Infográfico

Consórcio x financiamento: entenda qual é a melhor opção

Neste infográfico, mostramos as diferenças e vantagens entre eles para você decidir a melhor opção para seu bolso.

-Consorcio X Financiamento Entenda Qual E A Melhor Opcao-

Quem quer adquirir um imóvel ou um veículo, mas não conta com dinheiro suficiente para fazer uma compra à vista, pode recorrer a duas opções: consórcio ou financiamento.

Essa é uma decisão que envolve diretamente seu planejamento financeiro. Ela depende do tempo que você pode esperar e do quanto está disposto a pagar para transformar seu sonho em realidade.

Saiba como funciona cada opção e faça essa escolha de forma inteligente, sem prejudicar seu bolso! Veja o vídeo que preparamos para você:

O funcionamento do consórcio

O consórcio é uma forma de poupança, investimento e aquisição de bens baseada na união de pessoas físicas ou jurídicas, que formam grupos com objetivos semelhantes.

administradora é a empresa responsável por gerir todo o processo, garantindo que, ao final do prazo, cada membro tenha suas expectativas atendidas da melhor forma possível.

A cada mês, é realizada uma assembleia que atualiza todos os participantes sobre o andamento do grupo e define os contemplados por sorteio e lances daquele período. São esses os membros que vão receber sua carta de crédito para adquirir o que almejam.

Não é possível garantir a contemplação para nenhum participante em algum mês específico. Não há diferenciação entre os participantes, e você pode ser sorteado no primeiro mês ou no último. Se tiver mais urgência na contemplação pode tentar antecipá-la por meio da oferta de lance.

A dinâmica do financiamento

Já o financiamento é uma espécie de compra parcelada, na qual o valor é dividido em um prazo estabelecido por contrato. Você paga uma fração da dívida por mês e, sobre o saldo devedor restante, são cobrados juros periodicamente.

O financiamento envolve algumas exigências, entre elas:

- não ter restrições no CPF no momento da contratação;
- ter um histórico de relacionamento com o banco;
- pagar impostos, taxas e tarifas bancárias inclusas no processo, entre outros.

Dependendo do banco, do bem a financiar e da linha de crédito, há outras condições a serem atendidas.

Diferentemente do consórcio — no qual são os próprios membros do grupo que se autofinanciam — no financiamento tradicional, quem realiza a compra do imóvel ou do veículo é o banco, e a pessoa segue pagando até quitar o valor total da dívida. Ou seja, ele intermedia a realização dos seus projetos, cobrando juros e tarifas pelo serviço prestado e pelo crédito concedido.

As formas de pagamento

As formas de pagamento também são diferentes nas duas modalidades de negócio. Confira, a seguir, as características de cada uma.

Consórcio

O consórcio não exige entrada, e as parcelas são pagas mensalmente, de acordo com o valor e o prazo estabelecidos na hora da contratação. É importante atentar a isso para garantir que esse dinheiro estará disponível no seu orçamento mensal, já que é um compromisso sério assumido a longo prazo.

Os valores variam entre as administradoras, pois o percentual da taxa de administração de cada uma é diferente, e o reajuste das parcelas pode seguir índices econômicos variados.

A taxa de administração é basicamente a remuneração da administradora, usada para manter sua infraestrutura funcionando e permitir a boa gestão dos recursos de todos os consorciados. Além disso, há outros custos envolvidos, que serão explicados logo mais.

Financiamento

O financiamento só acontece se você atender às condições exigidas pela instituição na qual está pleiteando o crédito. A maioria requer que o comprador tenha pelo menos 20% do valor do bem desejado como entrada, que é uma forma de atestar sua disponibilidade financeira.

As taxas e os juros cobrados

O consórcio não tem juros, já que você e os outros membros estão usando seu próprio dinheiro. Há outros custos que, mesmo somados, ainda são uma opção mais viável e econômica que os financiamentos. Entre eles, estão:

- Fundo comum: trata-se do valor que todo consorciado paga para formar um fundo destinado à aquisição de um bem. A contribuição mensal do fundo comum é obtida mediante um percentual sobre o valor do crédito contratado.
- Taxa de administração: é a taxa que o consorciado paga à administradora em função dos serviços que ela presta.
- Fundo de reserva: é destinado a proteger o funcionamento do grupo, cobrindo eventuais inadimplências e outras despesas relacionadas aos consorciados/grupos.
- Seguro: é utilizado para garantir o pagamento das parcelas em caso de morte ou inadimplência do segurado;
- Taxa de adesão: algumas administradoras cobram essa taxa para custear suas próprias atividades.

Basicamente, a taxa de administração e o fundo comum fazem parte da composição das parcelas em todos os consórcios. Já os demais valores podem ou não estar incluídos. Por isso, vale a pena pesquisar para encontrar opções mais vantajosas. Lembre-se apenas de não abrir mão daquilo que garante sua segurança.

Os juros do financiamento podem ser cobrados de diversas formas, dependendo da linha de crédito e do banco. Normalmente, o cálculo é feito com base em uma ou duas tabelas. Veja abaixo quais são elas.

Tabela SAC

Nessa forma de cálculo, a amortização ocorre de maneira constante. Ou seja, todo mês o saldo devedor é recalculado e dividido entre os meses restantes para pagamento. Assim, a prestação decresce com o tempo.

Tabela Price

Nessa modalidade de cálculo, o valor das prestações é fixo, definido no momento da contratação. Cada mensalidade é composta por duas partes: uma relativa aos juros e outra, ao pagamento do principal, que é o saldo devedor. 

No começo do período de pagamento, a maior parte é composta por juros e a menor, pela amortização. Com o decorrer do tempo, essa balança se inverte, mantendo a prestação igual.

As empresas responsáveis

As administradoras de consórcios são as empresas que mantêm esse tipo de operação e, entre suas responsabilidades, podemos citar:

- formar os grupos;
- gerir o dinheiro recebido e escolher as melhores opções para investi-lo;
- organizar as assembleias, sorteios e lances;
- controlar os níveis de inadimplência, entre outros.

Já os bancos oferecem as diferentes opções de financiamento. Eles captam recursos junto ao Banco Central e outros bancos e também utilizam os depósitos de seus clientes para financiar essas operações.

As vantagens do consórcio

Além de oferecer maior economia pela ausência de juros, os consórcios não exigem entrada. Também não há avaliação de crédito imediata, e o cadastro do consorciado é analisado apenas no momento da liberação da carta de crédito. Ou seja, se você precisa de um tempo para resolver eventuais problemas financeiros, pode aproveitar a espera para fazer isso.

Também podemos citar como vantagens a transparência na composição das parcelas (você sabe exatamente o que está pagando) e a grande variedade de opções de prazos e créditos.

Os benefícios do financiamento

Por outro lado, o financiamento permite que você receba o bem de imediato, assim que o financiamento é aprovado. Dessa forma, ele é mais indicado para quem tem pressa na aquisição.

Mas percebe como você pode pagar caro pela urgência? Por isso, falamos tanto sobre a importância do planejamento financeiro.

Agora que você já sabe como ambos funcionam, escolha entre consórcio ou financiamento, avaliando aquilo que traz mais segurança financeira para sua família! Quer saber mais? Então baixe gratuitamente nosso e-book completo sobre o assunto e avalie qual é a melhor opção para você!

Consórcio X Financiamento Entenda A Diferença E Qual É A Melhor Opção Para Você