Quer investir em renda fixa? Conheça as vantagens e os tipos!

Vai investir? Não faça isso sem antes conhecer mais sobre os investimentos em renda fixa.
  • Atualizado em September 29, 2021
  • Publicado em September 29, 2021
  • Planejamento Financeiro

Você certamente sabe da importância de investir seu dinheiro, seja com a intenção de manter uma reserva financeira para socorrê-lo diante de imprevistos, seja para planejar o futuro e ampliar seu patrimônio visando, quem sabe, até mesmo uma aposentadoria tranquila. No entanto, pode ser difícil navegar entre as diferentes opções de investimento do mercado, incluindo as alternativas de renda fixa.

Por isso, se você quer investir em renda fixa com segurança, conhecendo os principais tipos e as vantagens de cada uma das opções dentro dessa categoria, prossiga com a leitura!

Como funciona a renda fixa?

De certa forma, o nome renda fixa é autoexplicativo sobre como funcionam esses investimentos: ao colocar seu dinheiro em uma aplicação do tipo, você terá logo de cara qual será o retorno obtido ou saberá ao menos de que forma ele será calculado. Ou seja, os ganhos serão fixos (ou vão variar muito pouco), independentemente do que aconteça no mercado.

Para isso, um investimento de renda fixa pode oferecer rendimentos calculados com base em um percentual sobre o capital investido ou ainda de acordo com uma série de indicadores do mercado, como juros e inflação.

A partir disso, as aplicações desse tipo são divididas em dois grandes grupos: as pré-fixadas e a pós-fixadas. A diferença entre elas é simples.

Nas aplicações prefixadas, o investidor saberá com precisão quanto dinheiro ele terá após determinado período no momento da aplicação. Já nas opções de renda fixa pós-fixada o rendimento oscila de acordo com o indicador ao qual a rentabilidade está atrelada.

Em outras palavras, se um investimento rende a partir da taxa de juros, a rentabilidade exata só pode ser calculada após saber qual foi o patamar dos juros naquele período.

Nada disso acontece com investimentos em renda variável, nos quais o investidor está exposto às oscilações do mercado de forma direta. Logo, em nenhum momento é possível prever qual será o retorno e pode até mesmo haver prejuízo. Isso se traduz em um risco maior. Um exemplo clássico de aplicação em renda variável são as ações, que sobem e descem de acordo com o desempenho das empresas.

De qualquer forma, a maioria dos investimentos de renda fixa serve para que empresas, instituições financeiras e governos captem recursos no mercado para financiar suas atividades. Em troca, quem investiu recebe seu dinheiro de volta no prazo acordado, com o acréscimo dos juros, que servem como uma espécie de remuneração.

Ou seja, ao investir em renda fixa, na prática, você está emprestando seu dinheiro em troca desse pagamento, que é o que compõe a rentabilidade desse tipo de aplicação financeira.

Quais as opções de renda fixa mais comuns?

Ainda que a dinâmica por trás das opções de investimento em renda fixa seja praticamente a mesma entre as alternativas mais comuns do mercado, nos tópicos a seguir exploramos o que cada uma delas tem a oferecer.

Tesouro Direto

O Tesouro Direto é a plataforma mantida pelo Tesouro Nacional onde são negociados os títulos públicos da dívida federal. Mais cedo dissemos que os investimentos são uma espécie de empréstimo do investidor para quem emite o título, lembra?

Então, ao colocar seu dinheiro nele, você está cedendo o valor para que o Estado brasileiro financie suas atividades, em troca da remuneração paga em forma de juros.

No Tesouro Direto é possível encontrar títulos pré e pós-fixados. Além disso, alguns deles estão atrelados à inflação e outros podem pagar juros semestrais ao investidor.

CDB

Os Certificados de Depósitos Bancários funcionam de forma similar aos títulos do Tesouro Direto. Contudo, eles são oferecidos por bancos, que utilizam esse recurso para captar valores a serem emprestados para seus clientes.

Os CDB são muito seguros, já que o banco só não devolverá o dinheiro caso apresente sérios problemas financeiros e venha à falência. Além disso, os recursos investidos nessa modalidade são garantidos pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC), uma espécie de seguro que ressarce os investidores caso a instituição financeira apresente algum problema de solvência. A cobertura é limitada a depósitos de até R$ 250 mil.

Letras de Crédito Imobiliário e do Agronegócio

Nas Letras de Crédito Imobiliário (LCI) ou do Agronegócio (LCA), o dinheiro captado junto aos investidores financia as atividades desses setores essenciais da economia nacional. Como incentivo, o rendimento dessas aplicações é isento da cobrança de IR.

Por outro lado, esses investimentos costumam exigir um prazo maior para o saque dos recursos depositados. Então, vale ficar de olho sobre quais são seus objetivos em relação ao dinheiro aplicado.

Fundos de Renda fixa

Os fundos de investimento em renda fixa (também chamados de fundos DI) reúnem os recursos de diversos investidores para aplicar o dinheiro em uma combinação de investimentos definidos por um gestor. No caso de um fundo de renda fixa, a maior parte do dinheiro será alocada em aplicações dessa categoria.

Eles exigem um pouco mais de conhecimento do investidor, mas podem ser ideais para quem não tem tanto tempo para acompanhar opções mais complexas. Além disso, é preciso calcular com cuidado os custos dessa alternativa, para que isso não prejudique a rentabilidade.

O que você ganha ao investir em renda fixa?

A principal vantagem de praticamente todas as aplicações em renda fixa é a segurança. Embora não seja nulo, o risco é bem baixo. Isso fornece uma tranquilidade extra para quem não quer tomar sustos ao lidar com seu dinheiro.

Ao escolher um investimento em renda fixa, o investidor tem também maior previsibilidade acerca dos ganhos obtidos, bem como possibilidade de sacar o dinheiro a qualquer momento, na maioria dos casos. Além disso, esse tipo de investimento costuma ter dinâmica simples e não exige grandes quantias para começar, além de estarem disponíveis em praticamente todos os bancos e corretoras.

Dessa forma, a recomendação é não concentrar todos os seus recursos em uma única aplicação. Distribuir seu dinheiro entre diferentes opções, além de reduzir ainda mais a exposição ao risco, ajuda a melhorar os ganhos alcançados, principalmente a longo prazo.

Investir em renda fixa é uma boa opção tanto para quem está começando a dar os primeiros passos no mercado financeiro quanto para quem já está pensando mais a frente e quer formas seguras de planejar seu futuro. Por isso, avalie com cuidado cada alternativa e veja qual delas atende melhor as suas necessidades.

Aproveite para aprender mais consultando nosso vocabulário do investidor, que traz termos essenciais sobre o assunto.
As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.
Mostrar comentários
Leia também
attach_money
Planejamento Financeiro

Planejamento financeiro para autônomos: 10 boas práticas para realizar seus objetivos

attach_money
Planejamento Financeiro

Reserva de emergência: por que é importante e por onde começar

attach_money
Planejamento Financeiro

Conheça 6 investimentos de baixo risco e saiba qual é o melhor para você