Economizar, poupar e investir: você entende a diferença?

Veja qual a diferença entre os termos e saiba como organizar suas finanças!
  • Atualizado em July 30, 2021
  • Publicado em April 20, 2018
  • Planejamento Financeiro

Ter o orçamento sob controle é o desejo de todos. Conseguir manter as contas em dia e guardar dinheiro para emergências ou até mesmo para realizar algum sonho faz com que a maioria das pessoas busque alguma forma de organizar suas finanças. Apesar disso, na hora de elaborar um planejamento financeiro, é comum confundir os termos economizar, poupar e investir.

Você sabe o que significa cada um ou nem imagina que há diferenças entre eles? A maioria das pessoas não conhece de forma aprofundada o significado dos termos. Para acabar com as dúvidas de uma vez por todas, confira no post de hoje a definição dessas palavras!

Qual é a diferença entre economizar, poupar e investir?

Você usou essas palavras como se fossem sinônimas durante a vida toda? Não se preocupe! É normal não saber o significado de cada uma. Para resolver essa questão, vamos explicar aqui as diferenças entre elas. Confira!

Economizar

Se as contas estão atrasadas e o aperto é frequente por causa de gastos sempre maiores que o salário, está na hora de tomar uma atitude a respeito. O primeiro passo para melhorar a situação financeira é economizar. Logo, é preciso deixar de gastar ou pelo menos diminuir o valor direcionado para aquilo que não é essencial.

Isso pode ser feito de diversas formas, seja optando por produtos mais baratos, pedindo descontos na hora de comprar itens à vista ou tentando reduzir as contas, entre outras ações igualmente interessantes e eficazes. Se você é assinante de TV a cabo e percebe que não assiste a todos os canais do pacote pelo qual paga, por exemplo, trocar por um mais em conta é uma excelente forma de economizar! Simples, não é?

O problema é que nem toda economia é inteligente. Quem adora aquelas promoções do tipo leve 3 e pague 2 do mercado, por exemplo, precisa ficar atento para não comprar mais produtos do que é necessário. Pode ser que não pagar por um item pareça vantajoso na hora, mas e no longo prazo? E se for preciso jogar fora aquilo que não foi usado? Nesse caso, além de pouco eficiente, a economia ainda se converteria em prejuízo.

Para ajudar na hora de economizar, a melhor maneira é anotar todos os seus gastos diários, mesmo aqueles que parecem inofensivos por serem de valores reduzidos. Isso pode ser feito com a ajuda de planilhas eletrônicas, aplicativos para smartphones ou até mesmo usando um caderninho. O importante é não deixar nada de lado e fazer disso um hábito.

Ao avaliar cuidadosamente as despesas, tanto as necessárias quanto as desnecessárias, você conseguirá cortar eventuais excessos e organizar a situação com mais facilidade. Isso significa economizar! Obtendo sucesso nessa fase, já é possível passar para o próximo passo: poupar.

Poupar

Com as contas arrumadas e sem o aperto de antes, é hora de começar a formar uma reserva financeira. Traduzindo: é hora de poupar! O dinheiro acumulado pode servir para cobrir gastos com imprevistos, como o conserto do carro ou um tratamento de saúde. Nesse momento, é preciso seguir a mesma lógica da hora de economizar: fazer escolhas inteligentes.

De nada adianta pegar o que não foi usado com as compras do mercado ou com a mudança do pacote de TV para gastar tudo no final de semana! Dessa forma, você só transfere o motivo, mas o dinheiro continua sendo desperdiçado. Poupar presume separar uma quantia do rendimento mensal e torná-la intocável, como se fosse um valor reservado para pagar uma conta qualquer.

Entendeu agora a diferença entre economizar e poupar? Você economiza cortando custos e poupa guardando esse dinheiro em vez de gastar com outra coisa. A forma mais comum de ir acumulando o dinheiro poupado é depositá-lo em uma caderneta de poupança. E quem faz isso já está colocando em prática o próximo passo dessa caminhada.

Investir

Mesmo rendendo pouco, a poupança é um investimento. Isso porque, depositado lá, o dinheiro começa a ser remunerado pela instituição financeira. Na prática, você recebe juros em troca de manter sua reserva no banco. Apesar do baixo retorno, a poupança é uma forma bem fácil e acessível de investir.

Saiba, porém, que existem várias outras maneiras de fazer o dinheiro render mais, como aplicando no Tesouro Direto, em Letras de Crédito, em fundos de investimento e consórcios. Aliás, vale ressaltar que os consórcios são considerados tipos de investimento de baixo risco.

Na hora de escolher o melhor investimento para você, é preciso ter alguns pontos em mente. Para que esse dinheiro será utilizado? Por quanto tempo é possível deixar ele parado? Além disso, é essencial saber quais são as taxas de rentabilidade e os riscos de cada modalidade, bem como quais impostos podem ser cobrados sobre os rendimentos.

Em resumo: se você corta gastos e faz sobrar mais dinheiro, está economizando. Se guarda esse valor que sobrou, está poupando. Se o usa para obter rendimentos, está investindo. E agora que você conhece as diferenças entre economizar, poupar e investir, não vai mais confundir os termos!

Como saber qual é a hora de começar?

Depois de diferenciar os três termos, que tal aprender a organizar suas finanças de forma que seja possível colocar todos os conceitos em prática? Uma dúvida que costuma surgir nesse sentido é: qual a hora certa para começar cada uma dessas fases? Encontrar a resposta para essa pergunta não é fácil, mas algumas dicas podem ajudar.

É preciso compreender cada um dos conceitos não como uma atitude isolada, mas sim como passos para a conquista de um objetivo maior, que é melhorar a qualidade de vida. Sem isso, economizar, poupar e investir vão parecer atividades sem sentido, feitas de modo automático.

Quem coloca a organização financeira como um objetivo e um hábito pode realizar essas atividades muito antes do que imagina. Veja a seguir alguns passos que ajudam nesse desafio!

Analise sua condição financeira

Como você viu na primeira parte deste post, um bom planejamento financeiro é essencial para conseguir mapear sua condição atual. Com uma visão ampla do orçamento, é possível ver por onde o dinheiro está escorrendo todo mês. Assim, depois de estancar os gastos, você verá qual fatia da sua renda mensal pode ser poupada.

Avaliar sua condição financeira e diagnosticar os problemas no seu orçamento são ações essenciais para começar economizando e terminar como um investidor de sucesso. Trate de colocar nossas dicas em prática quanto antes para ter um controle financeiro eficiente!

Livre-se das dívidas

Ao analisar suas condições, se você tiver dívidas a serem pagas, essa deve automaticamente se tornar sua prioridade. E isso vale principalmente para o caso de situações de inadimplência. Não sabe a diferença? Endividada é aquela pessoa que tem parcelas a pagar, mas está com tudo em dia. Já inadimplente é alguém que não conseguiu honrar com os pagamentos e atrasou a dívida.

Quem está na segunda situação precisa de mais cuidado, uma vez que estão sendo somados juros em cima da conta inicial, o que significa perda de dinheiro. Por isso, colocar as contas em ordem deve ser seu principal objetivo. Além de representarem uma grande dor de cabeça, os gastos com juros e outros encargos inviabilizam qualquer economia.

Estabeleça metas e tenha objetivos

Para se convencer de uma vez por todas de que é importante economizar, poupar e investir, é preciso traçar objetivos para o dinheiro. Assim, quando parecer difícil abrir mão de algo no presente, você pode mentalizar o que aquilo representará para seu futuro.

Fica muito mais fácil, por exemplo, deixar de comprar um tênis sem necessidade hoje se você sabe que o dinheiro está sendo poupado para trocar de carro nos próximos meses, não é mesmo? Estabelecer metas é essencial, pois permite que o esforço seja recompensado com algo palpável.

Consuma com mais consciência

É simplesmente impossível conseguir economizar, poupar e investir sem diminuir o consumo por impulso. Não tem mistério: se você gasta todo o seu salário no mês, não vai sobrar nenhum valor para custear seus planos e oferecer segurança no futuro. Por isso, um dos passos essenciais da organização financeira é o consumo consciente.

Depois de seguir nossa dica de registrar todos os seus gastos em um aplicativo ou caderno, você precisa avaliar seu padrão de consumo a fim de mudar o que for necessário para alcançar as metas e os objetivos que traçou. Para fazer isso sem perder qualidade de vida, analise alternativas mais baratas. Pesquise os preços antes de comprar um produto, busque um melhor custo-benefício nos serviços e faça programas de lazer gratuitos de vez em quando.

Realize sonhos de maneira planejada

Você já pensou que existem formas mais saudáveis de fazer compras e realizar sonhos? Quem deseja empregar o dinheiro poupado e investido formando patrimônio (comprando um imóvel, por exemplo) pode fazer isso por meio do consórcio.

Prontinho. Agora você já conhece as diferenças entre economizar, poupar e investir. E o melhor: aprendeu dicas importantes para colocar cada um desses conceitos em prática!

Você sabe o que é patrimônio pessoal e como montar um? Leia o nosso post e comece a pensar no seu futuro!
As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.
Mostrar comentários
Leia também
attach_money
Planejamento Financeiro

Planejamento financeiro para autônomos: 10 boas práticas para realizar seus objetivos

attach_money
Planejamento Financeiro

Reserva de emergência: por que é importante e por onde começar

attach_money
Planejamento Financeiro

Conheça 6 investimentos de baixo risco e saiba qual é o melhor para você