Confira 7 dicas de como fazer a troca de piso de um imóvel!

Veja nesta leitura como fazer a troca de piso do seu imóvel sem gerar grandes transtornos. Aprenda com essas dicas!
  • Atualizado em June 22, 2021
  • Publicado em June 22, 2021
  • Seu imóvel

O piso é um material que faz toda a diferença em um imóvel — seja residencial seja comercial, ele precisa estar com boa aparência. Nesse sentido, quando o piso tem muito desgaste, riscos, falta de brilho e, até mesmo, quebras, está na hora mudar o seu pavimento. Principalmente quando se trata de uma construção antiga que precisa de valorização.

Contudo, a troca de piso do seu imóvel requer planejamento. Por isso é interessante disponibilizar uma reserva financeira para que toda a reforma seja feita de modo seguro. Afinal, quando começa o quebra-quebra, podem aparecer imprevistos para fazer no prédio. Não é mesmo?

Veja, nesta leitura, como você pode realizar a troca de piso sem muitos transtornos nesse tipo de reforma. Acompanhe a seguir 7 dicas sobre o tema!

1. Converse com um profissional especializado

Quando o assunto é reforma, a melhor opção para garantir a qualidade da obra e evitar situações desagradáveis é conversando com um profissional especializado. Um arquiteto pode contribuir significativamente com o seu projeto. Mas, caso você não consiga contratar esse tipo de serviço, não deixe de buscar um pedreiro com boas referências no mercado.

Geralmente, todo profissional tem uma área de especialidade ou prática que se destaca no seu trabalho, devido à qualidade da mão de obra e entendimento no assunto. Por isso, para a troca de piso, avalie os trabalhos feitos por esse prestador de serviço para certificar que a entrega ficará como esperado. Inclusive, aproveite para tirar as suas dúvidas sobre a obra.

2. Verifique a condição do piso atual

Apesar da troca de piso ser classificada como uma reforma pequena, ainda assim é possível ocorrer imprevistos. Por isso, para evitar contratempos e reduzir custos, antes de iniciar a sua obra, verifique o estado de preservação do seu chão. Em alguns casos, o pavimento está em boas condições, com poucos riscos e desgastes, dispensando a troca imediata.

Dependendo do material, dá para fazer uma restauração, como no caso do piso de madeira maciça. Essa opção tem uma durabilidade de 10 anos, portanto, caso seja a intenção renovar a madeira, sem trocar cor, essa alternativa é o melhor custo x benefício. Certifique-se se o pavimento tem, pelo menos, dois centímetros de espessura.

Assim, será feita uma raspagem do chão, corrigindo os riscos e quebras. Depois, basta aplicar o verniz novamente. As madeiras de eucalipto, amêndola e tacos não são resistentes à restauração e podem sofrer danos. Portanto, assim como o piso frio, para essas madeiras não há outra alternativa, a não ser a troca.

3. Faça a troca de piso por partes

O planejamento é o melhor caminho para seguir com a sua reforma. Então, caso você faça a obra morando na residência ou esteja com o orçamento apertado, procure fazer a troca de piso por partes, para assim evitar possíveis desconfortos. Defina um cronograma para receber os pisos para cada ambiente, abrigue o material em local adequado e libere o espaço a ser reformado.

Quando o piso a ser instalado for porcelanato ou semelhante, é possível fazer um cômodo de cada vez. Mas, no caso da madeira, é mais difícil separar por partes. Então organize os móveis em locais de menos trânsito, para as pessoas terem espaço de locomoção e para o prestador de serviço trabalhar. Depois de finalizar a instalação dessa parte, basta mudar os móveis e finalizar o restante.

4. Invista na impermeabilização

Para áreas molhadas, como cozinha, banheiro e lavanderia, é necessário reforçar a impermeabilização e trocar o contra piso antes de instalar o novo pavimento. Por isso, ter o acompanhamento de um profissional que entenda do assunto é indispensável, pois ele pode indicar o tipo de impermeabilizante mais adequado às necessidades da sua obra.

Ainda nesse sentido sobre as características da reforma, leve em conta o material utilizado. Alguns revestimentos são pesados e quando é feita a troca de piso em locais como varanda ou laje, é preciso analisar as condições do prédio. Do contrário, a segurança dos moradores da casa ou apartamento e dos seus vizinhos estará comprometida.

5. Evite quebrar o piso antigo

Atualmente, graças às inovações da indústria no setor de construção, a troca de piso pode ser feita sem acumular tanto entulho, causado pela quebra do material antigo. Portanto, alguns revestimentos aceitam a instalação em sobreposição, como no caso do cerâmico que é assentado sobre pavimento original por meio da argamassa.

Outra opção é o piso vinílico, que é emborrachado e também pode ser colocado sobre o piso antigo. Essa alternativa é ideal para locais que precisam de mais higiene, pois não tem junta, o que facilita a lavagem.

Além dessas possibilidades existe o carpete, porém é menos utilizado devido a imagem de acumular ácaro e de difícil limpeza, sendo prejudicial aos alérgicos. Contudo, o mercado também evoluiu com esse material e os carpetes atuais são feitos de fibras que evitam ácaros e são mais fáceis de limpar, se comparado aos de antigamente.

6. Tenha atenção aos desníveis

Para fazer a sobreposição de piso é importante ter muita atenção na aplicação, pois, caso haja algum desnível no chão antigo, isso vai refletir e acentuar no pavimento novo. Portanto, o dono da obra pode optar pelos pisos flutuantes, que amenizam esse aspecto do desnível ou, a melhor opção, investir em uma boa argamassa colante.

Nos pontos em que falta o nivelamento, será necessário aplicar mais argamassa para deixar o piso novo uniforme. Contudo, esse tipo de material para colar é mais caro, mas, no fim das contas, é a solução mais barata se comparado à quebra de piso para instalar o novo.

Outro ponto para ter atenção, quando é feita a sobreposição, é não interferir nos espaços da porta, pois a soleira pode raspar no seu novo chão e riscar.

7. Proteja os móveis

Reformar um ambiente que tem móveis pode ser mais inconveniente pelo risco a danos, poeira acumulada e diminuir o espaço de passagem. Mas, para amenizar esse problema, retire tudo o que for possível para armazenar em um cômodo. Cubra todos os móveis com plástico bolha — pois ajudam na preservação — e feche a porta. Procure colocar um pano embaixo da soleira e nas janelas para amenizar a entrada de pó.

Fazer uma reforma na sua residência ou prédio comercial, seja uma obra grande ou pequena, como troca de piso, requer planejamento e recursos financeiros. Afinal, ela está sujeita a imprevistos e necessidade de materiais de alto custo. Então saiba que você pode contar com um consórcio para reformas e fazer a sua obra com mais tranquilidade e segurança.

Aproveite para ver o nosso artigo com 5 motivos que provam que o consórcio é um bom negócio e se planeje para fazer a sua reforma ou realizar outros sonhos!
As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.
Mostrar comentários
Leia também
home
Seu imóvel

Existe diferença entre reformar e restaurar? Venha descobrir!

home
Seu imóvel

O que é e como posso calcular a variação do INCC?

home
Seu imóvel

9 cuidados para quem tem animais de estimação em apartamento