Planejamento Financeiro

Mesada educativa: qual é a importância e como fazer?

A mesada é fundamental à educação financeira das crianças. Veja dicas sobre como calcular o valor para cada idade.

educação financeira é parte fundamental na formação das crianças. Afinal, o dinheiro é a mola que impulsiona a sociedade em que vivemos e nossos filhos precisam aprender a lidar com ele! No entanto, principalmente para os pais de 1ª viagem, a tarefa costuma estar cercada de dúvidas. Devemos adotar a mesada educativa como parte do aprendizado? Como definir seu valor? Ela deve ser oferecida como recompensa?

O objetivo deste post é ajudar a responder as questões mais frequentes sobre o assunto. Continue lendo!

Por que a mesada educativa é importante?

A oferta de uma mesada aos filhos deve ser encarada como parte estratégica da educação financeira, importante para a formação de adultos conscientes no uso de seu dinheiro. A utilização dessa prática gera diversos resultados positivos, como os listados abaixo:

- as crianças aprendem a reconhecer o valor do dinheiro;
- elas se tornam mais inteligentes ao controlar os próprios gastos do que as que não recebem mesada;
- acostumam-se a lidar com a frustração quando a mesada acaba;
- aprendem a estabelecer prioridades e a poupar para um objetivo maior;
- tornam-se mais confiantes ao conversar sobre dinheiro com os pais;
- ao aprender a administrar sua mesada, a criança pratica Matemática, pois tem que fazer cálculos com frequência.

O que os pais precisam se lembrar é de que, para mesada ser educativa, é necessário manter o diálogo com os filhos a respeito da utilização do valor e da responsabilidade que eles devem ter com o uso dos seus próprios recursos. Conceitos financeiros como orçamento, controle de gastos e poupança não só podem como devem ser ensinados desde cedo.

E não se esqueça de que a melhor forma de aprender é vendo os bons exemplos dos pais! Será difícil ensinar boas práticas a seus filhos se sua própria vida financeira anda caótica.

É nessa hora que as crianças devem começar a entender que as conquistas não caem do céu, que eles precisam aprender a administrar sua mesada para terem acesso a seus objetos de desejo — seja um brinquedo, um livro ou uma viagem. Vale ressaltar que os pais também devem se monitorar para não dar dinheiro além do limite imposto.

Como definir o valor da mesada educativa?

A definição do valor ideal a ser oferecido vai depender de diversos fatores que podem variar de família para família. Nos tópicos abaixo, falamos melhor sobre o que deve ser levado em consideração. Acompanhe!

O padrão de vida

Na hora de definir o valor da mesada é importante levar em conta o padrão de vida que a família tem e, obviamente, quanto os pais podem pagar.

Analise o meio em que a criança está inserida. Quais são os hábitos que ela tem com os amigos, quais são os valores que ela já desenvolveu e quais são as coisas que ela gosta de fazer. O ideal é que a mesada permita que seu filho arque com os pequenos gastos do dia a dia sem ficar frustrado por não conseguir acompanhar os amiguinhos em algum passeio, por exemplo.

É claro que há diferenças de poder aquisitivo entre as famílias e isso deve ser ensinado para a criança desde o início de suas vidas. No entanto, se a escola que ela frequentar for de classe média alta, por exemplo, o mais provável é que as referências desenvolvidas sigam esse mesmo padrão.

Acima de tudo, não deixe de considerar as reais possibilidades da família, uma vez que isso também faz parte do ensinamento. Vamos supor que seu filho estude em alguma escola particular porque recebeu uma bolsa. Sem essa ajuda vocês não teriam condição de pagar as mensalidades? Não tenha medo de deixar isso claro! Ensine que a criança deve viver dentro do que é possível sem precisar usar o dinheiro para mostrar seu valor ao mundo.

O destino da mesada

O destino da mesada educativa costuma variar bastante principalmente pela idade das crianças. Quando são menores, o ideal é que o valor pago seja suficiente para cobrir gastos com lazer, brinquedos, lanches e roupas específicas, como a fantasia de algum super-herói. Mas lembre-se de que as necessidades de consumo dos filhos vão crescendo junto com sua idade.

Quando entram na adolescência, por exemplo, os jovens desejam ter dinheiro para ir ao cinema, viajar, comer em determinados lugares e até mesmo sair com namoradas ou namorados. A partir dos 15 anos, portanto, é interessante inserir mais responsabilidade com a mesada educativa.

Nessa fase, vale a pena entregar a conta do celular ou alguns gastos com a viagem de férias, por exemplo, mostrando que é preciso aprender a administrar para fazer o dinheiro render. Os pais devem diferenciar e deixar claro quais são os itens de obrigação familiar e quais serão de obrigação dos filhos, explicando que ele deve aprender a usar seus recursos com base naquele acordo.

A idade da criança

A idade da criança é um fator importante para definir o valor da mesada educativa. Você pode fazer o seguinte cálculo: some 1 real para cada ano de idade, a partir dos 6 ou 7 anos. Está pensando que é muito pouco? Nada disso! Pense que essa é uma fase em que a mesada é usada para que a criança se familiarize com o dinheiro e crie consciência do que é necessário ter para conseguir algo.

Para crianças menores, é bom entregar a quantia em moedas, pois dá a impressão de ser mais dinheiro e facilita colocar uma parte no cofrinho, como poupança. Já para crianças maiores e adolescentes, multiplique a idade por no máximo 3 reais por semana. Assim, um jovem de 15 anos receberia até 180 reais mensalmente. Nesse caso, o melhor é combinar o pagamento coincidindo com o dia em que os pais recebem o salário.

Definido o valor, deixe claro para a criança que ela não vai receber mais nada antes da próxima data combinada. Assim, se gastar tudo de uma só vez, ela descobrirá a frustração da falta de dinheiro, aprendendo a economizar na próxima semana ou mês.

É aconselhável oferecer a mesada como recompensa?

Essa é uma questão delicada. As crianças precisam entender que todos nós temos certos deveres que devem ser cumpridos sem esperar nada em troca. Isso inclui estudar, fazer as lições de casa, obedecer aos pais, comportar-se bem em público, fazer as refeições, entre outros.

Pense bem: não faz sentido pagar para que a criança se sente à mesa e coma direito, por exemplo. Isso pode ensiná-la a exigir dinheiro para atender ao que os pais determinam, o que não é um hábito saudável. Nesse cenário, ela pode passar a fazer chantagem para conseguir o que lhe é negado.

O ideal é que a mesada funcione como o salário é pago para os trabalhadores. Tenha um valor fixo estabelecido, mas ofereça pequenas recompensas quando seu filho fizer algo além das expectativas. Passar de ano, por exemplo, é obrigação do estudante, mas ser o melhor aluno da turma é um bom motivo para ter seu esforço recompensado.

Como ensinar a traçar metas de economia?

Além de aprender a gastar, é fundamental que a criança também aprenda a poupar para atingir um objetivo maior. Abaixo listamos algumas boas dicas que devem ser colocadas em prática. Confira!

Ensine a fazer planos futuros

Incentive a criança a poupar pelo menos 20% da mesada. Explique a ela que o dinheiro não será suficiente para comprar imediatamente a bicicleta ou um brinquedo mais caro, então será necessário poupar para comprar no futuro.

Ofereça um cofrinho de presente

Para os menores, adote o bom e velho porquinho para guardar as moedas. Você também pode reaproveitar uma jarra de vidro ou de plástico com essa finalidade. O ideal é que tanto o cofre quanto a jarra sejam transparentes, pois assim você poderá traçar uma linha por fora para ajudar na visualização da meta a ser alcançada.

Vá a uma instituição financeira

Leve a criança ao banco para abrir uma caderneta de poupança. Aproveite para explicar o que são e para que servem as instituições financeiras. Faça um tour pelo banco, conte o que faz cada funcionário, como o gerente, os caixas e os guardas vigiando a entrada. Mostre como funcionam os caixas automáticos para sacar e depositar. Explique também o que é a caderneta de poupança e como ela faz o dinheiro render.

Deixe a criança decidir

Cabe aos pais ensinar como guardar dinheiro e se planejar para o futuro, mas é bom permitir que a própria criança decida qual será o objetivo da poupança. Para uma criança pequena, poupar para comprar um par de patins pode ser muito motivador. Por outro lado, tentar convencer uma criança de 6 ou 7 anos a economizar para ir para a universidade quando crescer, não vai fazer nenhum sentido nessa fase da vida.

Para concluir, queremos lembrar que só conversar sobre dinheiro não basta para educar, ok? É preciso deixar que as crianças vivam as experiências financeiras na prática. Para isso, a mesada educativa é um instrumento precioso!

E já que falamos tanto em poupança e economia, você conhece o consórcio? Trata-se de uma maneira eficiente de investir no futuro! Leia nosso texto e comece já a conquistar seu patrimônio!

As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.