Tudo Sobre Consórcio

Você sabe como funciona a parcela reduzida no consórcio?

Já pensou em adquirir um bem de alto valor, sem juros e pagando parcelas reduzidas? Entenda como!

O consórcio é um sistema de autofinanciamento que existe no Brasil há mais de 50 anos e já foi utilizado por milhões de brasileiros para a aquisição de algum bem ou serviço. Regulado e fiscalizado pelo Banco Central, ele funciona como um tipo de compra colaborativa. Pessoas com um objetivo em comum formam um grupo e contribuem mensalmente por um período determinado de forma que, ao longo desse tempo, todos consigam adquirir o bem ou serviço desejado.

O consórcio vem se destacando como um dos melhores instrumentos disponíveis no mercado brasileiro para a aquisição de bens de valores mais elevados. As suas características fazem com que tenha inúmeras vantagens associadas a ele em relação às outras modalidades tradicionais de aquisição parcelada, como:

- valor acessível das parcelas;
ausência da cobrança de juros;
- taxa de administração acessível;
- possibilidade de o consorciado ser contemplado já nas primeiras parcelas.

Além dessas facilidades, existe também a possibilidade de pagar uma parcela reduzida até a contemplação da cota ou até um determinado prazo do plano de consórcio. Essa opção torna a modalidade mais acessível, pois permite a participação com um investimento mensal menor no início do plano.

Continue a leitura deste post para saber como funciona a parcela reduzida no consórcio e como essa opção tem ajudado na realização do sonho de muitas pessoas, permitindo que conquistas que até então pareciam bem distantes, sejam concretizadas de uma forma muito mais fácil.

O plano de parcela reduzida no consórcio é diferente do plano de parcela integral

Quando uma pessoa decide participar de um plano de consórcio, ela passa a fazer parte de um grupo de pessoas, que fazem investimentos regularmente em um fundo, a fim de conquistarem um objetivo financeiro comum: a compra de um bem de alto valor.

Os principais planos disponíveis no mercado permitem adquirir:

- veículos (carros, motos, caminhões, caminhonetes e náuticos);
- imóveis (casas, apartamentos, terrenos, construção e reformas).

Nesse sentido, com o objetivo de viabilizar que mais pessoas tenham a possibilidade de investir em consórcios, os planos de parcelas reduzidas tornaram-se estrategicamente favoráveis nesse mercado, principalmente para os consorciados que estão se organizando financeiramente.

Os participantes que optam pelo plano com parcelas reduzidas ou aqueles que escolheram o plano com parcelas integrais podem fazer parte de um mesmo grupo de consórcio. Essa opção será definida pelo consorciado no momento da adesão. A diferença entre eles será explicada nos tópicos a seguir.

Plano de parcela reduzida

O titular tem a opção de, no momento da adesão ao consórcio, escolher o plano de parcelas reduzidas. Isso significa que ele concorda em investir menos mensalmente até a sua contemplação ou até outro prazo previamente definido no contrato. Após esse prazo, o valor das prestações restantes é recalculado, considerando o saldo devedor e dividindo-o pelo prazo restante do plano. Esse novo cálculo geralmente eleva o valor das parcelas no período final do consórcio.

Resumindo, as parcelas iniciais são mais baixas e as parcelas finais são mais altas. Essa facilidade permite que mais pessoas possam participar dos consórcios, uma vez que viabiliza uma melhor otimização financeira do participante enquanto o crédito adquirido ainda não está disponível.

Plano de parcela integral

Diferentemente do plano de parcelas reduzidas, o de parcela integral não tem abatimento nos pagamentos mensais. Portanto, do início ao fim do contrato, o consorciado paga o valor integral.

A parcela mantém o seu custo ao longo do tempo, apenas acompanhando a correção periódica do valor da carta de crédito do consórcio, cujas regras são previamente definidas no contrato de adesão do grupo.

A redução do valor da parcela contribui para a organização financeira do consorciado

Como falado, optando pelo plano de parcelas reduzidas, o consorciado tem a oportunidade de se organizar financeiramente, enquanto investe um valor menor nos pagamentos mensais do seu consórcio.

O valor da parcela reduzida é calculado no momento da adesão ao plano. Nessa etapa, o novo titular tem acesso a todas as informações financeiras e organizacionais do seu novo consórcio, de forma a planejar corretamente a sua participação naquele grupo.

O participante tem também a oportunidade de conhecer detalhadamente o contrato, de entender as condições de participação no fundo e, então, se programar financeiramente caso opte pelas facilidades da parcela reduzida.

Dessa maneira, se o titular estiver investindo na compra de um veículo para fugir do transporte público, por exemplo, ele poderá viabilizar a participação no consórcio pagando um valor menor inicialmente, enquanto ainda precisa arcar com as despesas do transporte. Pode também se preparar e investir na carteira de habilitação — se for o caso. Quando for contemplado, o aumento das parcelas será compensado pelo término das despesas anteriores, assim ele consegue se adequar mais facilmente à nova realidade de gastos.

Se o bem consorciado for um imóvel residencial a fim de fugir do aluguel, por exemplo, o titular escolhe a parcela reduzida para poder continuar pagando o aluguel enquanto não for contemplado. Após a contemplação, o aumento das prestações será compensado pelo fim do aluguel. Essa facilidade permite também que o participante possa poupar para uma reforma, para a decoração ou para outros tipos de despesas comuns em um imóvel novo, como custos de transferência e registro em cartório.

Outra possibilidade de utilização da parcela reduzida é na abertura de uma poupança com os valores economizados devido aos pagamentos menores. Essa poupança será utilizada na oferta dos lances, uma ótima estratégia para acelerar a contemplação, tornando o consórcio ainda mais vantajoso para o participante.

As parcelas reduzidas não exercem influência sobre a contemplação do consórcio

As contemplações de um plano de consórcio são definidas nas assembleias gerais ordinárias e podem ocorrer de duas maneiras: por meio de sorteio ou lance.

Algumas pessoas, porém, por desinformação, acreditam que o titular que optou por parcelas reduzidas em seu plano de consórcio é desfavorecido em relação àqueles que optaram por parcelas integrais. Isso não é verdade, pois os optantes de ambas as modalidades participam da mesma forma nas assembleias e têm as mesmas chances de contemplação.

Ou seja, as chances de contemplação em um plano de consórcio não dependem da parcela ser reduzida ou integral. Estão, na verdade, relacionadas a outros fatores que viabilizam a participação do titular no sorteio e na disputa por lances, como explicamos abaixo.

Adimplência nos pagamentos das parcelas

Independentemente do valor das parcelas ou das condições do plano, estar em dia com os pagamentos do consórcio garante ao titular o direito de participar de todos os sorteios periódicos até a sua contemplação, além de permitir a oferta de lances. Quem não está em dia com as parcelas não pode ser contemplado nem pelo sorteio nem por meio de um lance.

Além disso, a inadimplência nas contribuições dos participantes de um consórcio faz com que o volume financeiro investido periodicamente diminua, o que pode prejudicar a saúde financeira do grupo. O ideal é que todos sejam rigorosos com os seus pagamentos mensais.

Valor do lance ofertado

O lance permite a antecipação da contemplação e é bastante utilizado pelos participantes dos grupos de consórcio. Geralmente, quanto maior for o lance ofertado pelo titular do plano, maior será a sua chance de contemplação. 

As regras utilizadas para a oferta dos lances são esclarecidas no momento de adesão ao grupo de consórcio, mas geralmente eles podem ser feitos com recursos próprios ou de forma embutida na carta de crédito, com a respectiva redução do seu valor. O titular pode, até mesmo, utilizar o seu FGTS para ofertar um lance, no caso da compra de imóvel residencial que atenda aos critérios definidos para a sua utilização.

Analise o melhor momento para dar um lance 

Cada grupo de consórcio tem as suas características, por isso solicite à administradora um extrato dos últimos lances contemplados do seu grupo, analise qual é a média de parcelas e o número de contemplações mensais do seu grupo. Em seguida, escolha bem a data do seu lance, verifique quais períodos são mais concorridos e quais você terá mais chances. 

Pague por meio lance embutido

Uma alternativa para quem deseja ofertar um lance, mas está com a grana curta, é aderir a modalidade de lance embutido. Com ela, parte do valor da carta de crédito é utilizada para pagar o valor ofertado no lance. Assim, caso o participante seja o contemplado, esse percentual será descontado do valor a receber. E, se não houver contemplação, a carta se mantém intacta. 

A redução de parcelas é uma excelente estratégia para aquisição de bens por consórcio

Há momentos na vida em que as pessoas precisam acelerar o passo para conseguirem chegar mais longe. Os objetivos ficam maiores e mais difíceis de serem alcançados, e o consórcio pode ser um ótimo atalho nessa caminhada, pois as suas diversas vantagens conseguem ajudar as pessoas na conquista desses grandes objetivos.

Como visto, as facilidades do plano de parcelas reduzidas permitem um planejamento financeiro mais flexível por parte dos participantes e criam os meios necessários para que mais pessoas tenham capacidade de participar dos grupos de consórcio. Dessa forma, a aquisição de bens de grande valor, tais como o primeiro veículo ou até mesmo o primeiro imóvel, fica muito mais próxima de se tornar realidade.

Vale ressaltar ainda que o plano de parcela reduzida no consórcio pode ser utilizado para a aquisição de qualquer tipo de bem, independentemente do seu valor. Basta que o participante analise as suas opções e programe adequadamente as suas finanças para desfrutar de todos os benefícios dessa modalidade.

O consórcio como uma alternativa viável e que pode ser adquirida com facilidade

O consórcio é uma ótima forma de começar a pensar no futuro. Por ser uma alternativa prática e viável de adquirir bens de alto valor, qualquer pessoa pode contratar um plano e aproveitar os seus benefícios. Escolhendo uma boa administradora e determinando os seus objetivos, é possível alcançar ótimos resultados. 

Além do mais, o consórcio traz muitas facilidades para quem deseja comprar um imóvel ou automóvel, mas não dispõe da quantia total no momento. Veja quais são: 

- não precisa de entrada;
- não tem juros e sim a taxa de administração, que geralmente tem um valor mais acessível;
- garantia do poder de compra; 
- flexibilidade de pagamento;
- versatilidade do uso do crédito.

Como descrito neste post, a estratégia de redução das parcelas atende muito bem tanto consorciados em fase de reorganização financeira quanto participantes que por outros motivos desejam acesso à carta de crédito investindo menos até a contemplação.

Tal flexibilidade está à disposição de todos, mas nem sempre é bem-vista, seja por desconhecimento dessa modalidade e das suas regras, seja pela preocupação de um eventual reajuste posterior das parcelas.

Por isso, no momento da adesão, o novo consorciado deve esclarecer todas as suas dúvidas sobre a parcela reduzida no consórcio junto à administradora. Dessa maneira, é possível encontrar a melhor opção de plano disponível, de modo que as parcelas sejam acessíveis e permitam que o novo bem seja adquirido sem grandes sacrifícios financeiros.

E você, ficou interessado em planos com parcela reduzida no consórcio? Então, descubra também como são calculadas as parcelas do consórcio.

As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.