Planejamento Financeiro

17 truques para administrar o dinheiro e ainda ter uma folga financeira

Quer começar a mudar sua vida financeira hoje mesmo? Confira nossas dicas para ajudar a administrar melhor seu dinheiro!

Você por acaso conhece pessoas que conseguem chegar ao fim do mês com dinheiro na conta e tranquilidade financeira? Não seria ótimo fazer parte dessa turma? Por mais que em um primeiro momento esse objetivo pareça inatingível, a verdade é que basta você se organizar e focar em administrar o seu dinheiro.

É claro que isso nem sempre é fácil, mas pode acreditar: dá sim para aprender a superar as dificuldades a fim de fazer o seu salário durar mais. Assim você agiliza a conquista de grandes sonhos em um futuro mais próximo! Pronto para finalmente trocar de carro ou comprar um apartamento?

Se é isso que você quer, está no lugar certo! Neste post, vamos apresentar alguns truques simples que ajudarão a transformar as suas finanças para sempre, com alguns hábitos que resumem como administrar o dinheiro. Ao longo dos próximos tópicos você vai aprender a:

1. viver um degrau abaixo;
2. pensar no longo prazo;
3. definir objetivos;
4. conseguir descontos;
5. evitar armadilhas financeiras;
6. encontrar alternativas para os gastos;
7. controlar os impulsos de compras;
8. anotar todos os custos;
9. ler sobre educação financeira;
10. estudar investimentos;
11. comprar bens duráveis;
12. falar sobre dinheiro;
13. educar a sua família;
14. evitar compras a prazo;
15. usar a tecnologia a seu favor;
16. aproveitar a economia compartilhada;
17. ter cuidado com o cartão de crédito.

Então vamos lá?

1. Viver um degrau abaixo

Se você está lendo este texto é porque tem interesse em saber como administrar melhor o seu dinheiro. E, para isso, você precisa aplicar a regra inviolável do mundo financeiro: gastar menos do que se ganha. O problema é que nem sempre conseguimos garantir que isso aconteça, não é verdade? Mas essa história acaba agora, porque tudo muda com esse truque. A partir de hoje, você vai encaixar todo o seu padrão de vida um degrau abaixo da sua renda.

O que isso significa na prática? Vamos supor que o seu salário seja de R$4 mil por mês. Nesse caso, a soma dos seus gastos não deve ultrapassar um máximo de R$3.600. Dessa forma, você garante que sempre sobrará ao menos 10% da renda — ou mais, se você desejar e for possível, claro.

Esse valor deve ser usado para realizar investimentos. Para alcançar tal feito, organização e foco são palavras-chave. Por isso, calcule as suas contas fixas e pague-as assim que o seu salário cair em sua conta-corrente. Para garantir que o dinheiro que deve ser reservado para a poupança não será gasto com outra coisa, tire-o logo do seu alcance.

2. Pensar no longo prazo

Mas por que é tão importante assim poupar parte do seu salário? Pense bem: é essa quantia que vai ajudar você a realizar os seus planos no longo prazo. Lembre-se de que aquisições de bens de valores altos não são imediatas. Muito pelo contrário, é preciso se planejar para elas.

Você pode não conseguir se mudar para uma casa maior ou pagar um intercâmbio hoje, por exemplo, mas com um esforço mais prolongado é sim possível juntar o valor necessário. Por isso, não restam dúvidas: vale (muito) a pena adaptar as suas finanças para pensar no futuro.

A organização financeira também faz você economizar. Se você não conta com uma reserva para adquirir patrimônio, estará sempre sujeito aos juros e taxas do mercado, pagando muito mais pelo bem do que deveria, além de não conseguir barganhar preços melhores no momento da compra.

3. Definir objetivos

Se você está pensando sobre como administrar o seu dinheiro da melhor maneira, saiba que definir objetivos claros é uma das estratégias mais interessantes.

Quando o assunto é planejamento para o futuro, é preciso traçar metas específicas. Afinal, comprar o carro dos sonhos pode nunca virar realidade se você não considerar passos fundamentais, como conhecer o valor necessário, definir em quanto tempo quer juntar o dinheiro e levantar as estratégias para isso.

Tudo isso transforma o que era apenas um plano em um objetivo de fato. Mas é importante que a meta seja realista, ok? Sonhar com objetivos que ultrapassem demais as suas possibilidades financeiras pode ser bem frustrante, a não ser que você faça de tudo para realizá-las.

Separe os seus objetivos em categorias de curto, médio e longo prazo e organize o seu dinheiro de acordo com elas. Não precisa guardar todo o seu rendimento para comprar a casa própria, por exemplo, pois sabemos que durante o percurso outros desejos, como viajar nas férias ou comprar um presente legal para alguém, também podem ocorrer.

4. Conseguir descontos

Embora alguns achem que não, a verdade é que essa é uma tática bastante utilizada por pessoas que sabem muito bem como administrar o dinheiro. Quem valoriza a sua renda sempre procura por abatimentos em serviços e compras. Você já tentou fazer isso?

Se você fizer as contas, logo vai ver que mesmo descontos considerados pequenos, como taxas bancárias ou anuidade do cartão de crédito, podem fazer uma diferença significativa em um ano. Abater qualquer valor no preço de serviços básicos, como internet, educação e manutenções do carro, também podem fazer o seu salário render mais.

5. Evitar armadilhas financeiras

Existem algumas práticas ou opções que são verdadeiras armadilhas para um orçamento saudável. Fazer empréstimos, entrar em financiamentos e usar o cheque especial, por exemplo, são hábitos que o colocam para pagar juros que poderiam ser evitados.

Além disso, é importante aprender a driblar desejos que podem atrapalhar o seu planejamento financeiro. Trocar de carro antes do tempo, por exemplo, pode desequilibrar as suas finanças.

6. Encontrar alternativas para os gastos

Por mais que não seja possível conseguir descontos em algumas despesas, há outras formas de diminuir os gastos. Você já procurou saber de alternativas que valorizem mais o seu dinheiro, como hotéis com um melhor custo-benefício nas suas férias?

Ou que tal substituir as saídas com amigos a restaurantes para reuniões em casa? Quanto aos programas em família, por que não aproveitar opções gratuitas ou com menos custos, como um piquenique no parque?

7. Controlar os impulsos de compras

A compra por impulso é um dos principais fatores que atrapalham quem quer aprender a administrar o dinheiro. Aqui, não tem jeito: é preciso se controlar. Uma boa dica nesse sentido é planejar as compras e sempre esperar alguns dias antes de efetivamente adquirir o que você está desejando.

Será que aquele novo acessório para o carro é mesmo necessário? Você pesquisou os custos, procurou pela melhor opção e tem certeza de que não vai se arrepender da compra? Deixar passar dois ou três dias antes de fechar negócio é uma ótima maneira de saber se aquilo é realmente importante para você ou se seria somente mais um gasto impulsivo.

8. Anotar todos os custos

Anotar os custos é a melhor estratégia para acompanhar as suas finanças e controlar o seu dinheiro. E é bem fácil fazer isso usando aplicativos de gestão financeira, viu?

Registrando a sua renda e todas as suas despesas mensais, você consegue avaliar as movimentações por categoria. Isso ajuda a entender como o seu salário está sendo gasto e o que pode ser aperfeiçoado no seu orçamento.

9. Aprender sobre educação financeira

Qualquer que seja a área, o conhecimento vai sempre gerar um valor incalculável. Pensando nisso, que tal acompanhar publicações sobre educação financeira? Aproveite as dicas de especialistas e estudiosos no seu dia a dia!

Atualmente a internet tem democratizado cada vez mais o conhecimento. Logo, se você acha que está sem tempo, pode ouvir podcasts enquanto se desloca para o trabalho, por exemplo. Caso você ainda goste de ter a sua própria biblioteca, também pode adquirir livros sobre o assunto e até mesmo fazer cursos de finanças pessoais.

10. Estudar investimentos

Quem aprende como administrar o dinheiro descobre que são diversas as alternativas de investimentos para fazer qualquer quantia render. E por mais que muitos brasileiros ainda estejam presos à poupança, saiba: é possível obter maiores rendimentos em outras opções tão seguras quanto a caderneta.

Portanto, estude e aprenda como construir aos poucos a sua carteira de investimentos, mesclando opções mais conservadoras com aquelas mais arrojadas, quando você se sentir seguro.

11. Comprar bens duráveis

Ir a um bom restaurante, viajar para uma cidade bacana e ter roupas de marcas famosas são experiências interessantes, mas já parou para pensar que esses gastos não compõem o seu patrimônio? O ideal é investir em bens duráveis, que além de serem seus por muito tempo, ainda podem ser usados como fonte de renda.

Comprar um carro, uma casa ou um sítio, por exemplo, é uma escolha melhor que gastar todo o salário em itens supérfluos. Mas lembre-se de que pagar juros por isso não é o ideal. Aí entra uma alternativa muito vantajosa para adquirir bens de maneira planejada: o consórcio.

12. Falar sobre dinheiro

Normalmente, esse não é um hábito visto com bons olhos. Você já reparou que muitas pessoas agem como se dinheiro fosse um tema proibido? Amigos não gostam de dizer o quanto ganham, casais escondem gastos um do outro, colegas de trabalho não compartilham as suas conquistas materiais. Parece que falar sobre o assunto atrapalha. Mas é exatamente o contrário.

Pessoas próximas podem ter boas dicas sobre como lidar com as finanças. Sem falar que você mesmo pode ajudar os outros com o conhecimento que já tem. Quebrar o tabu em torno dessas conversas é essencial para quem deseja aprender cada vez mais.

13. Educar a sua família

Você já tentou fazer dieta no Natal enquanto toda a família está em polvorosa para comer as comidas gostosas da ceia? É bem difícil resistir as tentações, não é?

A mesma coisa acontece quando você é o único interessado em guardar dinheiro, enquanto as outras pessoas ao seu redor ainda não despertaram a consciência financeira.

Logo, eduque a sua família para poupar junto com você e desmistifique a figura do mão de vaca ou pão-duro. Você ainda pode ter uma vida tranquila, fazer as coisas que gosta e aprender a economizar ao mesmo tempo.

Um truque para envolver todos no mesmo objetivo é traçar metas em comum. Quando o seu companheiro ou companheira, filhos e outras pessoas ao seu redor perceberem os benefícios de administrar bem o dinheiro, com certeza se empolgarão junto com você.

14. Evitar compras a prazo

O mercado já percebeu que a possibilidade de parcelamento atrai consumidores que muitas vezes pensam apenas no valor da parcela e nunca no quanto já estão devendo no cartão de crédito ou nos crediários oferecidos pelas lojas.

Portanto, não seja mais um a cair nessa armadilha e evite a todo custo compras a prazo. Se a sua organização financeira estiver em dia, até mesmo aqueles gastos imprevistos podem ser pagos à vista, sem a necessidade de carregar dívidas de um mês para o outro.

15. Usar a tecnologia a seu favor

Se você acordou um belo dia e pensou em como fazer para administrar o seu dinheiro da melhor maneira, saiba que a tecnologia é uma ótima aliada nessa tarefa.

Como falado, atualmente há diversos aplicativos de organização financeira, que categorizam os seus gastos, criam gráficos, mostram em que você está gastando mais e o quão longe ou perto estão os seus objetivos — e tudo isso com apenas um ou dois cliques.

Há ainda os bancos digitais, que embora não tenham agências físicas e diversos serviços que os bancos tradicionais oferecem, também não cobram tarifas e podem ser uma boa escolha para você.

16. Aproveitar a economia compartilhada

Outra novidade que a tecnologia e a modernidade trouxeram e que pode ser muito útil é a economia compartilhada. Com ela, você não só diminui os seus gastos como também pode fazer uma renda extra.

Em linhas gerais, a economia compartilhada é baseada na troca e compartilhamento de acesso a produtos, serviços e conhecimento, tudo isso, é claro, com uma ajudinha das plataformas digitais.

Alguns dos exemplos famosos, são o Waze, o Airbnb e a Netflix. Mas como você pode utilizar tal prática na sua vida para garantir uma reserva financeira?

Vai viajar de carro e tem algum lugar sobrando? Ofereça carona no Bla Bla Car, um aplicativo francês de carona que tem conquistado a cabeça dos brasileiros. Dessa maneira, você recebe uma ajuda para arcar com o combustível e pedágio, e o caroneiro também economiza.

Você ainda pode oferecer carona para o trabalho, por exemplo, fazendo uso do aplicativo Waze Carpool. Tem um quarto sobrando na sua casa? Alugue-o no Airbnb e aproveite para fazer uma renda extra.

Enfim, há milhares de possibilidades que podem facilitar a sua vida e ajudar a economizar dinheiro, que pode ser utilizado para novos investimentos.

17. Ter cuidado com o cartão de crédito

Embora o cartão de crédito seja apresentado como um vilão, não vamos falar para você evitá-lo a todo custo, mas sim aprender a usá-lo. Quando bem utilizado, ele pode ser um aliado para administrar o seu dinheiro e ainda garantir algumas economias.

O segredo é ter bom senso e não ceder à tentação de gastar sem se preocupar com o dia de amanhã, pois uma hora ele chega e uma fatura fora da sua realidade financeira pode estragar todos os seus planos. Em hipótese nenhuma atrase o pagamento ou pague apenas o mínimo, uma vez que os juros aplicados pelas operadoras são altíssimos.

Por outro lado, os cartões de crédito são excelentes opções para ajudá-lo a conseguir descontos. Escolha um com programa de milhagem e troque por passagens aéreas, por exemplo. Dessa maneira, você terá um bom desconto quando sair de férias.

Esses 17 truques são grandes estratégias para você saber como administrar o dinheiro da melhor forma possível. E por mais que colocar tudo isso em prática possa não ser tão simples no início, os resultados fazem valer a pena.

E então, quer continuar estudando sobre o assunto para mudar sua forma de lidar com o dinheiro? Aproveite para baixar nosso guia do planejamento financeiro para ter sucesso!

Guia do planejamento financeiro para ter sucesso

As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.