar o comprador no valor de 1% sobre o valor efetivamente pago à incorporadora, por cada mês de atraso.

Irretroatividade da nova lei

A aplicabilidade da nova lei é somente para os contratos firmados posteriormente à sua vigência. Para os casos anteriores, ainda são necessárias ações judiciais para que haja acordo entre as partes.

Não é permitido, no Brasil, que uma nova legislação incida sobre contratos firmados antes dela, sob pena de inconstitucionalidade.

Quais são as vantagens e as desvantagens dessas mudanças?

A criação de uma legislação específica para o setor trouxe a vantagem de agilizar os processos de desistência, que passam a ser automáticos e mais rápidos.

Afinal, antes da aprovação dessa lei, era necessário que os interessados buscassem na Justiça os direitos e a restituição dos valores.

Além disso, a lei trouxe mais segurança aos distratos, já que fica claro para ambas as partes os valores a serem negociados. Dessa forma, protege tanto o comprador quanto a construtora.

Por outro lado, os percentuais fixados na nova lei são mais elevados que os anteriormente praticados, o que deixa a desistência mais cara para o comprador.

Sendo assim, é fundamental avaliar corretamente as condições antes de firmar um contrato, bem como a pertinência de se fazer um distrato de contrato de imóvel, quando for o caso.

Como fazer o distrato de um imóvel?

Para finalizarmos, veja algumas dicas sobre como fazer o distrato de imóvel, caso isso se torne necessário.

Leia as cláusulas do contrato com cuidado

Como já mostramos, muitas vezes o distrato de imóvel acontece devido à falta de entendimento do contrato. Ler as cláusulas com muita atenção, ainda que isso tome bastante tempo, é o primeiro passo para evitar entrar nesse problema.

Calcule o distrato

Caso seja inevitável, o cálculo do distrato de imóvel deve ser feito com base no que a lei estipula. Ou seja, a construtora deve devolver 50% do que o comprador pagou no momento do encerramento do acordo, após deduzir impostos, taxa condominial, taxa de corretagem e taxa de ocupação.

Aguarde o prazo de devolução

A construtora terá até 180 dias a partir da data da rescisão, ou 30 dias após a revenda da unidade ou emissão do Habite-se para devolver os valores ao comprador, o que pode ocorrer antes.

Contudo, é necessário ter atenção com possíveis infrações que as construtoras podem cometer contra o comprador.

Uma das principais é o parcelamento da restituição, sendo que a jurisprudência determina que seja feita à vista. Outra questão que pode ocorrer é a retenção indevida de valores.

Como vimos, o assunto do distrato de contrato de imóvel é complexo e, mesmo com a nova lei, ainda pode haver discordâncias entre as partes.

Caso você passe por essa situação, uma das melhores alternativas, para garantir que todos os seus direitos sejam plenamente cumpridos, é contar com o apoio de um advogado especialista.

Como formalizar o distrato de contrato?

O primeiro passo é informar a incorporadora ou construtora da intenção de desfazer a compra do imóvel com base na lei do distrato. Essa questão é importante para que seja possível ao consumidor ter a proposta de distrato de contrato formalizada de maneira escrita.

Assim, você pode optar pelo envio de um e-mail diretamente à empresa, indicando as informações de maneira clara para que aquela possa identificar o seu contrato de venda do imóvel e formalizar as multas que serão aplicadas e o montante a ser restituído.

Como fazer uma carta de distrato de imóvel?

Lembre-se de que o contrato verbal não é um meio indicado para a formalização de um acordo, uma vez que pode causar insegurança jurídica, além de riscos consideráveis.

Sendo assim, há alguns fatores imprescindíveis para a formalização de um distrato de contrato via documento. Você deve mencionar:

  • os motivos de cancelamento do acordo previsto;
  • as obrigações que caberão a cada parte;
  • o tipo de distrato sobre o qual o documento se pautará.

Veja um exemplo a seguir, que pode ser usado tanto em carta quanto em e-mail. Lembre-se de inserir o local e data ao final.

"Eu, ________________ (nome), brasileiro, estado civil, profissão, CPF, RG, adquirente do empreendimento [nome do empreendimento], venho, perante vossa senhoria, requerer proposta de distrato referente ao compromisso de compra e venda que tem como partes [nome do compromissário comprador] e [nome da empresa que consta no contrato] tendo em conta a possibilidade do exercício do arrependimento por parte deste signatário decorrente [apresentar o motivo]."

Idealmente, esse processo deve ser feito já com o apoio de um advogado, pois ele pode indicar as melhores formas de fazer o distrato de contrato de imóvel, tendo em vista os direitos e deveres de cada parte.

Como evitar o distrato de contrato de imóvel?

Evitar o distrato imobiliário envolve um cuidadoso planejamento e consideração de vários fatores antes e durante a negociação e a compra de um imóvel. Confira algumas dicas que podem ajudar a evitar que esse processo ocorra.

  1. Pesquise bem e faça uma escolha cuidadosa: faça uma pesquisa minuciosa do mercado imobiliário e escolha um imóvel que atenda às suas necessidades e orçamento. Avalie a localização, a qualidade da construção, a reputação do construtor ou vendedor, e considere todos os aspectos importantes antes de assinar o contrato.
  2. Avalie as formas de pagamento: na compra de um apartamento, é comum que as pessoas optem pelo financiamento. Contudo, existem outras formas que podem ser interessantes, como o consórcio de imóveis. Vale a pena conferir o que é mais benéfico para você.
  3. Leia e entenda o contrato: avalie atentamente o contrato de compra e venda antes de assiná-lo. Certifique-se de que todas as condições e termos estejam claros e compreensíveis. Se necessário, consulte um advogado especializado em direito imobiliário para esclarecimento.
  4. Tenha uma reserva financeira: mantenha uma reserva financeira adequada para cobrir os principais custos relacionados à compra do imóvel, incluindo pagamento de entrada, impostos, taxas, despesas de manutenção, entre outros.
  5. Planejamento financeiro: antes de se comprometer com a compra, avalie sua situação financeira atual e futura. Certifique-se de que poderá arcar com os custos e encargos relacionados ao imóvel.
  6. Seja transparente: mantenha uma comunicação aberta com o vendedor ou construtor. Se surgirem problemas ou preocupações, discuta-os prontamente e tente chegar a um acordo antes de considerar o distrato.
  7. Solicite avaliação jurídica: caso sinta que há riscos significativos envolvidos na compra, consulte um advogado especializado em direito imobiliário para avaliar o contrato e oferecer orientação legal.
  8. Acompanhamento do processo: esteja envolvido ativamente no processo de compra, acompanhando prazos, entregas e pagamentos. Mantenha registros de todas as transações e comunicações. Certifique-se de que todos os acordos são feitos por escrito.
  9. Conheça seus direitos: familiarize-se com os direitos e obrigações do comprador e do vendedor de acordo com as leis locais relacionadas a transações imobiliárias.

Embora essas dicas possam ajudar a reduzir o risco de um distrato imobiliário, é importante lembrar que imprevistos podem ocorrer.

Como você pôde conferir, o distrato de contrato de imóvel é um recurso ao qual nem a construtora nem o comprador desejam recorrer, já que as desvantagens são claras para os dois lados.

Entretanto, pode vir a ser necessário diante de alguns cenários específicos, como a falta de entendimento do contrato ou de recursos para pagar a dívida.

Este post foi útil para você? Então, aproveite para conferir nossas dicas para fazer a compra de um apartamento na planta!
As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.
Mostrar comentários
Leia também
home
Seu imóvel

Quais as vantagens de morar em apartamento? Confira prós e contras

home
Seu imóvel

Para que serve o habite-se? Como emitir? Tudo sobre o documento!

home
Seu imóvel

Quanto custa a reforma de um banheiro? Como economizar? Veja 7 dicas