Entenda como é feita a correção na carta de crédito de consórcio

Saiba como funciona o processo de correção da carta de crédito para garantir o poder de compra dos consorciados.
  • Atualizado em July 24, 2018
  • Publicado em July 24, 2018
  • Consórcio

Se você pensa em participar de um consórcio, deve estar procurando várias informações a respeito do assunto, certo? Nesse caso, um aspecto que precisa ser conhecido é a correção na carta de crédito e, consequentemente, de suas parcelas.

A ideia é que o participante consiga manter seu poder de compra no momento de sua contemplação. Assim, é possível adquirir o bem de acordo com seu valor reajustado.

Porém, como funciona e em que exatamente consiste essa correção? É o que apresentaremos neste artigo. Então, acompanhe e tenha acesso a mais informações!

O que é a carta de crédito?

Quando você adquire um consórcio, você define qual a finalidade da aquisição (ou categoria), por exemplo, um imóvel ou veículo. Na sequência, você define o valor da sua cota de consórcio, por exemplo, R$100.000,00 para aquisição de um imóvel. Para esse valor se dá o nome de carta de crédito, a qual pode ser o total ou parte de determinado bem. A partir da carta de crédito, é possível comprar um imóvel ou um carro, por exemplo — de acordo com a categoria escolhida no momento da contratação do serviço.

O acesso à carta de crédito pode ser feito por meio de sorteio ou lance. Ao final do plano, se o participante não for sorteado, ele receberá sua carta ao quitar todas as parcelas do consórcio.

Isso não significa que você receberá o dinheiro em mãos. O pagamento do bem adquirido é feito pela administradora diretamente ao vendedor. Ela efetua a transação após o contemplado informar o bem que deseja comprar dentro do segmento/categoria escolhido e que atenda aos requisitos necessários para a liberação do crédito.

O que é a correção na carta de crédito?

A participação no consórcio exige a aquisição de uma cota, que representa um número. Vinculado a ela está determinado valor, que equivale ao bem a ser comprado (integral ou em parte).

Vamos supor que você contratou um plano para adquirir um veículo de R$ 20 mil que, somado às taxas, será dividido em parcelas, que serão pagas mensalmente. Supondo que o bem referencial do plano escolhido é um Uno Mille 1.0 e a montadora reajustou o veículo. Automaticamente, o reajuste da montadora implica na correção da carta de crédito e de suas parcelas. Isso ocorre conforme estabelecido em contrato, o que pode variar conforme o preço fixado pela fabricante do bem ou um índice predeterminado em contrato pela administradora de consórcio.

A correção no valor da carta de crédito é uma forma do consorciado manter o seu poder de compra, afinal, se ele for contemplado na parcela de número 50, por exemplo, a sua carta estará de acordo com o valor do mercado.

Para o consórcio de imóveis, há a atualização anual, a partir da data de abertura do grupo. Os indicadores mais comuns são:

  • Índice Nacional de Custo da Construção (INCC);
  • Índice Geral de Preços do Mercado (IGPM);
  • Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA);
  • Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

Devido a esse reajuste, o valor da parcela também é corrigido.

O cliente terá o crédito corrigido no momento de sua contemplação, mas o reajuste das parcelas ocorrerá durante todo o prazo do plano. Isso ocorre porque o grupo continuará necessitando de recursos para os demais integrantes não contemplados. Nesse momento é válido lembrar que o consórcio funciona como a economia compartilhada, em que todos usufruem de um fundo comum e têm os mesmos direitos e deveres.

Como é feito esse processo?

Como vimos, geralmente, o reajuste do consórcio imobiliário ocorre anualmente, no aniversário do grupo, de acordo com o INCC, mas é possível que ocorra em outro período, dependendo de cada administradora. Já o consórcio de veículos pode ser reajustado mensalmente, especialmente quando for utilizado o reajuste de acordo com a montadora. Essas informações sobre o reajuste devem constar em contrato.

Essa prática é regulamentada pelo Banco Central do Brasil, por meio da Circular 3432, além de ter todas as regras definidas em contrato com a administradora.

Tenha em mente que esse é um benefício ao consorciado, que mantém seu poder de compra.

Para entender melhor o reajuste, imagine a seguinte situação para um consórcio de imóveis: o prazo de duração é de 150 meses, e o valor da carta de crédito é de R$400.000,00. A taxa de administração é de 17% e o fundo de reserva de 2%. Dessa forma, a primeira parcela ficou em R$3.173,33.

Com um reajuste de 8%, por exemplo, o valor da carta de crédito passa para R$432.000,00. Por isso, um ano depois, a parcela (crédito + taxas) é reajustada para R$3.427,20.

Vale lembrar que esses valores são apenas um exemplo.

Como utilizar a carta de crédito?

Assim que o cliente adquire uma cota, ele passa a participar de um grupo. A partir disso, ele é integrado ao sistema e começa o pagamento das parcelas.

Geralmente, o sorteio é realizado de forma mensal, assim como o lance. Algumas administradoras trabalham com sorteios pela Loteria Federal ou, ainda, realizam assembleias on-line.

Já no lance, a ideia é oferecer um percentual do valor total da carta de crédito. Geralmente, quem tiver oferecido o percentual maior de lance tem direito à contemplação ou participa de um sorteio especial, em caso de empate.

Assim, o reajuste da carta de crédito é uma forma de garantir que o consorciado tenha a possibilidade concreta de adquirir o seu bem a partir do poder de compra. Se esse recurso fosse inexistente, poderia haver uma defasagem significativa.

O resultado é a possibilidade de fazer uma compra segura, equivalente a um investimento e sem o pagamento de juros — como vimos anteriormente, existe a cobrança da taxa de administração, fundo reserva e, em alguns casos, de seguro (conforme estabelecido no contrato com a administradora). A correção na carta de crédito também é mais um instrumento que garante ao consorciado a possibilidade de fazer um bom negócio. Lembre sempre de consultar as regras com uma administradora responsável e o contrato vigente de seu grupo.

Ficou com Dúvidas? Procure uma administradora. Dessa forma, você terá acesso a todas as informações sobre as regras do grupo de consórcio e participará de um processo verdadeiramente transparente.

E você, ficou interessado pelo processo de manutenção do poder de compra do consorciado? Saiba mais sobre o assunto lendo sobre os passos para utilizar a carta de crédito do seu consórcio.

cta-carta-de-credito-saiba-como-usa-la-da-melhor-forma
As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.
Mostrar comentários
Leia também
monetization_on
Consórcio

Você já ouviu falar em fundo comum de consórcio?

monetization_on
Consórcio

Você sabe como entrar em um consórcio? Confira este passo a passo

monetization_on
Consórcio

Simulador de consórcio: entenda como é feito o cálculo