Despesas fixas: o que são, quais os tipos e como reduzir?

Despesas fixas: neste post, descubra o que são, quais são os principais tipos e como reduzi-las!
  • Atualizado em September 22, 2021
  • Publicado em September 22, 2021
  • Planejamento Financeiro

Despesas fixas e variáveis são todos os gastos que você tem ao longo do mês. No entanto, no caso do primeiro grupo, o compromisso em manter o pagamento em dia é ainda maior, tendo em vista que mensalidades são cobradas.

É por isso que ter um maior controle sobre as suas principais despesas fixas vai ajudar muito a melhorar o orçamento familiar e a garantir uma ótima organização financeira. Só que, para isso, é preciso identificar quais são os gastos fixos e variáveis.

Neste post, vamos mostrar quais são as principais despesas fixas, apresentar estratégias para organizá-las e, ainda, dar dicas de como reduzi-las. Acompanhe e saiba mais!

Quais são as principais despesas fixas?

Para começar, é preciso ter em mente que as despesas fixas são aquelas que você tem o compromisso de pagar todo mês, sem alterações nos valores. Já as variáveis partem justamente da ideia oposta: mensalmente, a cobrança vai de acordo com o consumo, sem haver um valor previamente estabelecido.

Ainda ficou difícil identificar essas diferentes categorias? É mais simples do que parece. As despesas fixas são aquelas como:

  • aluguel;
  • financiamento;
  • condomínio;
  • mensalidade de clubes ou academias;
  • plataformas de streaming;
  • planos de internet e TV;
  • seguros;
  • mensalidade escolar;
  • plano de saúde.

Como organizá-las por tipo?

Nem todas as despesas precisam ser domésticas, percebeu? Dessa forma, é possível organizá-las de diferentes maneiras, como pessoais ou domiciliares, de acordo com a sua finalidade, por ordem de prioridade, entre outras.

A organização mais interessante é pelo tipo da despesa fixa. Assim, você é capaz de identificar o quanto gasta em cada área de sua vida. Por exemplo:

  • moradia — condomínio, aluguel, financiamento, IPTU parcelado etc.;
  • transporte — parcelamento do veículo, IPVA parcelado, seguro, entre outros;
  • saúde — academia, plano odontológico, plano de saúde, entre outros;
  • lazer — clubes, serviços de streaming, TV, internet, entre outros;
  • educação — cursos, mensalidade escolar, entre outros.

Como é possível reduzir as despesas fixas?

Agora vamos à parte que você provavelmente mais esperava: o que fazer para reduzir esses custos e garantir que a sua renda mensal seja otimizada? É sempre possível encontrar formas de economizar mensalmente e aproveitar melhor o seu dinheiro.

Geralmente, o que se fala é sobre a redução das despesas variáveis, como o consumo de água e energia elétrica, os gastos no cartão de crédito, as compras no mercado, entre outras.

No entanto, é possível ter ótimas economias também ao observar os custos fixos e fazer reduções ou cortes. Quer saber como isso é possível? Então, veja só as dicas que preparamos para você!

Analise o seu consumo

O primeiro passo é analisar o que você, de fato, consome e aproveita mensalmente. Já percebeu que alguns serviços são pagos todo mês, mas você até se esquece de utilizá-los? Em determinados casos, é justamente essa falta de atenção que gera gastos maiores do que os desejados.

Suponha que você pague mensalmente a academia, mas falta em diversas semanas, seja por falta de tempo, seja por indisposição. Percebe que esse é um dinheiro que está sendo desperdiçado? Esse é um exemplo clássico, que mais desperta a atenção das pessoas, pois existem diversas soluções.

Uma delas é organizar a rotina para aproveitar melhor os serviços pagos. Assim, você mantém os cuidados com a saúde física e financeira. Outra opção é avaliar os motivos pelos quais você não sente interesse em ir à academia. Às vezes, caminhar diariamente pelo bairro ou fazer o caminho até o trabalho de bicicleta já é uma atividade suficiente para manter o seu corpo ativo, além de ser algo gratuito, que pode combinar mais com as suas preferências.

A ideia é fazer esse tipo de avaliação sobre todas as suas despesas fixas para identificar quais são os serviços que você não está aproveitando como gostaria ou que já não fazem mais parte de sua rotina.

Reveja os planos de TV e internet

Esse mesmo conceito vale quando o assunto são os planos de internet e televisão. TV por assinatura é um serviço muito útil, quando é bem utilizado. No entanto, você tem consumido o que gasta?

Essa é outra pergunta muito válida atualmente, tendo em vista que as pessoas estão dando preferência às plataformas de streaming, que já são outros gastos fixos. Isso faz com que a TV seja deixada cada vez mais de lado, tornando-se uma despesa desnecessária.

Já quanto à internet, você precisa de todo o plano contratado? Conferir o seu consumo mensal de internet também é fundamental para identificar ajustes que podem ser feitos na sua contratação, a fim de não gastar mais do que necessita.

Solicite a redução da taxa de juros de possíveis financiamentos

Você sabia que é possível negociar a taxa de juros de financiamentos? Existem diversas estratégias que podem ser aplicadas, principalmente ao manter os pagamentos dentro do prazo. Por esse motivo, vale a pena entrar em contato com a instituição financeira para verificar as suas possibilidades.

Além disso, é possível realizar a portabilidade bancária, transferindo as dívidas para outra instituição, com melhores taxas de juros. Viu só como é interessante? Por isso, tire um tempo para estudar essas oportunidades e aposte nas negociações.

Troque o plano de saúde

O plano de saúde é outra despesa fixa que tem potencial para ser reduzida. Atualmente, existem várias empresas que oferecem esses serviços, e analisar as diferentes propostas pode ajudar a identificar os planos que oferecem mais vantagens para você e para a sua família.

Essa dica vale ainda mais nos casos em que você já teve problemas com o plano de saúde ou não conseguiu aproveitá-lo da maneira que gostaria. Portanto, tente verificar também a possibilidade de realizar essa troca.

Como visto, existem diversos tipos de despesas fixas. Por isso, analisar cada um deles é importante para identificar o que pode ser melhorado.

No entanto, lembre-se de que o importante é ter uma boa organização financeira e acompanhar de perto todos esses fatores para conseguir reduzir custos mensais!
As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.
Mostrar comentários
Leia também
attach_money
Planejamento Financeiro

Planejamento financeiro para autônomos: 10 boas práticas para realizar seus objetivos

attach_money
Planejamento Financeiro

Reserva de emergência: por que é importante e por onde começar

attach_money
Planejamento Financeiro

Conheça 6 investimentos de baixo risco e saiba qual é o melhor para você