Entenda como é feita a correção na carta de crédito de consórcio

Saiba como funciona o processo de correção da carta de crédito para garantir o poder de compra dos consorciados.
  • Atualizado em March 25, 2021
  • Publicado em July 24, 2018
  • Consórcio

Se você pensa em participar de um consórcio, deve estar procurando várias informações a respeito do assunto, certo? E entender exatamente como essa modalidade de investimento funciona é o primeiro passo. Um aspecto que precisa ser conhecido é a correção na carta de crédito e, consequentemente, de suas parcelas.

O objetivo da correção é garantir que o participante consiga manter seu poder de compra no momento de sua contemplação. Assim, é possível adquirir o bem de acordo com seu valor atual. Isso, porque os diferentes tipos de bens passam por reajustes frequentes, assim como a inflação.

O consórcio é um modelo de investimento cada vez mais popular entre os brasileiros. Em 2020, enquanto muitos setores da economia passaram por oscilações por conta da pandemia, o mercado de consórcio bateu recorde em número de adesões, com crescimento de 4,9% em relação ao ano interior.

Para ajudar você que tem interesse em investir em um consórcio, vamos explicar, neste artigo, em que consiste e como funciona a correção da carta de crédito. Acompanhe!

O que é a carta de crédito?

Quando você adquire um consórcio, define qual é a finalidade da aquisição (ou categoria) — por exemplo, um imóvel ou veículo. Na sequência, escolhe o valor da sua cota de consórcio, que pode ser, digamos, R$100.000,00 para aquisição de um imóvel. A esse valor, se dá o nome de carta de crédito, a qual pode ser o total ou parte de determinado bem.

A administradora, empresa responsável pelo consórcio, oferece os planos e realiza a organização dos consorciados considerando os tipos de bem que eles desejam adquirir.

Então, o grupo é formado por pessoas com o objetivo de adquirir um bem em comum — é por isso, inclusive, que o consórcio é considerado o melhor exemplo de economia colaborativa.

O crédito total da cota é parcelado de acordo com o prazo definido para o grupo. Dessa forma, mensalmente, os consorciados pagam suas parcelas até que se acumule o saldo em caixa para contemplar os integrantes com a aquisição do bem. O acesso à carta de crédito pode ser feito mês a mês por meio de sorteio ou lance.

Por sorteio, os consorciados disputam a contemplação da carta de crédito em condições iguais. Por lance, um consorciado pode ofertar um percentual para aumentar suas chances de contemplação. Nas duas formas, a contemplação ocorre em assembleias mensais até o término do plano do grupo.

A partir da carta de crédito, o consorciado contemplado pode comprar um imóvel ou um carro, por exemplo. Mas isso não significa que você receberá o dinheiro em mãos. O pagamento do bem adquirido é feito pela administradora diretamente ao vendedor. Ela efetua a transação após o contemplado informar qual bem deseja comprar dentro do segmento/categoria escolhido e que atenda aos requisitos necessários para a liberação do crédito. Ao final do plano, se o participante não for sorteado, ele receberá sua carta, desde que tenha quitado todas as parcelas do consórcio.

Vale lembrar que o consórcio é uma modalidade de investimento disponível para pessoas físicas e jurídicas. Em outras palavras, empresas também podem aderir ao plano de uma administradora para adquirir de maneira colaborativa um bem, que pode ser um equipamento, um tipo de serviço ou qualquer tipo de espaço.

O dono de uma clínica odontológica, por exemplo, pode aderir ao consórcio para financiar equipamentos de trabalho ou, até, uma nova sala para expandir seu negócio.

O que é a correção na carta de crédito?

A participação no consórcio exige a aquisição de uma cota, que representa um número. Vinculado a ela, está determinado valor que equivale ao bem a ser comprado (integral ou em parte).

Vamos supor que você tenha contratado um plano para adquirir um veículo de R$ 20 mil, quantia que, somada às taxas, será dividida em parcelas a serem pagas mensalmente. Supondo que o bem referencial do plano escolhido seja um Uno Mille 1.0 e que após alguns meses a montadora tenha reajustado o valor do veículo, sendo assim, deverá ser feita a correção da carta de crédito e de suas parcelas.

Isso ocorre conforme estabelecido em contrato, o que pode variar conforme o preço fixado pela fabricante do bem ou um índice predeterminado em contrato pela administradora do consórcio.

A correção no valor da carta de crédito é uma forma de manter o poder de compra do consorciado. Afinal, se um dos membros do grupo for contemplado na parcela de número 50, por exemplo, a sua carta estará de acordo com o valor do mercado assim como estava a daquele que foi sorteado no primeiro mês.

Para o consórcio de imóveis, há a atualização anual, a partir da data de abertura do grupo. Os indicadores mais comuns são:

  • Índice Nacional de Custo da Construção (INCC);
  • Índice Geral de Preços do Mercado (IGPM);
  • Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA);
  • Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

Devido a esse reajuste, o valor da parcela também é corrigido. Dessa forma, o cliente terá o crédito corrigido no momento de sua contemplação, mas deve estar ciente de que o reajuste das parcelas ocorrerá durante todo o prazo do plano.

Isso, porque o grupo continuará necessitando de recursos para os demais integrantes não contemplados. Nesse momento, é válido lembrar que o consórcio funciona segundo os princípios da economia colaborativa, no qual todos os membros usufruem de um fundo comum e têm os mesmos direitos e deveres.

Como é feito esse processo?

Geralmente, o reajuste do consórcio imobiliário ocorre anualmente, no aniversário do grupo, de acordo com o INCC, mas é possível que o processo ocorra em outro período, dependendo de cada administradora. Já o consórcio de veículos pode ser reajustado a cada mês, especialmente quando for utilizado o reajuste de acordo com a montadora.

Essa prática é regulamentada pelo Banco Central do Brasil, por meio da Circular 3432, além de ter todas as regras definidas em contrato com a administradora. O detalhe é que pode haver diferença nos reajustes das administradoras para o mesmo tipo de bem.

Então, como o reajuste da cota acontece com o reajuste no valor das parcelas, é importante verificar se a correção não deixou as parcelas altas demais, em comparação aos valores do mercado de consórcio. Inclusive, esse é um dos pontos indispensáveis a se considerar na hora de buscar por uma administradora.

Tenha em mente que a correção é um benefício ao consorciado, que mantém seu poder de compra quando é contemplado. Para entender melhor o reajuste, imagine a seguinte situação para um consórcio de imóveis: o prazo de duração é de 150 meses, e o valor da carta de crédito é de R$400.000,00. A taxa de administração é de 17%, e o fundo de reserva, de 2%. Dessa forma, a primeira parcela ficou em R$3.173,33.

Quando ocorrer a correção, o novo valor da parcela deve ser calculado considerando o percentual de reajuste sobre o saldo devedor mais as taxas, dividindo o total pelo prazo restante do pagamento da cota.​

Como vimos, assim que o cliente adquire uma cota, ele passa a participar de um grupo. A partir disso, ele é integrado ao sistema e começa o pagamento das parcelas. Geralmente, o sorteio é realizado de forma mensal. Algumas administradoras trabalham com sorteios pela Loteria Federal ou, ainda, realizam assembleias online.

Assim, o reajuste da carta de crédito é uma forma de garantir que o consorciado tenha a possibilidade concreta de adquirir o seu bem a partir do poder de compra. Se esse recurso fosse inexistente, poderia haver uma diferença significativa entre o valor da cota e o custo necessário para realizar a aquisição do bem.

Portanto, a correção na carta de crédito é mais um instrumento que garante ao consorciado a possibilidade de fazer um bom negócio. Lembre sempre de consultar as regras com uma administradora responsável e o contrato vigente de seu grupo.

O resultado é a possibilidade de fazer uma compra segura, equivalente a um investimento e sem o pagamento de juros — como vimos, existe a cobrança da taxa de administração, fundo reserva e, em alguns casos, de seguro, conforme estabelecido no contrato.

Ficou com dúvidas? Procure uma administradora. Dessa forma, você terá acesso a todas as informações sobre as regras do grupo de consórcio e participará de um processo verdadeiramente transparente.

Ainda, como o consórcio envolve muitas etapas e agentes, também vá atrás dos significados dos principais termos desse processo.
As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.
Mostrar comentários
Leia também
monetization_on
Consórcio

Reajuste do consórcio: entenda como funciona e não perca dinheiro!

monetization_on
Consórcio

Parcela de consórcio: como é calculada e como é paga na prática?

monetization_on
Consórcio

Quando fazer consórcios? Veja quando esse investimento é indicado!