Tesouro Direto: aprenda mais sobre esse tipo de investimento

Você já ouviu falar sobre o Tesouro Direto? Leia o nosso post e comece já a investir o seu dinheiro.
  • Atualizado em August 18, 2022
  • Publicado em October 17, 2019
  • Planejamento Financeiro

Entender o que é Tesouro Direto e como ele funciona é muito importante para sua vida financeira. Afinal de contas, esse tipo de investimento tem atraído cada vez mais a atenção dos brasileiros. E não poderia ser diferente, uma vez que ele rende mais do que a poupança, ao mesmo tempo em que traz a segurança desejada pelos investidores de perfil conservador.

Se você já começou a poupar, mas ainda não investiu, está na hora de conhecer um pouco mais sobre as opções e fazer o seu dinheiro render, tanto para ter um fundo de segurança quanto para aumentar o seu patrimônio.

Continue a leitura deste post e saiba mais sobre como funciona o Tesouro Direto!

Saiba o que é Tesouro Direto

O Tesouro Direto é fruto de uma parceria entre o Tesouro Nacional e a BM&F Bovespa com o objetivo de tornar os títulos emitidos pelo Governo, mais acessíveis a todos os investidores.

Por ser considerado um investimento seguro, de baixo risco e com uma boa taxa de retorno, é tido como a porta de entrada dos investimentos. Em 2021, por exemplo, o número cresceu em 25,7%.

Entenda como o Tesouro Direto funciona

O Tesouro Direto funciona como um empréstimo para o Governo que, em troca, paga uma taxa de juros em um determinado prazo de vencimento. Os recursos emprestados e captados pelo Tesouro Direto são direcionados para o financiamento de áreas como educação, infraestrutura e saúde.

O investimento nos títulos públicos é bastante simples, no entanto, é preciso conhecer as modalidades e os rendimentos para aplicar o seu dinheiro da melhor maneira. Além disso, é considerado um investimento de renda fixa e isso significa, na prática, que no momento da compra já é possível saber como será a remuneração se o valor de regaste for efetuado na data combinada.

Ao comprar, se torna indispensável que o prazo de regaste seja bem avaliado para definir se o dinheiro poderá se manter investido até a determinada data. A liquidez, aqui, é diária, porém, se o resgate for realizado antes, fica sujeito a receber um valor diferente do estabelecido inicialmente. A partir disso, a quantia pode ser maior ou menor, pois tudo depende das variações do momento econômico.

Conheça os tipos de Tesouro Direto

Os títulos podem ser prefixados, pós-fixados ou híbridos. A diferença entre eles é que os prefixados apresentam uma taxa combinada no momento da compra. Isso significa que se o comprador optar por um título que rende 10% ao ano, ele vai receber exatamente isso apenas com as taxas descontadas.

Já os títulos pós-fixados funcionam com um indicador de referência e oferecem rendimento com base nele. Então, se for feita a compra de um título atrelado à inflação, o rendimento é correspondente às variações dessa taxa.

Por último, os híbridos têm a parte de remuneração definida no ato da compra e o restante se torna atrelado à variação da inflação. Normalmente, apresentam algum formato de porcentagem adicional para ficar garantido um retorno maior do que a taxa inflacionária.

Vamos mostrá-los de maneira mais detalhada a seguir!

Tesouro Prefixado

Essa modalidade apresenta duas categorias: o Tesouro Prefixado e o Tesouro Prefixado com juros semestrais. Como o próprio nome diz, a taxa de juros de tais títulos são fixadas no momento da compra. O Tesouro Prefixado é altamente recomendável para os investidores que não querem ser pegos de surpresa no final do prazo e apresentam um perfil mais conservador.

O Tesouro Prefixado com juros semestrais apresenta o mesmo comportamento, porém, você receberá o rendimento do período a cada seis meses, não sendo necessário aguardar o vencimento para poder resgatar o seu capital. É uma modalidade indicada para aqueles que não têm certeza se desejam deixar o seu dinheiro "preso" em um investimento por muitos anos.

Tesouro vinculado à inflação

Os títulos vinculados à inflação contam com uma parte de rentabilidade fixa e outra variável. Dessa maneira, você sabe que o seu dinheiro terá, obrigatoriamente, um rendimento fixo e uma parte que se sujeitará a variações ao longo do tempo. Por exemplo: 7% + IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo).

Tesouro indexado à taxa Selic

A rentabilidade do Tesouro Selic é condicionada, como o próprio nome diz, à taxa Selic. É uma das modalidades mais conhecidas, por apresentar baixa volatilidade. Isso significa que, caso você precise resgatar o seu investimento antes do vencimento, não perderá dinheiro. É uma boa opção para quem deseja ter um investimento seguro e com boa liquidez para fazer a sua reserva de emergência.

Aprenda como investir no Tesouro Direto

Desde o surgimento do Tesouro Direto, em 2002, a ideia era democratizar o acesso aos títulos públicos emitidos pelo Governo Federal. Por isso, os trâmites para se tornar um investidor não são tão burocráticos.

O primeiro passo para começar os seus investimentos é abrir uma conta em um agente de custódia, que, em termos mais simples, é a instituição financeira habilitada a operar títulos públicos pelo programa, podendo ser um banco ou uma corretora de valores.

Atualmente, há diversas corretoras. Por isso, é importante que você faça uma boa pesquisa de mercado, analise as taxas, busque indicações e veja principalmente se eles oferecem uma boa assessoria para ajudá-lo a escolher melhor os seus investimentos.

Após a abertura da sua conta, é importante se familiarizar com a plataforma e entender quais títulos são vendidos ali. Muitas vezes, as corretoras de valores ofertam pequenos cursos gratuitos explicando mais sobre os investimentos. Após ampliar o seu conhecimento a respeito do Tesouro Direto e outras possibilidades, defina o seu perfil de investidor.

Taxas e os custos do Tesouro Direto

Para investir no Tesouro Direto é importante conhecer alguns dos custos que tais transações exigem. É cobrada uma taxa de custódia semestral pela BM&F sobre o valor dos títulos, e ela é destinada para cobrir os serviços de guarda dos títulos e das informações e movimentações dos saldos.

Já as taxas cobradas pelos agentes de custódia, ou seja, bancos e corretoras, são livremente acordadas com os investidores. O Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) é cobrado apenas quando o prazo da aplicação for inferior a 30 dias. Por outro lado, o recolhimento do Imposto de Renda (IR) é sempre obrigatório.

Entenda as vantagens e desvantagens do Tesouro Direto

Como dito, o Tesouro Direto é um investimento que tem atraído diversas pessoas nos últimos anos. É considerado seguro e com uma taxa de retorno melhor do que a poupança, por exemplo. A segurança do Tesouro vem do fato de você estar emprestando dinheiro para o Governo, e a chance de ele quebrar, ainda que existente, é mínima.

Logo, mesmo que não seja um investimento protegido pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito), você está fazendo negócio com uma instituição sólida. É ideal para as pessoas que estão começando a montar a sua carteira de investimentos e para aquelas que querem garantir o seu fundo de emergência, uma vez que o Tesouro Direto, embora tenha um prazo de vencimento, apresenta liquidez diária. A seguir, conheça as vantagens desse investimento.

Vantagens do Tesouro Direto

Praticidade

A praticidade na compra dos títulos públicos também deve ser considerada, uma vez que eles são facilmente adquiridos pela Internet, por meio das corretoras de valores. No entanto, uma desvantagem do Tesouro em relação à poupança, por exemplo, é o pagamento de imposto, como explicado acima. Porém, é importante salientar que, quanto maior for o tempo de aplicação do dinheiro, menor será o pagamento do imposto.

Possibilidade de diversificar a carteira de investimentos

Tenha em mente a importância da estabilidade financeira. Quanto mais cedo você se organizar financeiramente, mais rapidamente conseguirá construir o seu patrimônio pessoal. Logo, investir no Tesouro Direto é uma ótima opção para diversificar a sua carteira de investimentos. Vale lembrar que esta não é uma possibilidade apenas para quem tem muita experiência no assunto e altas quantias para investir.

Se trata, na verdade, de uma estratégia inteligente que pode ser seguida por qualquer investidor, independentemente do perfil e do tempo no mercado. Então, descubra seu perfil de investidor e como o Tesouro Direto se encaixa com os objetivos em curto e longo prazo diante das condições do formato.

Acessibilidade

O Tesouro Direto é uma forma de democratizar o acesso aos investimentos. Nesse sentido, o programa oferece alternativas que permitem aplicar a partir de R$ 30,00. São diversas alternativas capazes de agradar a todos os perfis de investidores, com a segurança do resgate na data acordada que traz tranquilidade aos mais conservadores e a diversificação na carteira de investimentos desejada pelos investidores mais arrojados.

Liquidez diária

A liquidez diária faz parte de todos os títulos do Tesouro Direto. O grande diferencial é que o investimento consegue ser transformado em dinheiro novamente de maneira rápida. Na prática, se você decidir que precisa resgatar o valor antes do prazo, o Governo faz a compra de volta e o dinheiro é recebido em até um dia útil. Entretanto, é necessário ter em mente que a taxa de juros prometida consegue ser garantida apenas com a retirada na data de vencimento acordada inicialmente.

Desvantagens do Tesouro Direto

Oscilações

A marcação de mercado é um fator que deve ser considerado quando o assunto é o Tesouro Direto. Esses títulos estão suscetíveis a ela por conta da variação de preços a cada dia. Em função disso, os títulos prefixados e atrelados às variações da inflação sobem ou descem conforme o momento dominante no mercado financeiro.

Mesmo com a liquidez diária sendo uma das principais vantagens dos títulos públicos, o retorno só pode ser garantido quando o regaste acontece na data de vencimento. Em especial no Tesouro Prefixado e no Tesouro IPCA, isso traz uma série de riscos de perdas em resgastes efetuados antecipadamente.

A questão é que quanto maior for o prazo de regaste dos títulos, as oscilações de preço podem ser mais significativas. No Tesouro Selic, por exemplo, não existe tanta vulnerabilidade porque é pós-fixado e o seu processo acompanha a economia de maneira natural, com rendimento diário de 100% da taxa Selic do determinado período.

Taxa de custódia

Existe uma taxa referente à guarda dos papéis de movimentações e informações de cada conta cobrada pela B3, responsável pela custódia dos títulos públicos. Esse tipo de pagamento é feito semestralmente e reflete diretamente sobre o valor total aplicado nos títulos. O que acontece no primeiro dia útil do mês de janeiro e o último do mês de julho.

A data é a do evento de custódia referente ao pagamento de juros, movimentação de venda ou data de vencimento do título. O valor da taxa costuma ser descontado de maneira direta na conta de quem fez o investimento no banco ou na corretora. Agora, vale ressaltar que os investimentos de até R$ 10 mil no Tesouro Selic são isentos do pagamento da taxa.

Entenda o mito sobre a rentabilidade negativa

Muitas pessoas se preocupam com o mito da rentabilidade negativa no Tesouro Direto. Primeiro, é importante compreender que a rentabilidade negativa não significa que o investidor está perdendo dinheiro. Essa possibilidade só se torna real se acontecer a venda do título durante este período.

O principal problema é que as pessoas ficam muito preocupadas com a desvalorização de preço do mercado e acabam optando por vender o título antes do prazo de regaste. Em consequência disso, com a intenção de evitar um prejuízo, essa decisão concretiza a perda de dinheiro.

Assim, quando não existir a urgência de efetuar um resgate antecipado, o melhor caminho é preservar o investimento e aguardar a rentabilidade acordada até a data de vencimento. Outro ponto é que pelo fato de o risco no Tesouro Direto ser inexistente, se o investimento for preservado até a data estipulada de vencimento, o recebimento da rentabilidade definida estará garantido.

Agora ficou claro o que é Tesouro Direto e como ele funciona, o próximo passo é conhecer todas as possibilidades para entender o que mais se encaixa em seu perfil de investidor e tomar boas decisões financeiras. Como mostramos neste artigo, além da segurança envolvida, esse tipo de cuidado traz a possibilidade de começar com investimentos considerados como excelentes oportunidades.

Gostou das informações deste artigo? Então aproveite e saiba mais onde investir em 2022 e aproveitar as melhores opções do mercado.
cta-controle-financeiro-guia-pratico
As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.
Mostrar comentários
Leia também
attach_money
Planejamento Financeiro

Mudanças no FGTS 2024: tire as dúvidas sobre as novas regras!

attach_money
Planejamento Financeiro

Conheça os melhores destinos para viajar no Brasil em 2024

attach_money
Planejamento Financeiro

Passo a passo para declarar Imposto de Renda em 2024 + dicas