Planejamento Financeiro

Planejamento e organização financeira: entenda a importância

Confira como o planejamento e organização financeira podem ajudá-lo a alcançar seus objetivos pessoais!

Como anda sua relação com o dinheiro? Essa é uma pergunta cuja resposta tem que estar na ponta da língua. E, para respondê-la, basta observar a situação das suas finanças e a perspectiva que você vislumbra para o futuro. Para ter uma vida financeira saudável, é preciso praticar dois hábitos fundamentais: planejamento e organização financeira. 

De fato, essas são práticas que nos dão uma visão aprimorada acerca da natureza de nossas receitas e gastos. Além disso, possibilitam a identificação de atitudes que afetam negativamente a saúde de nossas finanças. 

E então, quer assumir o controle da sua vida financeira? Para ajudar você, preparamos este artigo sobre a importância de se ter um planejamento eficiente. Continue a com a gente e saiba exatamente o que você deve fazer para melhorar sua organização financeira! 

Planejamento e organização financeira 

O planejamento financeiro consiste em um conjunto de ações que ajudam as pessoas a projetar uma situação futura e estabelecer estratégias para cumprir seus objetivos e compromissos. 

No caso das finanças, isso se refere ao processo de estimar o volume de receitas, despesas e categorias de gastos. Trata-se, portanto, de compreender como você utiliza seu próprio dinheiro. 

Com as informações obtidas por meio dessa ferramenta, é possível começar a organizar todas as partes que afetam seu orçamento, identificando a natureza dos gastos, os possíveis excessos de consumo e os hábitos que podem comprometer o seu saldo no fim do mês. 

Com essa conscientização, você consegue identificar falhas e pode estabelecer estratégias para corrigi-las. Desse modo, você direciona suas finanças para o rumo que deseja, com metas e objetivos a serem alcançados. 

A importância do planejamento e organização financeira 

A combinação entre planejamento e organização financeira permite acompanhar, com clareza, o movimento de suas receitas e despesas. Assim, fica mais fácil saber para onde o dinheiro está indo e realizar um importante exercício de autocrítica. 

Analise a seguinte pergunta: será que o seu estilo de vida condiz com a sua realidade financeira e com os seus objetivos de vida? Ao responder essa pergunta com honestidade, você perceberá que é possível melhorá-la ainda mais, por melhor que seja sua relação com o dinheiro. 

Entre outras coisas, esse hábito pode ajudá-lo a entender a real situação das suas finanças, o que facilita a organização financeira. Soma-se a isso a vantagem de melhorar a gestão dos recursos e tomar decisões em consonância com suas aspirações de vida. 

Hábitos essenciais para um planejamento eficiente 

A falta de controle sobre as finanças é uma das principais causas pelas quais as pessoas acabam se perdendo em uma avalanche de dívidas. Por isso, alguns hábitos são importantes para começar a assumir as rédeas do seu dinheiro. Vejamos os principais! 

Registre todas as suas receitas e despesas 

Quando o assunto é planejamento e organização financeira, é impensável deixar de lado o registro do movimento de suas receitas e despesas. Então, anote tudo o que gastar e não deixe passar nada — isso inclui os gastos da fatura do cartão de crédito

Dessa forma, você terá a noção do quanto recebe e do quanto gasta, e poderá analisar se há possibilidade de cortar ou reduzir alguns gastos. Além disso, é importante considerar despesas futuras, como compras parceladas e aquelas que você sabe que terá nos próximos meses. 

Se você tem dificuldades com essa tarefa, uma ótima alternativa é utilizar apps para ajudar a organizar as finanças. Atualmente, há uma ampla diversidade de opções de aplicativos voltados ao monitoramento financeiro. Vale a pena conferir e encontrar aquele que seja mais adequado para o seu perfil e suas necessidades.

Defina seus objetivos e estabeleça prioridades 

Você sabe qual é o seu objetivo? Pode ser a compra de um imóvel (longo prazo), a aquisição de um carro (médio prazo) ou aquela viagem de férias (curto prazo) que você tanto deseja. 

Seja como for, para alcançá-lo é preciso definir metas financeiras pessoais específicas e saber como realizá-las — mantendo o planejamento como aliado. Afinal, objetivos bem definidos ajudam a criar um senso de prioridade, evitando alguns gastos que podem comprometer sua concretização. 

Além disso, ao definir uma meta, também é importante estabelecer o tempo de que você dispõe para concluí-la. Sem prazo, fica bem mais complicado mensurar se está no caminho certo, e você acabará deixando de lado o seu projeto. 

Exercite seu autocontrole 

O planejamento, por si só, não resolve nada. Por isso, é preciso colocar em prática a disciplina e ter controle sobre si mesmo. Em outras palavras, você deve seguir à risca as ações pensadas para buscar as metas e objetivos desejados. 

Nesse sentido, toda dívida que possa atrapalhar seus planos deve ser repensada. Essa é a melhor forma de garantir que os limites estabelecidos para seu orçamento mensal serão preservados. Lembre-se de controlar o uso do dinheiro também faz parte de uma boa organização financeira. 

Elimine as compras por impulso

Por falar em manter a utilização do dinheiro com rédeas curtas, esqueça as compras por impulso. Sejam à vista, sejam parcelados no cartão de crédito (o que é pior ainda), os gastos destituídos de avaliação criteriosa tendem a complicar nossa gestão financeira. Esse tipo de atitude prejudica todo seu esforço para alcançar a organização financeira almejada.

Portanto, antes de comprar qualquer item, acostume-se a se questionar quanto à verdadeira necessidade dele. Jamais confunda compras impulsivas com as emergenciais. Em comum com as primeiras, as segundas apresentam apenas a aquisição imediata. A grande diferença é a motivação que há por trás de cada tipo de compra.

Ao calcular o total que costuma gastar com itens supérfluos, você se surpreenderá com a economia que poderia ser feita. Além disso, esse exercício ajuda a moldar novos hábitos de consumo, permitindo que você troque as compras dispensáveis pelo uso responsável do crédito. O resultado final será a utilização mais racional do seu dinheiro.

Como colocar a organização financeira em prática 

Depois entender mais sobre os hábitos essenciais para planejar as finanças, é importante colocar a organização financeira em prática. Por esse motivo, separamos para você 7 dicas simples, mas bastante eficientes, de como fazer isso. Acompanhe! 

1. Pague suas dívidas 

Por mais que possa parecer difícil, pagar as dívidas é o primeiro passo de uma boa organização financeira. Afinal, isso é necessário para colocar a vida em ordem e evitar que o próprio salário seja corroído por conta dos juros. 

Portanto, faça uma lista com as dívidas acumuladas e identifique aquela que é de maior valor. É por ela que você deve começar, pois quanto maior for o débito, mais dinheiro será preciso desembolsar para pagá-la. 

Logo em seguida, procure as instituições financeiras para negociar novamente o pagamento. Se o valor for muito alto e impactar mais do que 30% do seu orçamento, faça uma proposta para estender o prazo com parcelas mais reduzidas. Caso tenha um valor guardado, a melhor opção é quitar o que deve à vista. 

Além disso, não faça mais dívidas de jeito nenhum! Provavelmente, durante esse período, será necessário economizar em casa e no dia a dia. 

2. Adquira o hábito de poupar 

Com as dívidas resolvidas, agora é hora de colocar em prática o costume de poupar. Mesmo que você ganhe pouco, tente ao menos reservar 10% do quanto ganha. Por exemplo, se o seu salário é de R$ 2.000, separe R$ 200 todo mês e guarde esse valor. 

O resultado será bem simples: quanto mais poupar, mais dinheiro terá reservado. E, se possível, separe a quantia da conta-corrente e transfira para a poupança, pois assim evitará o risco de gastá-la. 

3. Invista bem o dinheiro 

Após criar o hábito de poupar, busque informações para investir bem o dinheiro. Na poupança o valor rende muito pouco e, assim, você acabará perdendo o poder de compra. Uma boa alternativa é o consórcio, pois ele é considerado um investimento de baixo risco, mas com boa rentabilidade. 

Em primeiro lugar, ao optar por uma carta de crédito, você já saberá antecipadamente todas as condições do plano que aderir. Outra vantagem é a certeza da contemplação mediante o pagamento das parcelas.

4. Pesquise antes de comprar

Outra maneira extremamente importante de valorizar seu dinheiro é passar a efetuar pesquisas antes das compras. Essa dica se aplica tanto a um simples liquidificador quanto a um veículo ou imóvel. Com uma busca na internet, é possível encontrar o mesmo produto por preços muito variados.

No caso dos itens portáteis, a cobrança do frete tende a variar bastante de uma loja para outra. O preço do próprio item, apesar de mesma marca e modelo, também oscila consideravelmente. Uma forma de constatar isso é por meio de algum site que proporcione comparativos de preços. Faça o teste!

Importante dizer que, na maioria das vezes, as discrepâncias dos valores praticados na comercialização de um mesmo item estão atreladas à capacidade de negociação do lojista com o fabricante. Basicamente, as empresas que tenham capacidade de efetuar pedidos maiores exercem maior poder de negociação do que as concorrentes. Cabe a você saber como usufruir desse benefício.

5. Aprenda a negociar 

Não são só as empresas que negociam. Por mais que você esteja satisfeito com o preço oferecido por determinado produto, vale a pena verificar a possibilidade de obter algum desconto. No entanto, é fundamental aprender a negociar, pois a arte da negociação vai além de uma mera pechincha.

Na verdade, as melhores negociações dependem do desenvolvimento do poder de observação. Na prática, você deve adquirir o hábito de identificar aspectos que possam ser usados a favor da sua argumentação, enriquecendo-a. Durante a compra de um carro usado, por exemplo, é aconselhável fazer perguntas pontuais a respeito da autonomia, estado da bateria, pintura, histórico de reparos de funilaria etc.

O intuito consiste em elaborar uma contraproposta coerente com as respostas fornecidas. Com o foco certo e as palavras adequadas, você pode conseguir abatimentos significativos no preço ou nas condições de pagamento. Tenha em mente que o preço do item sempre pode ser alterado. Mas, para isso, você precisa demonstrar que o conhece a fundo. No mínimo, deve comprovar que está ciente dos elementos de valorização ou desvalorização do objeto de compra.

6. Pense grande 

Muitas vezes, as pessoas tendem a desistir dos sonhos no meio do caminho por não acreditarem na própria capacidade. Tire isso da sua cabeça! Estabeleça objetivos maiores para a sua vida do que apenas pagar as contas no fim do mês. 

Mesmo que o processo seja lento, pouco a pouco será possível realizar grandes objetivos. O importante é persistir e não ter pressa para conquistar o imóvel ou o carro tão desejado, por exemplo. 

7. Envolva as pessoas ao seu redor 

Finalmente, informe pessoas próximas, como familiares e amigos, sobre as novas atitudes que você colocará em prática para equilibrar as contas. Assim, elas poderão, inclusive, ajudá-lo a se manter firme em seus propósitos. 

Com o envolvimento de todos, será mais fácil inserir as dicas de organização financeira na sua vida. Por outro lado, você pode até servir de exemplo para que os outros façam o mesmo. 

O papel do planejamento e da organização financeira na vida pessoal 

A falta de valorização da educação financeira é mesmo algo preocupante. Em nosso país, são poucas as pessoas que se planejam financeiramente, e a maioria delas não tem noção do papel que a organização financeira pode exercer em suas vidas. 

De um lado, o planejamento e organização podem deixá-lo mais próximo de suas metas de vida, além de tornar possível economizar para investir e poupar para momentos de emergência. 

Do outro, a desorganização e o desconhecimento em relação aos seus gastos e receitas podem comprometer todo o seu orçamento e fazer com que você acabe se endividando. 

E não pense que existe um perfil de renda para que o planejamento financeiro seja eficaz: essa é uma ferramenta à disposição de todos, independentemente de quanto se recebe. 

Em outras palavras, é útil para qualquer pessoa que queira melhorar seus hábitos de consumo e se aproximar de seus objetivos. Entre outras coisas, a organização financeira permite: 

gerenciar sua renda de forma mais eficaz e precisa, entendendo de quanto você precisa para cumprir seus compromissos financeiros;
- estudar seus hábitos de consumo para eliminar aqueles que sejam nocivos. Você otimiza a forma que gasta seu dinheiro e pode começar a planejar uma poupança e investimentos;
- melhorar o bem-estar e a segurança da família, pois terá o controle de gastos e receitas necessário para planejar uma reserva de emergência para algum imprevisto que possa aparecer;
- compreender suas finanças e melhorá-las progressivamente. Além disso, é possível estabelecer um padrão de vida realista e condizente com sua realidade financeira e metas pessoais. 

Enfim, o planejamento financeiro é a chave para evitar que seu saldo fique no vermelho mês após mês, aproximando você da realização de seus sonhos. Vale frisar que uma boa organização financeira envolve a criação de um fundo de emergência, bem como a aplicação em investimentos. Afinal, o seu dinheiro pode (e deve) trabalhar para você. 

Agora você sabe a importância que o planejamento e organização financeira têm em sua vida pessoal e na de sua família, certo? O próximo passo é começar a colocar nossas dicas em prática, além de evitar certos erros no planejamento financeiro. Lembre-se de buscar objetivos mensuráveis e realizáveis. Isso o manterá nos trilhos e o ajudará a não desanimar no decorrer de sua jornada.

Quer ajuda para organizar suas finanças? Então baixe agora mesmo nossa planilha anual de orçamento pessoal!
Planilha Anual De Orcamento Pessoal Tenha Uma Organizacao Mes A Mes Banner Artigo Blog

As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.