Tudo Sobre Consórcio

6 dicas de como se organizar para participar de um consórcio

O planejamento é a chave do sucesso! Saiba como se organizar para tirar o máximo proveito de seu consórcio!

Participar de um consórcio requer planejamento. As vantagens dessa modalidade de investimento são muitas, desde que você tome decisões pensando no longo prazo. Há vários aspectos envolvidos no processo, que dizem respeito ao período antes, durante e depois do recebimento da sua carta de crédito.

Como qualquer investimento de longo prazo, aplicar seu dinheiro em um consórcio implica esperar e ter em mente que esse valor não poderá ser utilizado diante de um contratempo. Ao passar por uma emergência de saúde, perda de emprego ou mudança de cidade, os gastos talvez saiam do controle, e é preciso se precaver contra esses imprevistos.

Para participar de um consórcio sem preocupações e aguardar tranquilamente a contemplação, confira as 6 dicas especiais que preparamos para você!

1. Saiba quanto você pode investir por mês

O primeiro ponto é conhecer seu orçamento. Você sabe qual o valor da parcela que pode assumir sem prejudicar suas contas? É preciso ter uma ideia muito clara desse limite, para evitar apertos financeiros. Portanto, faça um planejamento para os próximos meses considerando gastos como:

- contas mensais normais (aluguel, água, luz e telefone, por exemplo);
- pagamento de crediários, carnês e faturas de cartão de crédito;
- mensalidades de escola, plano de saúde e outros compromissos;
- alimentação e transporte;
- diversão e lazer da família, entre outros.

É comum esquecermos de considerar os pequenos gastos do dia a dia. Tente olhar seu extrato e contemplar todas as despesas comuns que chegam durante o mês. Isso vai tornar sua avaliação mais realista e livre de erros.

Feito? Agora, veja quanto pode ser direcionado para o investimento em um consórcio. O ideal é que, além da parcela, você ainda tenha um saldo extra para montar uma reserva de segurança (nós vamos falar desse ponto mais adiante).

2. Escolha o consórcio mais adequado as suas condições e necessidades

Sabendo quanto pode investir, você já tem uma base para avaliar as opções de consórcios. Há muitas alternativas de prazos, mensalidades e valores de crédito. Assim, encontre aquele que mais se encaixa nas suas contas e que atende às suas necessidades.

Não é aconselhado contratar um valor abaixo do que você precisa. Se, por exemplo, você deseja usar o consórcio para comprar um imóvel que custa R$ 300 mil, como vai arcar com a diferença, caso a carta de crédito seja de apenas R$ 150 mil?

Da mesma forma, não é uma boa escolha investir em um consórcio acima do que precisa apenas porque a parcela cabe no orçamento. Lembre-se que esse é um compromisso assumido em longo prazo e que vai impactar suas finanças durante bastante tempo. É melhor ser cauteloso!

Mas, em todo caso, se no futuro você perceber que precisa alterar para mais ou para menos o valor da sua carta de crédito, e não tenha sido contemplado, não se preocupe. O consórcio tem um certo nível de flexibilidade, e você pode entrar em contato com a administradora para analisar suas opções quanto a isso.

3. Considere possíveis imprevistos

Um dos cuidados que você deve ter, como dissemos, é contratar o consórcio de valor mais adequado as suas necessidades. Isso impacta em outro aspecto: se você gasta todo o saldo de suas contas na parcela, como vai lidar com dificuldades inesperadas?

Ninguém quer que elas ocorram, mas nunca podemos agir esperando apenas em cenários perfeitos. Portanto, separe uma parte do seu dinheiro para lidar com possíveis imprevistos. Assim, você não corre o risco de atrasar suas parcelas e ficar inadimplente, o que pode comprometer o andamento de todo o grupo e os seus próprios planos.

4. Tenha uma reserva financeira

Mas o que fazer com esse saldo extra? Monte uma reserva financeira! Aplique esse dinheiro na poupança ou em outro investimento com alta liquidez (ou seja, que você possa sacar sem demora diante de uma emergência). Deixá-lo embaixo do colchão só vai trazer riscos e desvalorização, já que a inflação reduz o poder de compra do dinheiro.

O ideal é juntar o suficiente para cobrir entre 3 e 6 meses de seu salário. Isso dá uma certa tranquilidade para que você não precise recorrer a empréstimos e financiamentos (que têm juros e podem pesar no bolso), nem atrase o pagamento de suas contas.

O valor que passar dessa meta pode ser usado para abater parcelas de seu consórcio antecipadamente ou dar lances que podem acelerar sua contemplação.

5. Pesquise uma administradora de confiança no mercado

Ninguém investe em algo que desconheça, correto? No consórcio, o pensamento deve ser o mesmo. A administradora é uma peça-chave para o sucesso do seu investimento, já que ela é responsável pela gestão do fundo comum e das finanças do grupo, entre várias outras atribuições. Por isso, escolha um consórcio de confiança.

Antes de fechar negócio com uma empresa, invista seu tempo buscando referências que embasem sua escolha. Você deve considerar aspectos como:

autorização do Banco Central (BACEN) para funcionamento. Ele é a entidade que regulamenta e fiscaliza o setor, e mantém uma lista para consulta pública das administradoras que estão autorizadas a atuar na área;
ranking de reclamações. Da mesma forma, o BACEN disponibiliza uma lista de administradoras considerando os números de reclamações recebidas de seus clientes;
- tempo de mercado. A experiência diz muito sobre uma administradora. Quem se estabelece no mercado durante muitos anos tem bastante conhecimento na área e oferece melhores serviços, prestados por profissionais mais capacitados.

Além disso, avalie o site e as redes sociais da empresa. Quanto mais ela interage com seus clientes e disponibiliza canais de contato, melhor. Isso é sinal de que você receberá a atenção necessária quando precisar esclarecer dúvidas, fazer reclamações ou solicitar serviços.

6. Prepare seu orçamento para a contemplação

Quando você compra um carro, precisa pensar em várias coisas que serão novas na rotina, como manutenção, pagamento de impostos, abastecimento e limpeza. Ao adquirir um imóvel, também há novos gastos. Além disso, nos dois casos, você tem custos com documentação e transferência de titularidade. Já pensou de onde vai sair esse dinheiro?

Portanto, projete seu orçamento para comportar essas novas despesas sem desespero. Caso contrário, a conquista do seu sonho pode acabar não sendo tão bem aproveitada como deveria.

Tomando esses cuidados, você pode participar de um consórcio tranquilamente e usufruir sem medo de suas aquisições. E se está precisando ajustar o orçamento para alcançar esse objetivo, confira nosso post especial que pode ajudá-lo a reduzir gastos!

As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.