Meu Primeiro Imóvel

8 passos para fazer um orçamento de obra perfeito

Construir pode ser um desafio! Por isso é fundamental ter um planejamento. Veja as dicas que preparamos para lhe ajudar!

Realizar uma obra pode ser um verdadeiro desafio, ainda mais para quem está passando por essa experiência pela primeira vez. Se esse for o seu caso, não se preocupe: um bom planejamento pode evitar muita dor de cabeça.

Portanto, se você pretende reformar ou construir sua casa, seu escritório ou uma casa de campo, não descuide da realização do orçamento de obra. Ele é essencial para que o seu projeto saia como planejado e você não fique decepcionado com o resultado.

Continue lendo para conferir 8 dicas de como fazer um orçamento de obra perfeito. Acompanhe!

1. Liste as necessidades do local

Para que o orçamento da sua obra saia perfeito, você deve, antes de mais nada, listar as necessidades do ambiente que será reformado.

Para isso, anote quais são as pretensões para cada cômodo, qual será a funcionalidade e o objetivo daquele espaço e qual é a expectativa com a obra. Esses passos são essenciais para estruturar o planejamento e o orçamento, já que traz clareza ao projeto e evita mudanças bruscas com gastos desnecessários. 

Por exemplo, se a pretensão é construir a sua casa, leve em consideração quantas pessoas morarão nela, o que cada morador considera importante, os hábitos da família, a adaptação ou não para pessoas com deficiência, a criação de animais, entre outros. Esse é um princípio que deve ser levado em conta para qualquer obra.

2. Peça indicação para amigos de confiança

O sucesso da sua obra depende bastante dos profissionais que você vai contratar, portanto, caso essa seja sua primeira experiência, não hesite em pedir indicação para amigos e familiares de confiança e que já passaram pelo mesmo momento que você.

Bons pedreiros, arquitetos, mestres de obra e engenheiros são essenciais para que tanto o prazo quanto o orçamento da obra sejam cumpridos e você não tenha que lidar com surpresas desagradáveis.

3. Estipule um prazo para entrega

O tempo de duração da obra impacta diretamente no quanto você vai gastar. Se você tiver combinado o pagamento com o pedreiro por diária, por exemplo, quanto mais ele demorar para realizar o trabalho, mais você terá que pagar.

Portanto, estipule um prazo para a entrega de cada etapa e coloque no contrato no momento de fechar o negócio. Dessa maneira, você evita profissionais de má fé e pode programar outros aspectos da sua vida, como é o caso de quem mora ou trabalha no local que está sendo reformado e que precisa realocar funcionários ou a família para outro lugar.

4. Faça pesquisa de mercado

Depois de listar quais são as necessidades do lugar e conversar com os profissionais contratos sobre o que será feito, você já tem conhecimento de o que será necessário comprar.

Para isso, faça uma lista detalhada dos materiais que serão utilizados, incluindo as seguintes informações:

- quantidade;
- tamanho;
- especificação, se houver mais de uma;
- marcas confiáveis.

Com esses dados em mãos, pesquise na internet para ter uma base dos preços praticados no mercado. Anote item por item e não deixe de ir em, pelo menos, três lojas físicas verificar se há alguma discrepância, promoções relâmpagos ou a possibilidade de negociar o pagamento.

5. Calcule os custos indiretos

Um erro comum que as pessoas costumam cometer é o de não dar a atenção necessária aos custos indiretos por considerá-los menos importantes. No entanto, não deixe de colocar na ponta do lápis gastos, com luz, água, pequenos acabamentos, entre outros.

Também não esqueça de contabilizar os valores relativos a documentação e taxas exigidas pela prefeitura. Nesses casos, se você não tiver conhecimento na área ou não se sentir confortável, procure a ajuda de profissionais especializados.

Tais itens podem ser pequenos quando analisados individualmente, mas podem se tornar justamente o problema do orçamento da obra, quando são esquecidos de serem computados.

6. Saiba quanto pode gastar

Para evitar dor de cabeça e o endividamento, é essencial que você saiba o quanto pode gastar na obra. Para isso, crie uma planilha com o valor total, o limite que deve ser respeitado e que não pode ser estourado.

Depois, separe cada item que deverá ser pago e faça uma lista de prioridades. Indique o que não pode faltar de jeito nenhum na sua reforma e quais são as coisas que você pode ficar sem ou não se importa com nenhuma particularidade.

Vamos supor que esteja reformando a sua casa, e a sala de TV é o cômodo mais importante. Você está disposto a comprar um bom sofá, quebrar paredes, rebaixar o teto para melhorar a acústica e ajustar a parte elétrica, enquanto a sala de jantar não é tão importante assim e pode ser feita de uma maneira mais simples.

Isso ajudará nos momentos em que você tiver que fazer escolhas difíceis e precisar ter que escolher entre um cômodo ou outro, ou entre um acabamento ou outro.

7. Monte uma planilha

Com todos os valores na mão, é a hora de estruturar a planilha com os preços e a projeção final de gasto da obra, assim é possível ter clareza dos valores, manter as anotações em dia e ter um orçamento preliminar.

Há softwares específicos disponíveis no mercado, em geral usados por quem trabalha com obras, mas há outras possibilidades mais acessíveis, como o Excel. A planilha deve conter a descrição do material, o preço unitário, a quantidade necessária, os juros que incidem sobre ele e o preço total.

Também é necessário estar atento aos encargos sociais, na parte reservada à mão de obra, e acrescentar o BDI (Benefício e Despesas Indiretas) para montar o preço final lembrando que obras para uso próprio não precisam conter esse último item.   

8. Faça um planejamento financeiro

Um planejamento financeiro bem-feito é ideal para que você não fique endividado no meio da obra e faça uso de opções de materiais e fornecedores mais baratos, sem conseguir focar na qualidade do que será entregue.

Sabemos que a soma desses dois fatores quase sempre dá errado, o que gera uma enorme dor de cabeça para quem não se planejou corretamento. Nos tópicos abaixo falamos melhor sobre como se organizar financeiramente.

Consórcio para construção e reforma

As pessoas pensam em consórcio para comprar uma casa ou um carro, mas esquecem, ou não sabem, da possibilidade de fazer um consórcio para reformar ou construir um imóvel.

Para utilizar a carta de crédito para reforma, o consorciado deve ser proprietário de um imóvel urbano, residencial ou comercial, podendo utilizar o crédito das seguintes maneiras:

- ampliações;
- pinturas;
- instalações hidráulicas;
- instalações elétricas;
- compra de materiais
- serviços de marcenaria;
- serviços de manutenção;
- construção de piscinas;
- troca de revestimentos;
- construção de churrasqueiras;
- reparos em geral.

Se você não tem um imóvel ou terreno, não se preocupe. Dependendo do valor da sua carta de crédito, o consórcio permite que o consorciado utilize o dinheiro para comprar um terreno e aproveitar o saldo remanescente para investir na construção.

O plano a ser escolhido vai depender do valor que será usado na construção, assim você pode optar pela melhor alternativa de acordo com suas intenções e realidade financeira. Durante o prazo de pagamento, o consorciado poderá planejar a construção com calma, garantindo o melhor negócio.

Fazer um bom orçamento de obra pode parecer complicado no começo, mas esse é um passo primordial para que o seu sonho não se transforme em um pesadelo. Assim, você consegue desfrutar da sua casa sem se preocupar com dívidas ou problemas por não ter utilizado material de qualidade.

Se você está pensando em construir ou reformar, não deixe de ler o nosso eBook com tudo o que você precisa saber sobre o assunto!

Consorcio Para Construcao Tudo Que Voce Precisa Saber Sobre O Assunto Banner Artigo Blog

As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.