Passo a passo para declarar Imposto de Renda em 2024 + dicas

Saiba o passo a passo para declarar Imposto de Renda em 2024! Descubra como cumprir suas obrigações fiscais e prestar contas!
  • Atualizado em April 1, 2024
  • Publicado em April 9, 2019
  • Planejamento Financeiro

Se você busca a praticidade de um passo a passo para declarar o Imposto de Renda em 2024, com as melhores dicas para não errar, finalmente chegou ao blog certo.

Antes de mais nada, saiba que o período de declaração do IR é crucial para todos os contribuintes, pois todos devem prestar contas ao governo sobre os ganhos e o patrimônio auferidos no ano anterior.

Com a chegada do ano fiscal de 2024, é essencial entender o processo de declaração para evitar complicações e garantir a conformidade com as leis fiscais. Por isso, elaboramos um passo a passo para declarar o Imposto de Renda em 2024.

Neste guia, abordaremos, detalhadamente, o processo de declaração do Imposto de Renda 2024, fornecendo orientações claras e práticas para ajudar os contribuintes a navegar com sucesso em todas as etapas.

Da coleta de documentos até o envio da declaração, cada fase será explicada de forma abrangente para garantir uma declaração precisa e sem contratempos.

Prepare-se para explorar este guia prático, que serve como um recurso essencial para todos os que buscam cumprir suas obrigações fiscais de forma eficiente e sem complicações.

Vamos ao passo a passo para declarar seu Imposto de Renda em 2024? Siga conosco para conferir as dicas efetivas!

Como funciona o Imposto de Renda?

Se você quer saber como funciona o Imposto de Renda, tenha em mente que esse é um tributo cobrado pelo governo sobre os ganhos e rendimentos de pessoas físicas e jurídicas, ou seja, de indivíduos e empresas.

No caso das pessoas físicas, ele incide sobre salários, rendimentos de investimentos, aluguéis e outros. Para entender melhor como funciona, vamos explicar os principais pontos.

O que saber antes do passo a passo para declarar Imposto de Renda em 2024?

  • Base de cálculo: o imposto incide sobre a diferença entre a renda total auferida pelo contribuinte e as deduções permitidas pela legislação. Isso significa que nem toda a renda está sujeita ao imposto, pois algumas despesas podem ser deduzidas.
  • Tabelas progressivas: o imposto é calculado de acordo com faixas de renda, com alíquotas que acompanham o aumento da renda. Isso significa que, quem ganha mais, paga uma proporção maior de imposto sobre sua renda.
  • Deduções: existem diversas despesas que podem ser deduzidas do cálculo do imposto, como as médicas e de educação, pensão alimentícia e afins. Essas deduções reduzem a base de cálculo do imposto, ou seja, o valor sobre o qual o tributo é calculado.
  • Fontes pagadoras e retenção na fonte: muitas vezes, o imposto já é retido na fonte, tendo sido descontado diretamente do salário ou de outras fontes de renda antes do dinheiro chegar ao contribuinte. Isso ocorre para facilitar o pagamento e garantir o recolhimento correto do tributo.
  • Obrigatoriedade de declaração: nem todos os contribuintes precisam declarar o IR. Isso depende do valor da renda anual, bem como de outras condições, como posse de bens, investimentos e outros. Existem regras específicas para determinar quem deve declarar.
  • Prazos e formas de declaração: a declaração do Imposto de Renda deve ser feita anualmente, no prazo estabelecido pela Receita Federal. Os contribuintes podem optar por fazer a declaração de forma online, utilizando o programa disponibilizado pela Receita Federal, ou presencialmente em algumas situações específicas.

Esses são os principais pontos sobre como funciona o IR. É importante estar atento às regras e aos prazos estabelecidos pela Receita Federal para evitar complicações e multas.

Quem precisa declarar Imposto de Renda?

No Brasil, nem todas as pessoas físicas precisam declarar o Imposto de Renda, pois a obrigatoriedade varia de acordo com alguns critérios estabelecidos pela Receita Federal.

Abaixo, listamos as principais situações de quem precisa declarar Imposto de Renda obrigatoriamente.

Situações para declaração de IRPF

  • Renda bruta anual: se a renda bruta anual do contribuinte ultrapassar o valor estabelecido pela Receita Federal para o ano-calendário em questão. Esse limite é ajustado anualmente, e para 2024 o valor é de R$ 22.847,76.
  • Ganhos com atividade rural: quem obteve receita bruta anual proveniente de atividade rural superior ao limite estabelecido pela Receita Federal também está sujeito à declaração, mesmo que a renda total não ultrapasse o limite geral.
  • Ganhos de capital e operações em bolsa de valores: se houve ganho de capital na alienação de bens ou direitos, realização de operações em bolsas de valores, mercado futuro ou semelhantes, independentemente do valor da operação.
  • Posse de bens ou direitos com valor acima do limite: se o contribuinte tinha a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a um certo limite.
  • Atividade exclusiva na bolsa de valores: mesmo que os rendimentos estejam dentro do limite de isenção, se a pessoa operou em bolsa de valores, de mercados futuros e afins, independentemente do valor das operações, é obrigada a declarar.
  • Recebimento de benefícios tributáveis ou isentos, cuja soma anual foi superior ao limite de isenção: isso inclui, por exemplo, rendimentos de poupança, aluguéis, pensões e outros.
  • Condição de residente no Brasil com posse de patrimônio: residentes no Brasil que tiveram posse de bens ou direitos, incluindo terra nua, de valor total superior a um certo limite em 31 de dezembro do ano anterior ao da declaração.

Vale consultar a legislação e as orientações específicas da Receita Federal para determinar se há obrigatoriedade de declaração em situações específicas.

E, mesmo que não haja obrigatoriedade, em alguns casos, pode ser vantajoso fazer a declaração para aproveitar benefícios fiscais ou solicitar a restituição de impostos retidos na fonte.

Como calcular o Imposto de Renda?

Sobre como calcular o Imposto de Renda, isso envolve várias etapas e considerações. A seguir, confira uma visão geral simplificada do processo, considerando o cálculo do IR para pessoas físicas, que é o caso mais comum.

  • Determinação da base de cálculo: a base de cálculo do IR é a diferença entre a renda total auferida pelo contribuinte e as deduções permitidas pela legislação. Tais deduções incluem despesas médicas, educação e previdência privada, entre outras.
  • Aplicação das alíquotas: após calcular a base de cálculo, é necessário aplicar as alíquotas correspondentes. O IR é progressivo, ou seja, as alíquotas aumentam conforme a renda. Existem diferentes faixas de alíquotas, lembrando que a tabela é atualizada anualmente pela Receita Federal.
  • Cálculo do imposto devido: depois de determinar a alíquota aplicável à renda do contribuinte, multiplica-se essa alíquota pela parte da renda que se enquadra na faixa correspondente. Esse valor é o imposto devido para essa faixa de renda.
  • Descontos e créditos: o contribuinte pode ter direito a descontos e créditos que reduzem o valor do imposto devido. Isso inclui, por exemplo, o valor retido na fonte, as deduções específicas, como despesas com dependentes, e os créditos por pagamentos de impostos no exterior.
  • Pagamento ou restituição: se o imposto devido for maior do que os créditos e descontos, o contribuinte terá que pagar a diferença. Por outro lado, se os créditos e descontos forem maiores do que o imposto devido, o contribuinte terá direito a uma restituição.

É importante lembrar que existem algumas particularidades e exceções no cálculo do Imposto de Renda, levando em conta a complexidade da legislação tributária.

Por isso, é recomendável buscar a orientação profissional de um contador ou consultar as informações disponibilizadas pela Receita Federal para garantir que o cálculo seja feito corretamente e em conformidade com a lei (compliance).

O que é deduzido do Imposto de Renda?

Diversos itens podem ser deduzidos do Imposto de Renda de pessoa física, reduzindo assim a base de cálculo do tributo devido. Logo abaixo, elencamos alguns dos principais itens que podem ser deduzidos.

  • Despesas médicas: quando se perguntar sobre o que é deduzido do Imposto de Renda, lembre-se de que os gastos com médicos, dentistas, psicólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, hospitais, exames laboratoriais, serviços radiológicos, aparelhos ortopédicos e próteses ortopédicas e dentárias podem ser deduzidos.
  • Educação: despesas com educação própria ou de dependentes podem ser deduzidas, incluindo mensalidades escolares desde a educação infantil até o ensino médio, além de cursos de graduação, pós-graduação, especialização e técnicos.
  • Pensão alimentícia: valores pagos a título de pensão alimentícia em virtude de decisão judicial, acordo homologado judicialmente ou acordo extrajudicial em que haja previsão legal.
  • Previdência social: contribuições para a Previdência Social (INSS) feitas pelo contribuinte como empregado, contribuinte individual, facultativo ou empresário.
  • Previdência privada: contribuições para planos de previdência privada PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) podem ser deduzidas, desde que dentro do limite de 12% da renda tributável.
  • Livro-caixa (para profissionais autônomos): profissionais autônomos que optam pelo regime de tributação com base no lucro real podem deduzir despesas relacionadas à atividade profissional, como aluguel, energia elétrica, telefone e material de escritório.
  • Dependentes: é possível deduzir um valor fixo por dependente, desde que estejam enquadrados nos critérios estabelecidos pela Receita Federal.
  • Contribuição patronal previdenciária: empregadores domésticos podem deduzir a contribuição patronal paga à Previdência Social incidente sobre o valor da remuneração do empregado doméstico.

Essas são algumas das principais deduções permitidas pelo Imposto de Renda. É importante estar atento às regras específicas e aos limites estabelecidos pela Receita Federal, mantendo a documentação adequada para comprovar as despesas deduzidas em caso de fiscalização.

Como fazer a declaração do Imposto de Renda 2024? Passo a passo

Declarar o IR pode parecer uma tarefa complexa à primeira vista, mas, com o conhecimento adequado e os recursos certos, o processo pode ser mais simples do que parece.

Com o passo a passo para declarar o Imposto de Renda 2024, você estará preparado para enfrentar este desafio fiscal com confiança e eficiência.

Antes disso, vale lembrar que a declaração do IR deve ser feita dentro do prazo estabelecido pela Receita Federal, geralmente entre março e abril de cada ano. Em 2024, a entrega do documento acontece entre 15 de março e 31 de maio.

Também é recomendável guardar todos os documentos utilizados na declaração por, no mínimo, cinco anos, pois a Receita Federal pode solicitar a comprovação das informações.

Vamos aos passos práticos?

Veja o passo a passo para declarar o Imposto de Renda 2024

  • Recolha documentos: antes de começar, reúna todos os documentos necessários, como comprovantes de rendimentos, despesas médicas, recibos de educação, entre outros.
  • Baixe o programa ou acesse o serviço online: acesse o site da Receita Federal e baixe o programa "IRPF" (Imposto de Renda Pessoa Física) ou utilize o serviço online "Meu Imposto de Renda".
  • Preencha os dados pessoais: informe seus dados pessoais, como nome, CPF, endereço e demais informações solicitadas.
  • Informe os rendimentos: insira os rendimentos recebidos ao longo do ano, como salários, aluguéis, pensões, benefícios do INSS, entre outros. Utilize os informes de rendimentos fornecidos pelas fontes pagadoras para preencher corretamente esta seção.
  • Informe as deduções: inclua as despesas dedutíveis, como despesas médicas, educação, pensão alimentícia, contribuições para a previdência social, previdência privada e outras.
  • Declare bens e direitos: informe os bens que você possui, como imóveis, veículos, investimentos etc. É importante informar o valor de aquisição e, se houver, o valor atualizado dos bens.
  • Declare dívidas e ônus: caso possua dívidas ou ônus, como empréstimos ou financiamentos, declare-os no documento.
  • Informe rendimentos isentos e não tributáveis: informe os rendimentos isentos ou não tributáveis, como rendimentos de poupança, indenizações trabalhistas e afins.
  • Verifique e envie a declaração: após preencher todos os campos corretamente, verifique as informações e confira se não há erros. Em seguida, envie a declaração por meio do programa ou serviço online.
  • Pague ou aguarde a restituição: se houver imposto a pagar, o contribuinte deve gerar o DARF (Documento de Arrecadação de Receitas Federais) e efetuar o pagamento até a data de vencimento. Se tiver direito à restituição, basta aguardar o processamento da declaração e acompanhar o cronograma de restituições divulgado pela Receita Federal.

O que é restituição do Imposto de Renda?

A restituição do Imposto de Renda é um processo no qual o contribuinte recebe de volta parte do valor que pagou a mais durante o ano fiscal.

Isso acontece quando, após fazer a declaração do Imposto de Renda, verifica-se que ele pagou mais imposto do que deveria, seja por retenção na fonte, pagamentos mensais ou outros meios de recolhimento.

Quando o valor do tributo devido é menor do que o valor que foi retido na fonte ou pago antecipadamente, o contribuinte tem direito a receber a diferença de volta; tal valor é chamado de restituição do Imposto de Renda, que é corrigida pela taxa básica de juros (Selic) até a data do pagamento.

A restituição geralmente é depositada na conta bancária indicada pelo contribuinte durante o preenchimento da declaração do Imposto de Renda. O pagamento da restituição é feito em lotes, seguindo um cronograma divulgado pela Receita Federal, que leva em consideração a data de envio da declaração e outros critérios.

É importante ressaltar que a restituição do Imposto de Renda é um direito do contribuinte, desde que ele tenha pago mais imposto do que o devido. No entanto, é fundamental fazer a declaração corretamente e dentro do prazo estabelecido pela Receita Federal para garantir o processamento adequado e o recebimento da restituição.

Qual o prazo para declarar o Imposto de Renda?

O prazo para declarar o Imposto de Renda varia a cada ano, sendo estabelecido pela Receita Federal do Brasil e divulgado com antecedência.

Em 2024, o período de entrega da DIRPF 2024 inicia-se no dia 15 de março e encerra-se no dia 31 de maio de 2024.

É importante ficar atento aos prazos, pois declarar o Imposto de Renda fora do prazo pode resultar em multa e outras penalidades.

Aliás, é crucial reunir todos os documentos necessários com antecedência para garantir que a declaração seja feita de forma correta e dentro do prazo.

O que acontece se não declarar Imposto de Renda?

Se você não declarar o Imposto de Renda dentro do prazo estabelecido pela Receita Federal, poderá estar sujeito a uma série de consequências. Veja algumas delas!

  • Multa por atraso: o contribuinte que não entregar a declaração dentro do prazo estabelecido estará sujeito ao pagamento de multa, que varia de acordo com o tempo de atraso e o valor do imposto devido. A multa mínima é de R$ 165,74 e pode chegar a até 20% do tributo.
  • Restrições no CPF: a falta de declaração do Imposto de Renda pode levar à suspensão do Cadastro de Pessoa Física (CPF) do contribuinte, o que gera uma série de dificuldades, como impedimento para realizar operações financeiras, abrir contas bancárias, obter empréstimos e participar de concursos públicos.
  • Dificuldades para regularização: a regularização da situação fiscal após o prazo de entrega pode ser mais complexa e demorada, pois o contribuinte precisará pagar a multa devida e apresentar uma declaração retificadora, caso necessário.

A propósito, o atraso na entrega da declaração pode aumentar o risco de ser selecionado para uma fiscalização mais detalhada pela Receita Federal.

Então, agora que você já sabe o que acontece se não declarar o Imposto de Renda, organize-se para cumprir o prazo de entrega da declaração do IR, mantendo a situação fiscal em dia para evitar problemas futuros com a Receita Federal.

Se, por algum motivo, você não conseguir fazer a declaração dentro do prazo, a dica é procurar orientação profissional para regularizar sua situação o mais rápido possível e evitar maiores complicações.

Imposto de Renda para MEI

O Microempreendedor Individual (MEI) é uma categoria empresarial simplificada, que permite a formalização de pequenos negócios. Ele também está sujeito às obrigações fiscais, incluindo a declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF), caso se enquadre em determinadas condições.

Veja algumas considerações sobre o Imposto de Renda para MEI!

  • Declaração do IRPF: se o MEI recebe rendimentos como pessoa física, além dos rendimentos do seu negócio, ele pode ser obrigado a declarar o IRPF. Isso pode ocorrer, por exemplo, se recebe aluguéis, salários de outras fontes ou outros rendimentos tributáveis.
  • Declaração do IRPJ: além da declaração do IRPF, o MEI pode ser obrigado a apresentar a Declaração Anual do Simples Nacional do Microempreendedor Individual (DASN-SIMEI), que é a declaração do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) simplificada para MEI.
  • Isenção de tributação do MEI: cabe ressaltar que os rendimentos do MEI, que são tributados mensalmente via Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS), estão isentos de tributação adicional pelo IR. Contudo, os rendimentos pessoais do MEI, que não estão relacionados diretamente ao negócio, podem ser tributáveis e devem ser declarados, se aplicável.
  • Documentação necessária: o MEI deve manter uma boa organização dos seus documentos fiscais, incluindo registros de receitas, despesas, notas fiscais etc., para facilitar o preenchimento das declarações exigidas pela Receita Federal.

É primordial que o MEI esteja atento às suas obrigações fiscais e busque orientação profissional, se necessário, para garantir que esteja cumprindo corretamente todas as obrigações tributárias. O apoio de um contador pode ser fundamental para garantir a conformidade fiscal e evitar problemas com a Receita Federal.

Dicas para não errar na declaração do Imposto de Renda 2024

Indo além do passo a passo para declarar o Imposto de Renda 2024, veja mais dicas práticas!

  • Organize a documentação: comece reunindo os documentos necessários, como comprovantes de rendimentos, despesas médicas, recibos de educação, informes de bancos e outros.
  • Fique atento aos prazos: esteja ciente das datas de início e término do período de declaração do IR. Planeje-se para não deixar para última hora e evitar multas por atraso na entrega.
  • Use a tecnologia: considere utilizar softwares ou aplicativos de declaração do Imposto de Renda, fornecidos pela Receita Federal ou por empresas especializadas. Eles facilitam o preenchimento e garantem maior precisão nos cálculos.
  • Conheça as deduções permitidas: esteja ciente das despesas dedutíveis que podem reduzir o valor do imposto a pagar ou aumentar o valor da restituição. Informe-se sobre as deduções permitidas, como despesas médicas, educação, pensão alimentícia e assim por diante.
  • Esteja atualizado: fique atento a eventuais mudanças na legislação tributária que possam afetar a declaração do IR. Mantenha-se informado sobre novas regras, limites de dedução e outras atualizações.
  • Evite erros comuns: tome cuidado com omissão de rendimentos, preenchimento incorreto de informações, falta de documentos comprobatórios e outros equívocos que podem ocasionar problemas com o Fisco.
  • Consulte um profissional: se tiver dúvidas ou situações fiscais mais complexas, considere buscar a ajuda de um contador ou especialista em impostos. Um profissional oferece orientação personalizada e assegura que sua declaração seja feita corretamente.
  • Guarde os comprovantes: após enviar a declaração, guarde os documentos e comprovantes utilizados por, pelo menos, cinco anos. Isso é importante caso a Receita Federal solicite alguma comprovação posteriormente.

Gostou do conteúdo? Aproveite a visita ao nosso blog para conferir também nossas dicas de planejamento financeiro. Boa leitura!

As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.
Mostrar comentários
Leia também
attach_money
Planejamento Financeiro

Mudanças no FGTS 2024: tire as dúvidas sobre as novas regras!

attach_money
Planejamento Financeiro

Conheça os melhores destinos para viajar no Brasil em 2024

attach_money
Planejamento Financeiro

Como não gastar dinheiro à toa e se planejar ? Veja + de 15 dicas!