Confira 4 tipos de apartamento para morar sozinho e economizar

Veja, neste post, os tipos de apartamentos ideais para quem vai morar sozinho e busca mais economia!
  • Atualizado em January 16, 2024
  • Publicado em June 15, 2021
  • Seu imóvel

Viver com os pais tem suas vantagens, mas chega um momento em que a autonomia e a independência se tornam prioridade. Porém, para saber se está na hora de comprar um apartamento para morar sozinho, é preciso avaliar as condições financeiras a fim de garantir suas necessidades básicas e manter as contas em dia.

O planejamento é essencial para que essa decisão seja tomada sem gerar transtornos, assegurando que a mudança será sadia para seu crescimento.

Nesta leitura, confira dicas de como sair da casa dos pais e, ainda, como ter independência financeira, além de conhecer 4 opções tipos de apartamentos pequenos e mais econômicos. Acompanhe!

Vantagens de ter um apartamento para morar sozinho

Já imaginou decorar um cantinho do seu jeito, ter independência e fazer os próprios horários? Ou até mesmo deixar aquela louça suja para o dia seguinte porque está cansado e não ter ninguém para reclamar? Essas são só algumas vantagens de adquirir um apartamento para chamar de seu!

Além disso, você ganha privacidade, espaço para receber amigos e tem mais tempo para fazer o que gosta, no seu ritmo.

Por outro lado, é fundamental pensar não só nas vantagens, mas também nos desafios. Principalmente quando o assunto é a saúde financeira e manter as contas em dia para não se endividar.

Para te ajudar nessa empreitada, separamos diversas dicas práticas para você se organizar e sair de vez da casa dos pais.

Como sair da casa dos pais?

Sabemos que não é fácil dar esse primeiro passo de sair da casa onde você cresceu. Porém, saiba que é possível. Basta se planejar e ter disciplina para arcar com todas as responsabilidades sozinho.

Como? Veja nossas dicas para morar sozinho!

Entenda suas condições financeiras

Faça uma planilha mensal para entender seus gastos atuais e estime quanto terá de despesas ao morar sozinho. Inclua na lista não só o valor da parcela da compra do apartamento (ou do aluguel), mas também:

  • contas de água, luz e gás;
  • internet;
  • plano de celular;
  • assinatura de streaming;
  • compra de móveis, equipamentos e utensílios;
  • mercado e alimentação;
  • transporte;
  • lazer.

A partir disso, veja o quanto você consegue economizar no mês para juntar dinheiro e iniciar a nova fase sem preocupações financeiras. Aliás, essa análise é vital para entender qual tipo de apartamento comprar e manter seu padrão de vida.

Considere o estilo de vida e a carreira

Para manter o padrão de vida, é preciso entender qual seu estilo e o que você abriria mão para morar sozinho. E mais: saiba em qual momento está na carreira para ver se conseguirá arcar com todos os gastos agora e no futuro.

Se você ainda é estagiário ou está começando a trabalhar, pense em se planejar para juntar dinheiro e, só depois, procurar um local para chamar de seu. Entretanto, se está para ser promovido, possui um cargo bom e está estável na empresa, pode ser a hora de sair de casa!

Divida o apartamento

Se você quer muito morar sozinho, mas ainda não consegue pagar todas as contas, uma opção é dividir o apartamento com um amigo ou até mesmo alugar um quarto no Airbnb, por exemplo.

Ou, quem sabe, seu relacionamento não possa ter um upgrade e vocês morarem juntos?

Quais os custos de morar sozinho?

Segundo a pesquisa feita pelo FIPZap+, índice que avalia 25 cidades brasileiras, o custo médio de venda de apartamento no Brasil é de R$ 8.548/m², variando de acordo com a cidade. Já o de locação sai por volta de R$ 38,35 por metro quadrado.

Logo adiante, entenda melhor a média de todos os custos de morar sozinho. Lembre-se que o valor muda conforme a região e, claro, o tamanho do apartamento e do condomínio.

Fonte: Estadão

Como ter independência financeira?

Não é fácil ter estabilidade nas finanças, sobretudo se você for jovem e estiver iniciando sua carreira. Porém, é possível se planejar para alcançar a independência financeira!

Confira algumas sugestões.

Faça um planejamento financeiro

Tudo na vida precisa de planejamento e não é diferente quando falamos de morar sozinho. Entenda que é necessário conhecer sua situação atual, economizar dinheiro e organizar os ganhos e as despesas.

A partir disso, é possível ter uma visão completa e realista do que pode ser cortado para sobrar dinheiro mensalmente.

Seja econômico

Sabendo sua situação financeira, monte um plano para economizar no que puder. Nunca gaste mais do que você recebe.

O objetivo é manter os custos abaixo do seu faturamento mensal para arcar com as despesas e, ainda, conseguir investir parte do dinheiro.

Lembramos que a ideia não é morar sozinho e se isolar dos amigos e da família para economizar. A proposta é entender quanto pode gastar por fim de semana, por exemplo, montando uma programação dentro do orçamento.

Aprenda mais: Veja 8 dicas essenciais para economizar nas contas de casa!

Crie uma reserva de emergência

Juntar dinheiro pode ter diversas finalidades, como arcar com as parcelas mensais da compra do apartamento, viajar nas férias ou investir naquele som que você adorou e seria perfeito para reuniões com amigos em casa.

Porém, lembre-se de sempre guardar uma quantia para formar uma reserva financeira de emergência visando cobrir imprevistos e gastos inesperados. Ou até mesmo para segurar as contas caso seja demitido.

Estime suas despesas

Para alcançar a independência financeira, é preciso também pensar a médio e longo prazo. Entenda o momento em que está e onde pretende chegar. Então, estime quais serão suas despesas com o novo apartamento.

Essa simulação pode ser feita para estimar seus gastos daqui a três ou seis meses ou até um ano ou mais.

Uma opção é, mesmo morando com os pais, viver uma vida como se estivesse sozinho: pagando suas contas, contribuindo com o valor da moradia e realizando todos os afazeres domésticos. E isso nos leva para o próximo conselho!

Aprenda a fazer tarefas domésticas

Se quiser que o dinheiro sobre no fim do mês, é preciso realizar as próprias atividades domésticas, sem contratar outras pessoas.

Logo, invista em aprender a cozinhar, lavar roupas adequadamente, fazer uma faxina completa na casa, criar uma rotina de mercado e manter a casa limpa e organizada.

Uma dica de ouro é estudar sobre educação financeira para garantir sua estabilidade e construir um futuro promissor!

E dizemos mais: não importa o tipo de apartamento escolhido, as atividades domésticas são sempre necessárias. Porém, é possível que elas sejam mais fáceis e rápidas em espaços menores e mais econômicos, como os que falaremos a seguir.

Diferenças entre flat, loft, kitnet e studio

As diferenças entre flat, loft, kitnet e studio são: a kitnet é menor e separa banheiro, quarto e, às vezes, cozinha. Já o loft é maior e sem divisão de cômodos. O flat é um apartamento pequeno, com serviços de lavanderia. E o studio é pequeno e localizado estrategicamente.

Entenda melhor sobre cada tipo de apartamento!

Flat

Entre os tipos de apartamento mais procurados para quem quer morar sozinho está o flat. O tamanho do espaço pode variar com uma estrutura dividida em quarto, sala, cozinha e banheiro. Normalmente, funciona bem em estadias temporárias e oferece serviços semelhantes aos de um hotel.

O inquilino tem acesso à área de lazer, lanchonete, lavanderia e até limpeza do flat, além de outros serviços comuns em condomínios. Consequentemente, o valor mensal é mais elevado, o que pode ser atrativo e vantajoso para quem não tem tempo para tarefas domésticas e fica muito tempo fora de casa.

Loft

O apartamento tipo loft é ideal para pessoas que moram sozinhas ou casais sem filhos, que buscam um espaço amplo, permitindo trabalhar em casa e receber alguns amigos, por exemplo.

Para ganhar essa amplitude, o loft não tem divisórias de cômodos, mas possibilita diversos tipos de decoração bastante particulares.

Essa proposta começou na década de 1960 em Nova York, quando alguns artistas passaram a ocupar prédios abandonados. Com o tempo, eles foram revitalizando os espaços, o que deixou os lofts com um aspecto sofisticado.

Assim, esse tipo de apartamento virou uma das opções de moradia para quem está saindo da casa dos pais em busca de independência e praticidade.

Kitnet

Essa opção é muito semelhante a um apartamento comum, mas dificilmente a metragem passa de 40 m². Geralmente, também não há sacada.

É um pequeno espaço dividido entre quarto, cozinha e banheiro, portanto, não permite muitos móveis. A decoração pode ser muito criativa, mas minimalista e desapegada de objetos de pouco uso.

Como o quarto e a cozinha são próximos, é essencial ter uma coifa e um ventilador nesses ambientes. Contudo, é uma ótima opção para quem busca economia e praticidade no dia a dia. Inclusive, quem aluga ou compra esses locais paga valores mais baixos.

Studio

Dos tipos de apartamento citados até aqui, os studios são os que mais são colocados à venda para o morador, pois são construídos em pontos estratégicos e disputados na cidade. É uma proposta bastante atrativa para quem tem planos de morar só ou casais que não pretendem ter filhos no curto prazo.

Porém, caso você queira alugar, assim como acontece comumente nas opções anteriores, dá para encontrar studios para locação também.

O tamanho é pequeno, semelhante ao da kitnet, mas sem divisão de paredes como o loft. Pode-se integrar mais cômodos, como quarto, sala e cozinha. Inclusive, é possível fazer uma divisão apenas para separar o dormitório e o banheiro.

Como escolher um bom apartamento?

Agora que você já aprendeu várias dicas para morar sozinho, é hora de entender como escolher um apartamento. Afinal, não basta olhar apenas o preço do espaço, é preciso colocar diversos aspectos na balança e definir o que pesa mais na sua decisão, como:

  • localização;
  • transporte público;
  • facilidades ao redor, como farmácia, mercado e padaria;
  • condições do prédio: portaria 24h, área de lazer, vaga na garagem, elevador ou escada etc;
  • necessidade de espaço para home office;
  • tempo disponível para cuidar do apartamento;
  • taxas de IPTU e condomínio;
  • tamanho do espaço que faça você se sentir confortável;
  • iluminação e ventilação dos ambientes;
  • segurança e estrutura da região.

Em suma, é preciso pesquisar, visitar o local e, se puder, conversar com vizinhos e comerciantes da área para entender aqueles detalhes e desafios que só os moradores conhecem.

Consórcio para apartamento: vale a pena?

O consórcio para apartamento é uma das melhores maneiras de adquirir um espaço para chamar de seu! E temos diversos motivos para provar:

  • sair do aluguel e investir a parcela mensal para quitar o plano do consórcio;
  • investimento seguro que não inclui cobrança de juros. Os valores adicionais englobam taxa de administração, fundo de reserva e seguro (que é opcional);
  • possibilidade de comprar um imóvel a médio e longo prazo, sem prejudicar seu orçamento mensal;
  • flexibilidade para escolher o valor que quer pagar por mês e durante quanto tempo.

A Racon Consórcios já tem mais de R$ 23 bi em créditos distribuídos, mais de 158 mil clientes contemplados e mais de 256 mil cotas comercializadas. Quer fazer parte também?

Então, simule suas parcelas mensais, entre em contato com nosso time e dê mais um passo para conquistar seu sonho de ter um apartamento para morar sozinho!

Aproveite agora para ler sobre as vantagens de morar em um apartamento e leve essas informações em consideração antes de comprar ou alugar um imóvel.
As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.
Mostrar comentários
Leia também
home
Seu imóvel

Para que serve o habite-se? Como emitir? Tudo sobre o documento!

home
Seu imóvel

7 dicas para decoração de um apartamento pequeno

home
Seu imóvel

Quanto preciso para comprar um apartamento? O que considerar na conta?