7 sinais de que chegou a hora de vender itens usados

Está com a sensação de que tem muita coisa em casa? Veja alguns sinais de que chegou a hora de vender itens usados.
  • Atualizado em May 20, 2020
  • Publicado em October 4, 2018
  • Sustentabilidade

Chega um momento da vida em que a gente percebe que está com muitas coisas. Parece que a casa está lotada e que nem existe um local para guardar todos os objetos. Quando essa sensação aparece, não duvide: é hora de pensar em vender itens usados.

Essa é uma prática cada vez mais comum entre as pessoas. Afinal, tem tudo a ver com a ideia de praticar atitudes sustentáveis e com a economia compartilhada. Assim, você reaproveita o que tem e garante um dinheiro extra, que ajuda a reforçar sua renda.

Mas como saber se móveis, calçados, peças de vestuário, acessórios de decoração e outros objetos já deveriam estar em outro lugar? A dúvida é tão comum que nós resolvemos ajudar.

Continue com a gente neste post e confira 7 sinais evidentes de que você precisa pensar seriamente em vender itens usados e renovar o ambiente!

1. Mudança de hábitos

De vez em quando, começamos a refletir sobre nossos comportamentos e pensar se realmente precisamos de tudo que temos. É comum termos coisas que foram adquiridas pois no momento pareciam legais, mas nunca foram utilizadas. Por exemplo: um sapato colorido, uma bolsa diferente e, por que não, uma roupa esportiva para praticar alguma atividade física.

Esse é o momento perfeito para ganhar uma renda extra. Para isso, procure todos os itens que têm valor monetário e podem ser comercializados, como mobiliário, utensílios, objetos pessoais, roupas, equipamentos, entre outros.

Tire fotos de todos eles a partir de diferentes ângulos e defina um preço razoável para cada artigo. Faça uma descrição e a publique em uma loja virtual, no seu perfil de uma rede social ou em um site especializado — caso dos brechós online.

Essa mudança de hábitos é válida para enfatizar a relevância do consumo sustentável, melhorar as finanças pessoais e ainda ajudar outras pessoas. Vale a pena colocar essa ideia em prática durante uma mudança de residência ou uma limpeza e reorganização.

2. Excesso de itens guardados

Está sem espaço nos armários? Repense e venda alguns itens que já têm pouca serventia. Você pode usar diferentes estratégias para definir essa questão. O importante é considerar algo que faça sentido para você.

Tenha em mente que, nesse caso, o objetivo é aumentar a disponibilidade de espaço. Então, que tal listar os itens que já não cabem ou que são desnecessários para a sua vida? Aproveite e divulgue para amigos e família a um preço bom. Assim, você tem a chance de reforçar a renda, cobrir despesas extras e praticar o desapego ou até o minimalismo.

Reveja também os presentes recebidos, itens comprados e acumulados durante os anos. Se eles ainda estiverem na embalagem, venda. Se foram desnecessários por um tempo considerável (1 ano, por exemplo), comercialize.

Esse dinheiro a mais pode servir para pagar dívidas, formar uma reserva de emergência ou reforçar a entrada para a compra de um carro ou apartamento. No entanto, saiba que nem tudo pode ser vendido. Esse é o caso de roupas velhas e estragadas, além dos móveis defeituosos.

Lembre-se, portanto, de que todos os itens devem estar em boas condições e ser úteis por um tempo maior. Caso venda um objeto problemático, você corre o risco de, em vez de resolver um problema, gerar outro.

Afinal, o comprador terá todo o direito de reclamar. Uma das consequências pode ser a necessidade de devolução de um dinheiro que, talvez, já tenha sido gasto em outro lugar. Dito isso, evite surpresas desagradáveis e revise o estado de tudo o que pretender revender.

3. Sensação de que está se tornando um acumulador

Você já assistiu à série Acumuladores Compulsivos? Disponível no canal A&E, ela apresenta casos de pessoas que estão em uma situação bastante complicada devido ao fato de guardarem absolutamente tudo, desde itens colecionáveis até coisas que deveriam ser jogadas fora, como um canudo.

Em níveis mais leves, esse distúrbio é simples de ser solucionado. Mas existem casos — como os apresentados no programa — em que a pessoa vive no meio do lixo e sem qualquer qualidade de vida. É verdade que sua situação deve ser diferente, mas que tal praticar o desapego e deixar de acumular itens supérfluos?

Veja abaixo alguns exemplos de itens que podem ser comercializados pela internet:

  • livros;
  • roupas e sapatos;
  • eletrodomésticos;
  • utensílios em geral;
  • móveis.

Entre as vantagens dessa prática estão a possibilidade de movimentar suas coisas, aumentar seu espaço em casa, recordar algumas lembranças, ganhar um dinheiro a mais e até rever os amigos em uma reunião para desapego.

4. Troca de estilo

Em se tratando de itens usados, peças de vestuário e pares de sapatos costumam ser os primeiros a serem dispensados pelas pessoas. Ocorre que, na prática, nem é preciso esperar o inverno para pensar em se desfazer daquela jaqueta que você já não usa há um bom tempo.

Sim, existe um ar de nostalgia que tende a nos impedir de passar determinados objetos pessoais adiante. Mas observe com atenção. Em muitas circunstâncias, trata-se de peças de roupa de uma época em que seu estilo era outro.

Se você guarda itens por mero valor sentimental, precisa rever esse hábito, principalmente se a quantidade for excessiva. Quanto maior o volume de coisas antigas no guarda-roupa, por exemplo, menor será o espaço para a inclusão das novas.

Será que é vantajoso alimentar uma nostalgia mesclada ao sentimento de frustração do presente? Sem dúvida, a melhor solução se encaminha para o equilíbrio. Em outras palavras, você não precisa se desfazer de tudo. Contudo, é importante que você analise todos os itens pessoais que tem no momento e pergunte para si mesmo se eles ainda representam quem você é.

Ao filtrar tudo aquilo que for incoerente com sua nova realidade, você tem a oportunidade de abrir espaço para se expressar melhor. Nunca é demais salientar que nós somos o que vestimos. Por sinal, esse é um ótimo ponto de partida para avaliar o que será preservado ou excluído.

5. Mudança de ares

Com base no mesmo raciocínio anterior, os cômodos da sua casa ou apartamento também merecem um olhar mais apurado. Em alguns casos, você concluirá que chegou a hora de trocar de casa. Em outros, pode descobrir uma solução alternativa. Muitas vezes, uma revisão atenta do próprio lar revela um alto número de objetos que, se não são totalmente inúteis, com certeza não fazem falta.

Somam-se a eles alguns itens usados para decorar os ambientes, como certos quadros que nem combinam com a mobília da sala. Com uma generosa dose de criatividade, você perceberá que é perfeitamente possível dar vida nova a todos os espaços da sua residência. Observe que você nem precisa mudar tudo ao mesmo tempo.

A esta altura, é provável que você esteja pensando sobre o gasto vinculado a essa redecoração. Essa é a melhor parte: o dinheiro pode ser conquistado por meio da venda dos itens que não interessam mais. Ao término, você terá muito mais conforto em casa.

6. Oportunidade de participar de bazares

Apareceu a chance de estar presente em um bazar de utensílios usados? Então, aproveite a oportunidade para comercializar os itens que já deixaram de ser usados com frequência. Com uma boa apresentação dos produtos à venda, você amplia o interesse por eles e, simultaneamente, a chance de fazer um bom negócio.

Faça um almoço, lanche ou qualquer outra ação que sirva como estímulo para as pessoas irem até o seu bazar presencial. Se for vender móveis, tenha em mãos o contato de alguém que faça frete, porque é possível ter que contratá-lo para movimentar alguns itens.

Caso prefira não participar de um bazar físico, vale lembrar que, mais uma vez, a internet se destaca como grande aliada e facilitadora. Atualmente, os bazares online ficaram bem comuns. Há vários grupos nas redes sociais para isso, inclusive no Facebook.

Perceba que essa atitude é uma forma de resgatar parte do que foi desembolsado com a compra dos itens. Também é uma chance de verificar se você está comprando mais do que precisa, por exemplo, por impulso, falta de planejamento financeiro ou até para manter o status perante outras pessoas.

7. Falta de dinheiro

O mês está muito longo para o seu salário? Então, reavalie suas despesas mensais, corte gastos supérfluos e venda itens usados para ganhar uma renda extra. Esse dinheiro a mais pode ser o que faltava para, quem sabe, renovar a mobília da sala.

Então, vale muito a pena avaliar todos os pontos já listados e verificar aquelas roupas que já têm pouca relação com seu comportamento, os itens que não estão sendo usados etc. Essa é uma maneira eficiente de eliminar as coisas que estão paradas e, finalmente, realizar uma boa aplicação financeira, como o consórcio de carros.

Para ampliar a possibilidade de sucesso, venda itens variados, como games, livros, dispositivos eletrônicos e objetos de decoração. Também é fundamental tirar boas fotos para chamar a atenção das pessoas interessadas. Depois, você só terá que divulgar para garantir aquele dinheirinho a mais.

Suponha que você já saiba exatamente o que vai vender, mas tem dúvidas quanto aos lugares seguros e confiáveis para realizar esse tipo de transação. Confira algumas soluções utilizadas com frequência por outras pessoas para vender quase tudo:

Com toda essa ajuda, ficou fácil não? Então, que tal praticar o desapego e começar a vender itens usados agora mesmo? Você verá que essa é uma atitude bem legal e que trará diversos benefícios para a sua vida.
cta-consumo-consciente-entenda-a-importancia-e-saiba-como-colocar-em-pratica
As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.
Mostrar comentários
Leia também
eco
Sustentabilidade

O que é consumo consciente? Entenda a necessidade dele!

eco
Sustentabilidade

Entenda o que é o consumo sustentável e a importância de aderir essa prática

eco
Sustentabilidade

Como podemos reaproveitar o lixo doméstico?