Como analisar o histórico do carro e garantir uma boa procedência

Confira nossas dicas e saiba como comprar o seu carro usado sem medo de ter problemas legais ou estruturais!
  • Atualizado em July 24, 2020
  • Publicado em August 22, 2018
  • Seu carro

Geralmente, comprar um veículo usado é uma boa ideia para quem busca economizar. No entanto, essa aquisição precisa ser inteligente, com uma boa pesquisa sobre os modelos. Sendo assim, elaboramos este post para falar tudo o que você precisa saber para verificar o histórico de um carro!

O nosso objetivo é fortalecer o seu processo de decisão, evitando que você sofra com a frustração de uma compra precipitada. Para isso, reunimos 10 dicas especiais para que você fique de olho no momento da aquisição. Agora, não perca tempo e acompanhe!

Os pontos de atenção ao analisar o histórico de um carro

A análise do histórico de um veículo não é simbolizada apenas pela compra de um dossiê em um serviço especializado. Apesar de essa técnica ajudar muito — e ser listada aqui — ela também pode ser complementada com outras noções importantes. Veja!

Verifique se o veículo conta com algum tipo de bloqueio

A aquisição de veículos com restrições pode causar inconvenientes que, dependendo da complexidade da restrição, poderão levar tempo para serem resolvidos, além de a resolução ser custosa.

Para evitar toda essa situação, é muito importante que você faça a consulta de pendências do automóvel. Alguns sites oferecem esse serviço mediante o pagamento de uma taxa, como o Checkauto. Geralmente é necessário informar o número da placa, do RENAVAM e, em alguns casos, do chassi.

Se o atual proprietário do veículo se recusar a fornecer essas informações, pode ser indício de que o veículo tem problemas. Logo, tenha cuidado ao realizar qualquer negociação. Diversos são os motivos que podem originar a proibição de circulação e/ou de transferência de propriedade.

Por isso, ao se deparar com um veículo que apresenta restrições registradas no DETRAN, é importante buscar, antes da aquisição, orientações especializadas para identificar a origem do bloqueio e quais atos devem ser realizados para a baixa da restrição. Além disso, geralmente veículos com restrições não podem ser adquiridos por meio de consórcios.

Cheque multas e pendências

Além das restrições, é importante saber se o veículo está com multas não quitadas, multas suspensas, atraso no licenciamento, pagamento de IPVA, entre outros. É muito importante fazer essa consulta antes de fechar negócio e, na medida do possível, solicitar a quitação desses encargos ou negociar um abatimento no preço do veículo.

A consulta desse tipo de irregularidade deve ser feita junto ao Departamento Nacional de Trânsito. Para isso, basta acessar o portal do Denatran e inserir os dados do carro. Alguns DETRANs estaduais também oferecem essa funcionalidade.

Analise o histórico de revisões

Para saber se o carro está em bom estado, é preciso verificar se as revisões foram feitas no momento certo. Isso indicará se ele foi bem cuidado e, consequentemente, se ainda poderá ser usado por muitos anos sem dar problemas.

Você pode descobrir se o carro foi bem cuidado lendo o manual do modelo, para saber quando as manutenções periódicas deveriam ter sido feitas, e reparando o que for visualmente fácil de entender, como o nível do óleo, do líquido de arrefecimento etc.

Para saber como estão outros itens que não podem ser verificados facilmente, peça para rodar com o carro e leve-o para seu mecânico de confiança. Ele é a pessoa mais indicada e mais bem treinada para descobrir problemas.

Além disso, ele poderá verificar se houve troca de peças e se as atuais são ou não originais. Esse tipo de coisa não necessariamente é um sinal vermelho, mas pode reduzir o valor do carro. Ao comprar em uma loja de usados, você terá um período de garantia legal para algumas partes do veículo.

Verifique se o carro já passou por leilão

Da forma como percebemos, essa é uma dica fundamental para antecipar problemas futuros. Logicamente, sempre existirão exceções. Afinal de contas, existem leilões dos mais variados tipos, em que os modelos negociados não foram prejudicados pelos proprietários anteriores.

No entanto, de forma geral, um carro de leilão costuma ser uma caixinha de surpresas, sobretudo aqueles comercializados em leilões de seguradoras. Nesse sentido, é muito importante conhecer o real histórico do modelo, identificando se ele já passou por esse tipo de modalidade.

Faça vistoria

Atualmente, para troca de titularidade, o DETRAN realiza uma vistoria dos itens obrigatórios para seu funcionamento, além da conferência de chassi, placa, número do motor, entre outros.

Essa vistoria verificará a situação geral do carro, a presença dos itens obrigatórios de segurança, a integridade da suspensão, dos pneus e das lanternas, além de checar se a documentação está em dia.

Algumas empresas também oferecem uma inspeção mais completa que não só atende aos critérios do DETRAN, mas também verifica problemas na estrutura do carro. Ela é chamada de vistoria cautelar.

Nela é possível, por exemplo, saber se o carro é sinistrado. Caso ele seja, é preciso ter muito cuidado, pois um carro já sinistrado não poderá ser novamente coberto pelo seguro de automóveis. É altamente recomendado optar por uma inspeção mais completa para evitar surpresas desagradáveis.

Faça uma pesquisa na CIRETRAN

Como pode notar, toda essa lista de recomendações é pautada na importância de enxergar além da aparência do veículo e do argumento do vendedor. Afinal, a compra do carro usado representará um bom negócio de longo prazo ou um prejuízo de curto prazo.

Sendo assim, é importante utilizar o CSV, o Certificado de Segurança Veicular do modelo para fazer uma consulta na CIRETRAN, a Circunscrição Regional de Trânsito. O objetivo dessa pesquisa é identificar acidentes no passado, que podem estar ocultos sob um trabalho de pintura ou lataria.

Confira a quilometragem

Apesar de soar óbvia, essa é uma dica fundamental. Dizemos isso porque o valor indicado no hodômetro nunca será 100% confiável, pois existem meios para adulterar essa marcação. Nesse caso, é importante correlacionar algumas situações de causa e efeito.

A primeira é saber se o modelo era utilizado como veículo comercial, como táxi ou transporte por aplicativo. Por razões óbvias, os carros empregues nessas atividades contam com uma quilometragem maior, principalmente quando comparados aos demais modelos de mesma idade.

Outro ponto a considerar são os pneus. Em condições normais, um conjunto apresenta uma durabilidade média de 30 mil quilômetros. Portanto, se o veículo indicar uma quilometragem menor que essa, mas não estiver equipando os pneus originais, suspeite! Para isso, basta checar o ano de fabricação que está marcado na lateral do componente.

Por fim, as superfícies de contato no interior da cabine, como pedais, volantes e manoplas de câmbio. Mesmo em veículos de luxo, o desgaste causado pelo uso começa a demonstrar seus sinais por volta dos 90/100 mil quilômetros. Caso o veículo indique esses sinais com uma quilometragem inferior a essa marca, suspeite.

Verifique se as peças são originais

Já aqui, destacamos uma dica que exige a companhia de um especialista, como um mecânico da sua confiança. Normalmente, peças originais levam algum tipo de indicação da fabricante, como o logo da montadora impresso ou em relevo.

Já as peças paralelas não apresentarão essa indicação ou estarão estampadas com a marca de outra fabricante. No entanto, essa é uma dica que realmente exige uma análise técnica, pois existem montadoras que equipam componentes de outras fabricantes.

O objetivo disso é identificar possíveis trocas não registradas no histórico de manutenções do veículo. Além de peças paralelas não apresentarem a mesma durabilidade das autênticas, existem componentes que provocarão um desgaste ainda maior sobre o conjunto mecânico.

Compre de um conhecido

A compra de veículo por meio da internet é uma situação delicada, tendo em vista que a ausência de informações concretas sobre o vendedor e o veículo pode gerar certa intranquilidade para finalizar o processo. Procure buscar informações sobre a idoneidade do vendedor, e evite fazer pagamentos antes de ter certeza sobre a legalidade da transação.

Comprar veículo de alguém que você já conhece ou de conhecidos dos seus amigos e familiares é uma boa opção. Caso opte por comprar em uma loja de usados, escolha aquela que tiver boas referências. Com alguém conhecido, é muito mais fácil solicitar as informações do carro para fazer consultas, pedir um test drive e testá-lo.

Faça uma cotação prévia de seguro

No momento da aquisição, também é importante fazer cotações de seguro para verificar se elas ficam dentro de suas possibilidades, bem como para avaliar se o veículo será segurado, pois nem todas as companhias fazem seguro para sinistrados e/ou frutos de leilão, restrições ou, quando fazem, é por um percentual aplicado sobre a FIPE, e não valor integral da FIPE.

Por fim, também é importante manter o seu desconfiômetro ligado quanto aos preços muito abaixo do mercado. Para saber o valor relativo de um modelo, você pode conferir a tabela FIPE, que é uma fonte referencial no monitoramento de preços de todos os veículos negociados no mercado brasileiro.

Agora que você já sabe o que deve ser observado ao analisar o histórico de um carro, chega o momento de continuar aprendendo sobre o tema, conferindo o nosso Guia Prático para a Compra de Seminovos!
cta-comprando-um-seminovo-guia-pratico-para-uma-boa-aquisicao
As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.
Mostrar comentários
Leia também
drive_eta
Seu carro

Como saber qual é o carro ideal para você? 6 detalhes para avaliar

drive_eta
Seu carro

Quer saber como limpar o banco do seu carro? Veja nossas dicas

drive_eta
Seu carro

Os 13 carros automáticos mais baratos do Brasil