Tudo Sobre Consórcio

Parcela de consórcio: como é calculada e como é paga na prática?

4 questões importantes sobre parcela de consórcio! Aprenda agora como ela é calculada e como é paga na prática.

Quando o assunto é parcela de consórcio, muitas pessoas ficam na dúvida de como isso realmente funciona e se perdem em meio a tantas informações disponíveis quando buscam esclarecimento na internet.

Neste post, vamos lhe mostrar de maneira simples e prática como é calculada a parcela de consórcio e a forma como ela é paga. Ao final da leitura, você terá maior clareza de como esse processo funciona, podendo se planejar melhor como consorciado. Confira!

1. Conheça as principais taxas de um consórcio

As principais taxas de um consórcio costumam se dividir em quatro tipos diferentes de pagamentos, sendo eles:

· o fundo comum;
· a taxa de administração;
· o fundo de reserva;
· o seguro,

O fundo comum é o valor que todo consorciado paga para formar um fundo destinado a aquisição de um bem, que servirá para compor o saldo para as contemplações mensais. A contribuição mensal do fundo comum é obtida mediantes um percentual (%) sobre o valor do crédito contratado.

A taxa de administração é o valor cobrado para administrar os grupos de consórcio. Não devemos confundi-la com os juros cobrados nas modalidades de financiamento. A administradora de consórcio é livre para fixar seu percentual. Vale lembrar que a administradora deve ser autorizada e credenciada pelo Banco Central do Brasil (BACEN).

O fundo reserva é destinado a proteger o funcionamento do grupo cobrindo eventuais inadimplências e outras despesas relacionadas aos consorciados/grupos, como, por exemplo, custas de cobrança de inadimplência.

O seguro de vida é um benefício para consorciados ou herdeiros no caso de algum sinistro.

Como pode ver, cada um desses itens procura dar um suporte completo ao consorciado e garantir que tenha aquilo que busca ao término do pagamento. Agora vamos explicar como cada um dessas taxas são calculadas.

2. Entenda como elas são calculadas

O fundo comum, por se basear no valor total da carta de crédito adquirida, equivalerá a 100% do bem dividido pelo número de meses de duração do consórcio. Trocando em miúdos, significa que um consórcio de 60 meses, por exemplo, terá o valor total de 100/60, ou seja, 1,6667% do valor total ao mês.

A taxa de administração costuma ter um valor mais baixo que o fundo comum  já que, por exemplo, se ela equivaler a 10% do valor total da carta de crédito adquirida,  será diluída nos meses de duração do consórcio. Isso significa que você pagará 10%/60 meses, ou seja, 0,6667% mensais até completar 60 parcelas e atingir os 10% total. É um valor bastante baixo se comparado com o que é pago em um sistema de financiamento que costuma ter juros compostos. No caso do consórcio, não tem juros.

O fundo de reserva segue a mesma forma de cobrança da taxa de administração. Vamos utilizar o exemplo de 2% do valor da carta de crédito adquirida. Nesse caso, você pagará 2%/60 meses, o que equivale a 0,0333% em cada parcela. Um valor também considerado baixo se comparado a outros modelos de aquisição de bens.

O seguro vai depender de cada contrato e de como a cobrança será estipulada. Normalmente é calculado sobre o saldo devedor. O mais importante é estar atento aos acordos dispostos no contrato antes de assinar e se tornar um consorciado.

Vale lembrar que todos os exemplos dados aqui são apenas hipotéticos e você deverá estar atento às especificidades do seu consórcio no momento de se associar.

3. Encontre a parcela adequada para você

Ainda que o consórcio seja muito mais acessível que um financiamento, é importante planejar a sua contratação. Para isso, encontre a parcela que realmente se enquadre dentro das suas possibilidades, do início ao fim do seu plano de consórcio.

4. Taxa de adesão

A taxa de adesão nada mais é que a taxa de administração antecipada. Ela pode ou não ser cobrada, de acordo com as regras vigentes do grupo. A taxa é permitida por lei.

Se você gostou de conhecer como são calculadas as parcelas de consórcio e como ela é paga na prática, não deixe de ler nosso artigo com 6 dicas para usar um consórcio para construir sua casa própria!

As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.