Tudo Sobre Consórcio

Consórcio ou poupança: veja um comparativo de onde investir seu dinheiro

Você conhece as diferenças entre consórcio e poupança? Veja tudo que precisa saber para escolher o melhor investimento!

Economizar e investir dinheiro: essas são ótimas estratégias para realizar projetos importantes, como uma viagem dos sonhos, a compra de um carro ou a aquisição de um imóvel. Normalmente, porém, ao pensarmos sobre investimentos, costumam surgir muitas dúvidas. Você também já se perguntou, por exemplo, se é melhor apostar em consórcio ou poupança?

A verdade é que essas são duas opções muito interessantes para começar seu caminho como investidor. Mas você sabe como funciona cada uma delas? Conhece suas vantagens e desvantagens? Conseguiria escolher entre uma e outra agora, sem hesitar? Não se preocupe, porque explicaremos ao longo dos próximos tópicos tudo o que você precisa para começar a investir. Vamos lá?

Como a poupança funciona?

Você certamente já ouviu falar sobre a poupança, uma vez que esse é um dos investimentos mais populares do Brasil. Geralmente, todos os bancos oferecem essa opção, mesmo que algumas fiquem vinculadas à conta-corrente que o cliente já tem.

A caderneta de poupança funciona, portanto, como uma conta de banco. O cliente pode realizar depósitos diretamente na instituição ou em caixas eletrônicos, é possível receber transferências bancárias, realizar pagamentos com o valor disponível na conta e usar o cartão de débito. Enquanto está parado na poupança, o dinheiro vai rendendo.

As vantagens da poupança

Agora que você já conhece o funcionamento básico de uma poupança, passemos para algumas das vantagens dessa possibilidade para que você logo consiga escolher entre consórcio ou poupança.

Facilidade geral

Um dos maiores benefícios da poupança é a facilidade. Como falamos, ela funciona como uma conta no banco: é possível investir nela de várias formas, colocando a quantia que quiser e quando puder.

Mas aí surge um fator delicado, já que essa mesma vantagem pode se transformar em algo ruim se a pessoa não for disciplinada. Afinal, como os depósitos são opcionais, não é nada difícil gastar o dinheiro por impulso ou deixar de poupar.

Liquidez diária

Outra vantagem da poupança se refere à disponibilização do dinheiro. É possível realizar saques e pagamentos nos caixas eletrônicos e até mesmo usar o cartão de débito para fazer compras. Isso graças à chamada liquidez diária. Vai ser preciso retirar uma quantia da caderneta? Pois esse dinheiro está disponível a todo momento.

Mais uma vez, porém, essa vantagem pode se transformar em malefício, porque quem não tem muito autocontrole pode acabar gastando sua reserva em situações desnecessárias.

As desvantagens da poupança

Para não ficar com nenhuma dúvida sobre o funcionamento da poupança, aproveite para conhecer também algumas desvantagens dessa opção de investimento.

Rentabilidade baixa

A caderneta de poupança tem uma das menores rentabilidades do mercado de investimentos. Em alguns momentos, aliás, ela pode perder até mesmo para a inflação! Isso significa que o dinheiro na conta passa a valer menos, pois seu poder de compra diminui.

Outra desvantagem em relação ao rendimento é que a quantia na poupança só rende uma vez por mês. Para receber os juros, portanto, você precisa deixar o valor parado lá por, pelo menos, 30 dias. Se ficar investido por 29 dias e for sacado, não terá rendido nada.

Dinheiro disponível

Como falamos, a disponibilidade do dinheiro também pode se tornar uma desvantagem para quem usa a poupança com foco na realização de sonhos. Já que é possível fazer saques e passar compras no débito, muitas pessoas acabam perdendo o controle e usando o valor normalmente, como se estivesse na conta-corrente.

Assim, por mais que a liquidez diária faça da poupança uma opção interessante para reservas de emergência, quem pretende guardar o dinheiro para projetos futuros deve buscar outras modalidades.

Como o consórcio funciona?

O consórcio é uma modalidade de economia colaborativa. Isso quer dizer que é uma forma de aquisição baseada na união de pessoas. Assim, são formados grupos com vários participantes interessados em realizar a aquisição de um bem ou serviço, como um imóvel, um veículo ou uma viagem internacional.

Elas pagam um valor mensal que vai para um fundo comum. Todos os meses um ou mais consorciados são contemplados e têm acesso a uma carta de crédito para adquirir o tão desejado bem ou contratarem o serviço pretendido.

Toda a transação é organizada por uma empresa especializada, chamada de administradora do consórcio. É ela que organiza todo o processo, gerenciando os interesses dos consorciados e administrando a saúde financeira do grupo.

As vantagens do consórcio

Vamos saber um pouco mais sobre essa opção de investimento conhecendo seus benefícios?

Proporciona a aquisição de bens sem juros e sem entrada

Definitivamente, o consórcio é a melhor forma de realizar uma grande compra. Por meio dele você consegue parcelar o valor total do bem, ou seja, não é necessário dar um valor de entrada.

Além disso, não é realizada a cobrança de juros, o que existe é uma taxa de administração que geralmente tem um valor muito mais acessível se comparado com outras modalidades de aquisição parcelada. Dessa forma, você não desequilibra seu orçamento e pode comprar seu carro ou sua casa de maneira planejada e econômica.

Permite o uso do FGTS para comprar um imóvel

O consórcio é uma modalidade que permite a utilização do FGTS para a aquisição de um imóvel, sabia? Você pode, assim, tirar seu dinheiro que está rendendo pouco por lá, usando-o para dar um lance, antecipar parcelas ou mesmo quitar o saldo devedor.

Além disso, esse valor também serve para completar a carta de crédito caso você escolha comprar um bem mais caro que o previsto. Vale lembrar, que só é possível utilizar o FGTS em um consórcio imobiliário e de acordo com as regras de utilização definidas.

Oferece liberdade de escolha

Você lembra que uma das vantagens da poupança é a facilidade? Não é somente ela! O consórcio também oferece liberdade de escolha, viu? São diversos os planos disponibilizados pelas administradoras, de modo que o interessado pode escolher o valor de parcela que melhor se adéque à sua realidade financeira.

Antes de assinar o contrato, você avaliará as condições, optando por um valor que caiba no seu bolso sem desequilibrar o orçamento.

É seguro

Se a ideia é escolher entre consórcio ou poupança, você deve saber que as duas opções de investimento são seguras. O consórcio, por exemplo, é fiscalizado pelo Banco Central e as administradoras precisam ser autorizadas por esse órgão para funcionar.

Além disso, existe uma lei específica para o consórcio e toda a transação é regulamentada por meio de um contrato que o participante assina com a empresa. O consorciado também pode recorrer aos órgãos de defesa do consumidor caso tenha algum problema.

As desvantagens do consórcio

Mas quais seriam as desvantagens de fazer um consórcio? Veja a seguir!

É um investimento de longo prazo

Diferentemente da poupança, o consórcio não tem liquidez diária. Em outras palavras: o dinheiro não fica disponível para você até que a carta de crédito seja liberada.

Se houver planejamento, no entanto, isso não necessariamente é algo ruim. Pense só: se a quantia está reservada para a compra de determinado bem, a baixa liquidez oferece a certeza de que esse sonho será realizado. Interessante, não acha?

Os pagamentos são obrigatórios

No consórcio, você não escolhe se vai investir ou não em determinado mês. Uma vez assinado o contrato, os pagamentos devem ser realizados assim como qualquer outra conta mensal fixa. E essa também não precisa ser uma desvantagem! Pelo contrário, aliás, pode ser justamente a solução para quem tem dificuldade para manter a disciplina e autocontrole para juntar dinheiro.

Consórcio ou poupança: como escolher?

Mas, afinal, como escolher entre consórcio ou poupança? Não há uma resposta oficial para essa pergunta, uma vez que é necessário levar em conta diversos aspectos. O primeiro deles é uma análise criteriosa do seu perfil de investidor.

O lado positivo da poupança é que ela apresenta maior liquidez do que um consórcio, ou seja, o acesso ao dinheiro é muito mais fácil. Porém, se você não for uma pessoa financeiramente controlada, é justamente essa facilidade que pode se tornar um problema.

Para as pessoas que têm dificuldades de guardar dinheiro, ter uma poupança que pode ser acessada a qualquer "urgência" acaba deixando de lado o sentido de poupar para conquistar sonhos. Nesse cenário, o consórcio é muito mais seguro, tendo em vista que existe a obrigação de pagar mensalmentea cota adquirida e, caso você desista, não terá acesso ao dinheiro imediatamente. Ou seja, a chance de desperdiçar todo o valor investido é menor.

Mas se você tem um perfil controlado e a sua ideia com a poupança é realmente manter um fundo de emergências para situações que fogem do controle, como o desemprego ou uma doença inesperada, a poupança acaba sendo a opção mais viável.

No entanto, vale a pena lembrar que o rendimento da poupança não é exatamente interessante e muitas vezes fica abaixo da inflação, como citado. Logo, se você pretende manter uma reserva, deve levar em consideração investimentos seguros, com alta liquidez, porém, mais vantajosos, como o tesouro direto ou CDB.

Agora, se por outro lado, você já tem uma reserva de emergência e pretende ampliar o seu patrimônio, o consórcio é a melhor opção. Com ele, você é capaz de conquistar o imóvel ou carro novo, planejando melhor a sua compra.

Quais são os tipos de consórcio?

Se você está pensando em investir em consórcio, deve conhecer as opções que estão disponíveis no mercado. Falamos melhor sobre eles nos tópicos abaixo.

Consórcio de imóveis

O consórcio de imóveis, ao contrário do que muitas pessoas pensam, não está restrito apenas à compra de casas ou apartamentos. Ele engloba as seguintes aquisições:

- casa e apartamento em área urbana;
- sala, loja e galpão;
- lote e terreno;
- casa de praia ou de campo;
- construção e reforma de imóveis.

Consórcio de bens móveis

O consórcio de bens móveis é um dos tipos mais procurados, principalmente para a compra de carros e motos, porém, as opções não param por aí. Com um consórcio dessa modalidade, você pode adquirir os seguintes bens:

- carro de passeio e utilitário, zero-quilômetro ou usado, podendo ser modelos nacionais ou internacionais;
-moto;
- caminhão, ônibus, trator, entre outros veículos pesados;
- avião, barco e embarcações de todos os portes;
- móveis residenciais, comerciais e industriais;
- eletrodomésticos e eletrônicos que podem ser tanto residenciais quanto comerciais ou industriais;
- equipamentos médicos e odontológicos.

Consórcio de serviços

Talvez o consórcio de serviços seja um dos mais desconhecidos entre os brasileiros. Aqui, a carta de crédito contemplada é destinada ao pagamento da prestadora de serviços, sendo assim, há inúmeras possibilidades, como as listadas abaixo:

- a compra de um pacote de viagem;
- o pagamento de despesas que envolvam a educação pessoal ou dos filhos;
- festas de formatura, aniversário de 15 anos, casamento, entre outros;
- procedimentos estéticos, como cirurgias plásticas;
- tratamentos odontológicos.

Agora você tem todas as informações de que precisa para escolher entre consórcio ou poupança. Avalie suas particularidades e veja qual é o investimento com mais potencial para ajudá-lo a impulsionar suas finanças e realizar seus sonhos!

E então, gostou deste post? Se quer aproveitar o momento para saber mais sobre o assunto, baixe o nosso eBook com 5 formas para juntar dinheiro e criar seu patrimônio pessoal!
5 Formas De Juntar Dinheiro Para Criar Um Patrimônio Pessoal

As informações que constam nesse artigo podem sofrer atualizações sem aviso prévio.